2 de dezembro de 2014

A VONTADE DE DEUS E SUA PROVIDÊNCIA

Iniciemos fazendo um exaustiva estudo da palavra providência na Bíblia. É fácil de se fazer, pois há apenas uma referência, encontrada em Atos 24:2 [na King James Version]. Note as primeiras poucas palavras: "Cinco dias depois, desceu o sumo sacerdote, Ananias, com alguns anciãos e com certo orador, chamado Tértulo, os quais apresentaram ao governador libelo contra Paulo. Sendo este chamado, passou Tértulo a acusá-lo, dizendo: Excelentíssimo Félix, tendo nós, por teu intermédio, gozado de paz perene, e, também por teu providente cuidado, se terem feito notáveis reformas em benefício deste povo, sempre e por toda parte, isto reconhecemos com toda a gratidão. Entretanto, para não te deter por longo tempo, rogo-te que, de conformidade com a tua clemência, nos atendas por um pouco." (V. 1-4)

Esse orador loquaz prosseguiu tentando persuadir o governador a deter a obra da pregação do evangelho feita por Paulo. Mas ele usou a palavra providente. Ele não estava falando da providência de Deus, mas em vez disto da providência do governador. Estava falando a respeito do que o governador tinha provido para seus súditos. Assim quando usamos a palavra providência referindo-nos à orientação de Deus em nossa vida, estamos falando das coisas que Deus tem provido para nós.

Este quarto passo no conhecimento da vontade de Deus em nossa vida procura considerar as circunstâncias providenciais. Talvez a providência divina seja um pouco mais difícil de explicar ou de compreender do que alguns dos outros passos no conhecimento da vontade de Deus, assim usemos uma ilustração. Tente pensar em sua vida como um quebra-cabeça. Cada evento é uma peça separada do quebra-cabeça. Ao formar você o quebra-cabeça, peça por peça, emerge um quadro, que revela o plano para sua vida.

Você já formou um quebra-cabeça? É relativamente fácil de início, quando você olha para todas as peças da margem e une-as. Mas então torna-se mais difícil. Se você se detém com a parte mais difícil, pode ser realmente emocionante inserir aquelas poucas peças finais!

Temos uma amiga que gosta muito de formar quebra-cabeças. Ela se orgulha de ser perita em quebra-cabeças. Pode formar um quebra-cabeça mais rápido do que qualquer um ao seu redor. Um ano por ocasião do Natal, minha esposa deu-lhe de presente um quebra-cabeça. Era uma pintura do capuz do Chapeuzinho Vermelho. Era toda vermelha. Ela gastou vinte horas para formá-lo, e todos nós nos regozijamos!

Lembrar-se de como um quebra-cabeça se encaixa, se ajusta, pode ser um método para o reconhecimento da providência de Deus, para ver o Seu trato com você no passado e perceber onde Ele o dirigiu até aqui. Você poderia sentir o desejo de assentar-se com um pedaço de papel e um lápis e anotar todos os importantes eventos dos últimos cinco ou dez anos da sua vida. Vê você o surgimento de um quadro? A decisão que você agora está tentando tomar se ajusta a esse quadro?

Suponhamos que um estudante venha ao meu escritório para aconselhamento sobre como decidir qual deve ser o seu trabalho vitalício. Ao passarmos um pouco de tempo nos conhecendo mutuamente, eu lhe pergunto acerca dos seus interesses e passatempos favoritos em sua experiência até ao presente.

Diz ele: "Meu pai é veterinário. Eu sempre gostei muito dos animais. Quando era criança, eu sempre levava para casa algum animal ferido ou faminto e dele cuidava, restituindo-lhe a saúde.

"Nas férias de verão tenho trabalhado com meu pai em seu escritório e gostado muito disso. No verão o tempo sempre passa muito rápido. Durante o ano escolar minha matéria predileta tem sido biologia, embora eu aprecie também as outras aulas de ciências. E tenho uma bolsa de estudos para uma faculdade de veterinária. Mas o que eu estou tentando concluir é se Deus quer ou não que eu seja um mecânico de automóveis."

Isto seria um exemplo extremo de uma peça de quebra-cabeça que não se ajustou, em se tratando das circunstâncias providenciais.

É claro que não devemos decidir baseados somente nas peças do quebra-cabeça, quanto mais decidir baseados apenas em um único passo, seja qual for. Mas pode ser que ao olhar cuidadosamente para a direção de Deus em suas experiências passadas isto proveja idéias para ajudar na atual decisão com que você se depara.

Há exceções à regra acerca dos quebra-cabeças. Às vezes Deus está operando em mais de um quadro ao mesmo tempo em sua vida, e uma nova decisão pode se ajustar ao novo quadro. Ele quer operar em sua vida, mesmo quando ela não parece ajustar-se absolutamente ao velho quadro.

Assim aconteceu com Moisés. Ele pensava que devia tirar o povo de Deus do Egito, mas as coisas não estavam se encaminhando tão rapidamente como lhe convinha, de sorte que ele se precipitou e praticou alguma ação por si mesmo. Matou um egípcio. Então fugiu de diante de Faraó, atravessando as areias do deserto, e durante quarenta anos apascentou as ovelhas do seu sogro na encosta da montanha. Não tinha nem mesmo seu próprio rebanho de ovelhas!

Então um dia Deus Se encontrou com ele ali no deserto em uma sarça ardente e lembrou-lhe do chamado para ser o libertador do povo de Deus. E disse Moisés: "Escolheste o homem errado. Eu nasci para ser pastor de ovelhas. Não apenas isto, mas esperaste demais. Esqueci-me até mesmo da língua. Terás de enviar outro."

Moisés não acreditava absolutamente que as peças do quebra-cabeça se ajustavam. Mas Deus ainda estava operando em sua vida; e Seus propósitos, que não conhecem nem adiantamento nem tardança, estavam prontos para o cumprimento.

Davi também era pastor. Enquanto apascentava os rebanhos de seu pai, ouvia de seus irmãos acerca de guerras e combates. Eles eram soldados no exército do rei. Mesmo Samuel, quando Deus o enviou para ungir a Davi como rei de Israel, teve dificuldades ao rejeitar os irmãos de Davi, que pareciam estar muito mais qualificados para a tarefa.

Mas Deus tinha um novo quadro a formar na vida de Davi e advertiu a Samuel para que não olhasse para a aparência exterior. Veja    I Samuel 16:7. O chamado para ser rei não parecia se ajustar. De fato, enquanto Davi fugia de Saul por sete anos, parecia que isto nem mesmo iria se realizar! Davi, Moisés, e muitas outras pessoas piedosas tiveram de esperar durante anos até à conclusão do plano de Deus na vida deles. Mas o plano divino finalmente se cumpriu.

Isto nos leva a outro ponto importante que não devemos olvidar ao considerarmos as circunstâncias providenciais. Deus opera em um esquema diferente do nosso. Ele parece deleitar-Se em esperar até ao último minuto! Não abriu o Mar Vermelho para o povo de Israel quando este a princípio chegou em suas margens. Esperou até que os exércitos egípcios os tivesse alcançado e estivessem a encerrá-los para a matança. Não adoçou as águas de Mara antes que o povo de Israel as provasse e descobrisse que eram amargas. Não interveio com fogo do céu até o último minuto do último dia da demonstração final entre Deus e Baal.

Você pode descobrir em sua própria vida que Deus tem hoje o mesmo hábito. Se você parece estar em dificuldades financeiras e que em trinta dias terá de deparar-se com a falência, diminua a tensão, ponha-se à vontade! Você tem vinte e nove dias – ou talvez vinte e nove dias e meio, antes de Deus precisar mover-Se em seu favor. 

Em nossa impaciência humana, freqüentemente achamos que Deus deveria apressar-Se um pouco! Mas Deus tem mais em Sua agenda do que simplesmente trazer livramento para cada crise particular. Quer também ensinar-nos importantes lições de confiança e de dependência dEle. Quer dar-nos insight*, sobre o nosso coração e sobre o que nos faz pulsar.

O que acontece dentro de você quando Deus espera? É capaz de prosseguir calmamente, confiando em que Ele traga livramento a Seu próprio tempo e à Sua maneira? Ou é tentado, como foi Moisés, a tomar as coisas em suas próprias mãos? Fica zangado com Deus por não Se mover à sua velocidade? E poderia ser bom que você visse quão facilmente se irrita com Deus, quão rapidamente cessa de confiar nEle e começa a confiar em sua débil força?

Ao aprender a lição da espera, mesmo quando parece que o desastre e a derrota estão às portas, você virá a apreciar a providência de Deus que nem sempre age imediatamente. Torna-se tão emocionante esperar e aguardar que Ele opere Seus milagres em Sua vida.

Outra maneira em que a providência de Deus opera é através dos encontros divinos, quando você cruza o caminho com pessoas que têm a informação de que você pode precisar para tomar a decisão certa.

Talvez você esteja tentando decidir que tipo de carro comprar. Você esteve no vendedor de carros e ouviu o seu lance de vendas. Fez sua própria avaliação quanto aos méritos de uma marca especial e um modelo que você está interessado em comprar.

Mas você chegou antes a este tipo de decisão e teve alguns momentos desagradáveis. Assim você começa a convidar o Senhor para guiá-lo nesta decisão, e para seu espanto, dentro de pouco tempo, você vê Sua providência em operação. Você se encontra com outras pessoas, aparentemente por acidente, que tiveram experiência com o mesmo tipo de carro que você está pensando em obter. Elas não sabiam da decisão que você estava tentando tomar, mas de algum modo a conversação muda para esta direção e você tira proveito da sua experiência. Já lhe aconteceu alguma coisa assim?

Não muito tempo atrás recebemos um convite para realizar algumas conferências na Flórida para um grupo especial. Eles nos convidaram a levar toda a família, visto que as reuniões estavam sendo realizadas durante os feriados do Natal. Depois de discutir o assunto, nossa família resolveu aceitar a proposta.

Mas temos alguns jovens em nossa família que não gostariam de passar todos os seus feriados de Natal assentados em reuniões. E isso está certo, não é? E assim estivemos indagando que tipo de atividades poderíamos incluir que tornariam os feriados os mais agradáveis possíveis para eles.

Lembramo-nos de um oferecimento que nos havia sido feito vários anos antes por alguns amigos que possuíam uma cabana de verão não longe do local onde seriam realizadas as conferências. Até ali nunca tínhamos tido ocasião de aceitar seu oferecimento, mas agora refletimos sobre isto e procuramos entrar em contato com eles. Infelizmente havíamos perdido seu endereço e não pudemos encontrar alguém que nos pudesse informar onde eles estavam.

Minha esposa, sem mesmo falar sobre isto ao resto da família até posteriormente, começou a orar para que Deus provesse um lugar para ficarmos durante a semana de reuniões. Alguns dias depois nos encontramos pela primeira vez com algumas pessoas e almoçamos com elas. Terminada a refeição, elas nos disseram que tinham uma casa de praia na Flórida e que podíamos usá-las e um dia necessitássemos de tal coisa! A casa de praia que o Senhor proveu era superior à cabana de férias original que tínhamos em mente, porque estava exatamente na praia, e nossos jovens podiam fazer uso do sol e da areia sempre que o desejassem.

Havíamos tomado a decisão de freqüentar as reuniões mesmo antes de receber o oferecimento da casa de praia! Mas enquanto considerávamos todas as maneiras de reconhecer a direção de Deus em nossa vida, Sua providência no assunto da casa de praia tornou-se uma das razões por que nos sentimos seguros de que Deus nos estava dirigindo naquela ocasião para aquele lugar especial.

Jesus aceitava a orientação do Pai ao marcar encontros divinos quando esteve aqui na Terra. Estava disposto a caminhar 80 quilômetros fora do Seu caminho simplesmente para colocar-Se no caminho de uma mulher siro-fenícia que ansiava por Sua presença e auxílio. Estava disposto a esquecer o descanso, o alimento e mesmo um pouco de água para refrescar-Se do sol escaldante da tarde, a fim de ministrar à mulher samaritana enquanto estava assentado junto ao poço. Estava disposto a protelar a Sua ida para a cama no final de um dia atarefado a fim de conversar com Nicodemos, que estava envergonhado de vir durante as regulares "horas de expediente"! Permitia que Seu Pai fizesse os planos e então Lhos revelasse diariamente, durante Sua hora de comunhão com o Pai.

Já viu o Senhor operar em sua vida, marcando-lhe encontros divinos? Esta é outra faceta da Sua direção providencial em operação. Talvez você esteja procurando alguma oportunidade para testemunhar em prol do evangelho. Comece a orar sobre isto, e logo Ele cruza seu caminho com pessoas que estão necessitadas do próprio tipo de auxílio que você tem a oferecer. Realmente, com base em minha própria experiência, bem como nas informações que outros têm partilhado comigo, estou inclinado a predizer que Deus lhe tornará habitual este tipo de oportunidade se você for sensível à Sua orientação e convidá-Lo para fazer isto.

Você poderá descobrir que os encontros divinos interrompem seus próprios planos, mas se você estiver disposto a ser interrompido, a providência divina o conduzirá de maneiras emocionantes.

A cronometragem dos encontros divinos está sempre certa. Às vezes você pode defrontar-se com o que parece ser um encontro divino, mas a cronometragem está errada. Você pode saber que não é a mão do Senhor que está operando.

Quando aceitamos o chamado para deixar o belo norte da Califórnia e ir para Nebraska, oramos, consideramos e atravessamos os diversos passos para conhecer a vontade de Deus. Então tomamos uma decisão. Chegou o tempo de nossa resposta final e não podíamos mais adiar. Baseados em todas as informações que tínhamos obtido, baseados em tudo o que se achava na pasta de papéis de cada um dos oito passos, concluímos que o Senhor nos estava dirigindo na aceitação do chamado para Nebraska. Aceitamos oficialmente a proposta.

Na semana seguinte, recebi um telefonema de um amigo íntimo que é um rádio-evangelista. Sua filha morava na cidade que estávamos deixando e lhe havia contado acerca de nossa decisão de mudar-nos para Nebraska.

"Alô, Irmão Venden" – disse ele. "É sua consciência que está falando!" E ele prosseguiu, falando-me de todas as razões que ele podia imaginar, mostrando por que devíamos permanecer no norte da Califórnia. Tinha algumas razões muito impressionantes, e ele era alguém cujo conselho eu havia prezado e cuja sabedoria eu havia respeitado. Se ele tivesse feito aquela chamada uma semana antes, aquela única coisa poderia ter influenciado a decisão de outro modo, a despeito da evidência dos outros passos no conhecimento da vontade do Senhor! Mas a cronometragem estava errada. A decisão já havia sido tomada, as portas estavam se abrindo nesta direção e eu não pude dar ouvidos à sua voz, mesmo embora, humanamente falando, era extremamente difícil ir contra o seu conselho.

Ao buscarmos a orientação do Espírito Santo em nossa vida, podemos ver Sua mão operando nos encontros divinos, quer seja causando, quer seja impedindo contatos que influenciarão nossas escolhas.

Já aconteceu isto em sua vida? Você tenta reiteradamente entrar em contato com alguma pessoa, e toda vez que você chama a linha está ocupada ou eles acabaram de sair ou naquele momento já deveriam estar de volta mas não estão, e nada que você faz pode confortá-lo, ou já descobriu que o inverso pode ser verdade? Você se encontra com a mesma pessoa quinze vezes em um só dia, até que está finalmente disposto a falar-lhe ou ouvir-lhe e reconhecer um encontro divino. As maneiras de Deus operar são freqüentemente misteriosas à nossa compreensão humana, mas a vereda de Sua providência nos traz encontros divinos como um dos métodos que Ele geralmente escolhe para a revelação da Sua vontade.

Existe outra área da providência, um lado mais escuro, do qual escaparíamos se tivéssemos a escolha. A providência de Deus freqüentemente nos conduz através de provações e dificuldades que enfrentamos neste mundo de pecado. Ele não produz as dificuldades, mas Sua providência pode guiar-nos através delas. Qualquer barreira que as hostes das trevas possam lançar em nossa trilha, Deus pode transformar em um degrau pardo cumprimento do Seu plano em nossa vida.

Lembra-se de José? Ao mergulhar na noite, as tendas de seu pai desaparecendo no horizonte distante, parecia o fim de tudo. Como poderia tal traição por parte de seus irmãos e o mau tratamento dos traficantes de escravos ser parte do plano divino para sua vida? As coisas lhe pareceram mais promissoras por algum tempo ali no Egito, ao gozar de mais e mais confiança em casa de Potifar.  Mas o seu tempo favorável foi de breve duração, e ao passar dia após dia e noite após noite aprisionado no cárcere egípcio, sua fé e confiança em Deus foi severamente provada. Foi o lado escuro da providência divina que permitiu que ele fosse conduzido a tal lugar. Mas foi não obstante a providência de Deus, porque as provações que Ele permitiu que viessem sobre José foram os próprios meios que o prepararam para sua obra como libertador, não somente do Egito, não apenas de sua própria família, mas também das nações vizinhas.

Davi fugindo de um Saul irado e ciumento, Jeremias no fosso enlameado, João Batista no cárcere de Herodes, João o Discípulo Amado na Ilha de Patmos – a lista poderia prosseguir infindavelmente. Vezes sem conta a providência de Deus tem conduzido o Seu povo por veredas escuras e solitárias. Em nossa fraqueza humana, regozijamo-nos muito mais quando Daniel é livrado da cova dos leões do que quando João Batista foi decapitado. Mas a amorosa providência está dirigindo em cada caso. A promessa ainda é certa de que "todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o Seu propósito". Romanos 8:28.

Achamos difícil compreender que não há maior evidência do favor e da orientação de Deus em ser levado para o Céu em um carro de fogo do que morrer de uma prolongada enfermidade. Eliseu foi precisamente tão honrado por Deus como fora Elias, e ambos foram guiados por Sua providência no cumprimento de sua parte no propósito divino. A comunhão com Cristo em Seus sofrimentos, bem como a comunhão com Ele no serviço e a comunhão com Ele em Sua glória, são prometidas aos Seus fiéis seguidores. E mesmo quando Sua escolha para nós parece muito distante do que escolheríamos por nós mesmos, ainda podemos confiar nEle em nossa vida. Como diz o cântico: 

A senda que eu tenho trilhado, me levou para mais perto de Deus,

Embora muitas vezes ela transpusesse os portais da aflição.

Embora não fosse a trilha que escolhi, em meu caminho eu perderia

As alegrias que ainda me aguardam.

A área das circunstâncias providenciais pode ser um dos mais emocionantes dos oito passos, porque é aquela que está completamente no setor de Deus. Ele é o que escolhe o tempo e o método de comunicar-Se com você através de Suas providências. As circunstâncias providenciais não são algo que possa ser facilmente reproduzido pelo poder humano. E mesmo quando não compreendemos as razões de Sua operação providencial, ela fornece as mais inconfundíveis evidências de Sua direção para aquele que está procurando conhecer Sua vontade.

Ao tentar ser sensível à vontade de Deus em sua vida, aprendendo por Sua graça o que significa não ter nenhuma vontade própria e procurando conhecê-Lo diariamente através da Sua Palavra e através da oração e comunhão com Ele, a direção de Sua providência torna-se muito significativa. Sua direção no passado, bem como as providências que Ele traz para o seu presente, podem dar-lhe verdadeiro conhecimento de Sua vontade ao você considerar as circunstâncias providenciais.






*Compreensão repentina, em geral intuitiva, de suas próprias atitudes e comportamentos, de um problema, de uma situação. 

COMO  CONHECER  A  VONTADE  DE  DEUS

Morris Venden



Título Original em inglês:

HOW TO KNOW GOD'S WILL IN YOUR LIFE



Tradução de Francisca Alves de Pontes



CASA PUBLICADORA BRASILEIRA

Tatuí - São Paulo
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário