Pular para o conteúdo principal

A dinâmica da comunidade


Em grupo, quando somos mais vulneráveis, estamos mais protegidos
Se há alguma coisa que os escândalos de corrupção nos ensinam é que o senso de comunidade é essencial para a sobrevivência. Isso mesmo! Se o discípulo é um eterno aprendiz, não deve permitir que a justa indignação com a situação política nacional o cegue para uma lição preciosa vinda de um contexto inesperado.
O que esses esquemas de corrupção têm em comum é uma forte rede de pessoas comprometidas e cúmplices. Ao mesmo tempo que elas são vulneráveis, porque podem ser delatadas por alguém do grupo, também são extremamente fortes, porque se protegem mutuamente.
Em contraste, o cristianismo perde força quando uma visão individualista da fé é permitida. O risco é os cristãos se protegerem dos outros e não uns aos outros. Com medo de se tornarem vulneráveis, porque podem ser traídos e abusados, acabam se tornando fracos porque se isolam. Em muitos casos, a rede de comprometimento e cumplicidade que perpetua o abuso, infelizmente, não se repete para o bem.
E isso acontece em um momento crucial da história quando a humanidade experimenta uma mudança dramática e progressiva em direção à desconexão social. A tecnologia tem fracassado em cumprir sua promessa de conectar pessoas e pesquisas revelam, por exemplo, que possuímos poucos ou nenhum confidente com quem discutimos questões importantes. Entre outros indicadores está o aumento do número de pessoas que vivem sozinhas. Enquanto a depressão e o estresse aparecem como grandes vilões no século presente, a solidão é identificada como a principal causa de grande parte do atual estado de infelicidade, insanidade e tristeza humana.
O texto (Bíblia), porém, ensina que a vida cristã em contexto (cultura atual) acontece em comunidade. Não é possível desassociar o “ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração” do “ame ao próximo como a ti mesmo” (Lc 10:27, NVI). Parece que não conseguiremos crescer espiritualmente de acordo com o propósito divino vivendo relacionamentos superficiais. São nos relacionamentos profundos, em que nos arriscamos a viver de coração aberto em confiança, que o potencial espiritual é desenvolvido e a proteção acontece (Ef 4:11-16).
Parece um paradoxo pensar que quanto mais vulneráveis mais protegidos estamos. E a vida proposta por Jesus é mesmo cheia de paradoxos, como, por exemplo, a verdade de que é preciso perder a vida para ganhá-la (Mc 8:35) ou de que o criador do Universo nasceu como um bebê indefeso (Mt 1:23).
Em comunidade, conhecemos melhor a divindade que se revela numa comunidade de três e que nos criou à sua imagem (Gn 1:26). Ao nos afastarmos das pessoas, vamos na contramão desse DNA relacional com o qual fomos desenhados e experimentamos o vazio da falta de relacionamentos íntimos. Dessa maneira, somos tentados a preencher o lugar deles com a busca por bens materiais, com a ocupação do tempo ou com a tentativa de manter a vida sob controle.
Chegamos até a repetir “provérbios” cristãos que justificam e reforçam nosso distanciamento, como: “temos que olhar pra Deus e não para as pessoas”, “o importante é meu relacionamento com Deus” ou “a salvação é individual”. Para mim, esses ditados religiosos não se diferem muito da máxima secular “cada um com seus problemas”, usada por uma sociedade doente.
A realidade é que pessoas socialmente conectadas vivem mais, respondem melhor a situações de estresse, possuem um sistema imunológico mais robusto e enfrentam melhor uma variedade de doenças. Essa é a constatação apresentada pelo casal de médicos Jacqueline Olds and Richard S. Schwartz, no livro The Lonely American: drifting apart in the twenty-first century (p. 2).
Porém, o que fazer com o medo de se aproximar? Com as experiências negativas e feridas causadas por amigos? Você deve correr riscos! E eles valem a pena diante dos benefícios dessa atitude de buscar viver em comunidade. Seguem algumas dicas:
Seja intencional
Com o tempo, encontre outras pessoas que também queiram desenvolver relacionamentos verdadeiros e faça um acordo com elas de cumplicidade, confidencialidade, abertura e aceitação. Isso pode até soar artificial, mas lembre-se de que relacionamentos íntimos não são construídos naturalmente. Eles precisam ser intencionalmente estabelecidos e cultivados (Ec 4:9,10,12; Pv 27:17).
Busque transformação em grupo
Quando
o texto se encontra com a vida prática, a transformação acontece. Vida em comunidade como prática da espiritualidade se dá quando existe comprometimento de ajuda mútua para que a verdade bíblica seja aplicada na vida diária (Jo 15:14). Em comunidade, somos capazes de fazer muito mais do que faríamos sozinhos.
Pratique o cuidado mútuo
Ele nos ajuda a desenvolver a concentração nas necessidades do outro e o exercício de zelar pelos interesses alheios (Fp 2:4). O crescimento espiritual parece ser acelerado quando servimos ao próximo e permitimos, em contrapartida, que os outros cuidem de nós.
É claro que a prática da espiritualidade por meio da vida em comunidade não se dá apenas com intencionalidade e comprometimento. Ela requer tempo, experiências de vida conjuntas e, sobretudo, a ação agregadora do Espírito Santo. Algumas dessas experiências serão extremamente prazerosas, enquanto outras podem gerar sofrimento. Para aqueles que já enfrentaram situações difíceis em relacionamentos com pessoas desequilibradas, sugiro que procure pessoas emocionalmente saudáveis com quem possam desenvolver uma comunidade espiritual sadia. E, conforme o conhecimento mútuo se aprofunda, aprenda a amar e ser amado.
O cristianismo bíblico nunca afasta as pessoas. Pelo contrário, as ajunta em sua multiplicidade em um só corpo (1Co 12). Esse sistema de proteção e interdependência requer intencionalidade e vulnerabilidade. A Bíblia é insistente ao falar da necessidade do amor. Porém, você não pode esperar que o amor bata a sua porta, nem mesmo que o crescimento espiritual aconteça de modo individualista e passivo.
Viver em comunidade como cúmplices no crescimento espiritual não é experimentar um amor distorcido que usa, abusa e decepciona, mas o amor verdadeiro, mandamento do Senhor Jesus, o Cristo (Jo 15:12,13).

RA

Comentários

Postagens mais antigas

O Verdadeiro Tesouro Mateus 6: 19 a 21

Itamar de Paula Marques

19 - Não ajunteis para vós tesouros na terra, onde a traça e o caruncho os corroem e onde os ladrões arrombam e roubam. NÃO AJUNTEIS PARA VÓS TESOUROS - Literalmente: não sigais fazendo tesouros ou deixai de fazer tesouros. A acumulação de bens terrenos geralmente se deve ao desejo de ter segurança no futuro e reflete temor e incerteza. Jesus indica aos que querem ser cidadãos de seu reino que a posse de riquezas materiais é um motivo de ansiedade mais do que um meio de liberar-se dela. O cristão não se angustia pelas necessidades materiais da vida porque confia em que Deus as conhece e lhe dará o que lhe faça falta versos 31 a 34. Como destaca Paulo, isto não significa que o cristão será indolente ante suas próprias necessidades e as de sua família. Empenhai a vossa honra em levar vida tranqüila, ocupar-vos dos vossos negócios, e trabalhar com vossas mãos conforme as nossas diretrizes.I Tessalonicenses 4: 11; II Tessalonicenses 3: 10; I Timóteo 5: 8. Mateus 6: 1…

Vivendo Seu Amor - Meditação da Mulher

Conexão viva com o Salvador Pois a sua ira só dura um instante, mas o Seu favor dura a vida toda; o choro pode persistir uma noite, mas de manhã irrompe a alegria. Salmo 30:5 Quais têm sido os pedidos que muitas de nós fazemos em oração? Uma viva ligação com nosso Salvador, certo? Fazemos isso ao adorar, louvar, orar, relacionar-nos e testemunhar, onde quer que estejamos. Com o que se parece essa viva ligação na vida cotidiana? Minha amiga me ajuda a entender melhor, pois ela procura viver cada momento em ligação com Cristo. Por exemplo, todos os dias, quando minha amiga vai para o chuveiro, ela usa esse tempo como oportunidade para cantar hinos que louvam e engrandecem o nome de Deus. Às vezes, ela compõe cânticos para glorificá-Lo. Certa vez, quando essa amiga olhou pela janela da cozinha, viu o formato de uma ovelha nas nuvens. Ela sentiu que aquilo era um lembrete de Deus para ela, de que o Cordeiro que foi "morto desde a criação do mundo" (Ap 13:8) está para voltar um dia,…

Aceite o perdão

Sublime Esperança

Sublime Esperança
A Bendita Esperança Vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente. Tito 2:12

Somos exortados a viver sóbria, correta e piedosamente no mundo presente, e a esperar o glorioso aparecimento do grande Deus e Salvador Jesus Cristo. (...)

O tempo exato da segunda vinda de Cristo não nos é revelado. Jesus disse: "A respeito daquele dia e hora ninguém sabe" (Mt 24:36). Mas Ele também deixou sinais de Sua vinda, ao dizer: "Quando virdes todas estas coisas, sabei que está próximo, às portas" (v. 33). E disse-lhes que quando os sinais da Sua vinda surgissem, eles deviam exultar e erguer a cabeça, porque a redenção deles estaria próxima. Tendo em vista essas coisas, o apóstolo escreveu: "Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que esse dia como ladrão vos apanhe de surpresa; porquanto vós todos sois filhos da luz e filhos do dia" (1Ts 5:4, 5). Como não sabemos a hora da vinda de Cristo, precisamos viver sóbria e piedosamen…

Ciência e Religião

O benefício da dúvida
Deu no site da revista Ciência Hoje: “Karl Popper, um dos filósofos mais influentes do século passado, apontou para o fato de que, para ser validada, uma teoria científica deve necessariamente ser confrontada, desafiada, falseada. Dizia que, do contrário, a teoria poderia se tornar dogma – e qualquer dogma, para Popper, seria terrível para a ciência.” A matéria aponta, ainda, a coincidência entre o raciocínio de Popper e um texto publicado pelo jornal britânico The Guardian e repercute pesquisa realizada pela revista eletrônica Edge, que faz, todo ano, uma pergunta para centenas de especialistas de áreas distintas com o objetivo de colher tendências. A pergunta daquele ano foi: “Qual conceito científico poderia aprimorar a ferramenta cognitiva de uma pessoa?” “Artistas, cientistas e filósofos responderam à questão. Surpreendentemente, muitos deles destacaram a relevância dos erros, das incertezas e dúvidas para a ciência e ressaltaram a importância de…

Você passa tempo suficiente com a sua família?

A vida que vale a pena

Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância. João 10:10, ARA “A maneira como vivemos é mais importante do que quanto tempo vivemos.” Encontrei essa frase e a história abaixo no livro A Revolução do Espírito, que, entre outros relatos, retrata a vida de Svea Flood. Ela e o esposo, David, em 1921, deixaram a Suécia, depois de aceitar o chamado divino para serem missionários no Congo. Com outro casal de missionários, resolveram evangelizar uma região remota do país. Chegaram à vila de N’dolera, mas não foram aceitos ali, pois o chefe tribal acreditava que se permitisse a presença dos missionários, os deuses locais ficariam insatisfeitos e abandonariam a região. Mesmo com a recusa, resolveram não desistir e se estabeleceram em uma montanha próximo à tribo, onde construíram cabanas de barro enquanto oravam para terem oportunidade de evangelizar o lugar. Isolados na montanha, a única pessoa com quem podiam ter contato era um menino, que havia sido autorizado a visitá-…

A didática da repetição

“Quando, pois, deres esmola, não toques trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas, nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que eles já receberam a recompensa” (Mateus 6:2).
Três vezes no capítulo 6 Jesus utiliza o mesmo padrão para atingir Seu objetivo. Ele sabia que a mente humana enfraquecida pelo pecado precisa ouvir as coisas mais de uma vez para assimilar uma lição. E Jesus é o mestre por excelência.
Repare no Seu estilo. Primeiro, Ele delineia o princípio geral no versículo inicial: Não pratique atos piedosos para ser visto pelos outros. Os que assim procedem não receberão outra recompensa a não ser sua própria atitude egocêntrica. Depois, Ele passa a ilustrar essa lição principal a respeito da esmola (versos 2 a 4), da oração (versos 5 e 6) e do jejum (versos 16 a 18).
Todas as três ilustrações seguem o mesmo padrão. Primeiro, vem a descrição da falsa forma de piedade, que se concentra na exibição pública da “santid…

Alimentação: O que é preciso entender sobre a dieta de Adão e Eva?

“E disse Deus: Eis que vos tenho dado toda a erva que dê semente, que está sobre a face de toda a terra; e toda a árvore, em que há fruto que dê semente, ser-vos-á para mantimento”. Gênesis 1:29
Já no primeiro capítulo da Bíblia, existe uma orientação sobre qual deveria ser a alimentação do ser humano. Mas é importante compreender quais alimentos faziam parte desta alimentação original. Toda erva que dê semente é uma expressão que faz referência aos cereais (arroz, trigo, aveia, milho, centeio e cevada) e às leguminosas (feijões, grão de bico, lentilha, ervilha, soja, tremoço e amendoim).
E toda árvore, em que há fruto e que dê semente é uma referência agora são as frutas e também as sementes oleaginosas (castanhas em geral). Isso vos será para mantimento, ou seja, essa era a alimentação original de Adão e Eva. Devemos lembrar que Deus sempre tem lições para nos ensinar por meio da sua palavra. No contexto em que Adão e Eva vivam no Éden, onde não havia morte essa deveria se…

Crianças