10 de maio de 2015

A mão que embala o berço

“Lembro da sua fé sincera, a mesma fé que a sua avó Loide e Eunice, sua mãe, tinham. E tenho certeza de que é a mesma fé que você tem” (II Timóteo 1:5, NTLH).
Paulo menciona essas duas mulheres, não por elas terem organizado algum departamento de Assistência Social ou uma Associação Cristã de Moças, mas por terem transmitido ao seu filho e neto os valores da fé cristã.
Deve ter sido muito difícil para a mãe, Eunice, e a avó, Loide, dar uma educação cristã a Timóteo, uma vez que o pai dele era grego (At 16:1), isto é, um gentio descrente. A mãe que tem um marido descrente sabe muito bem como é complicado ensinar os princípios religiosos aos filhos. É possível que o pai de Timóteo tivesse falecido quando ele ainda era criança, pois não é mais mencionado.
Nesse caso, a viúva Eunice teria precisado trabalhar fora do lar para ganhar o sustento, como acontece ainda hoje. Então, deixou o filho Timóteo aos cuidados da avó Loide, a qual desempenhou um papel importante em sua formação. Eunice e Loide puseram em prática a grande verdade bíblica: “Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele” (Pv 22:6).
As mães cristãs têm as melhores condições para inspirar nos filhos a fé em Deus e também confiança em si mesmos, pois elas veem neles não apenas o que são, mas o que poderão se tornar, pela graça de Deus.
Timóteo recebeu, pelo lado materno, a fé por herança. É admirável ver exemplos de fé transmitidos de geração em geração, pois é mais fácil que as tendências pecaminosas, e não a fé, sejam transmitidas pelo sangue. Entretanto, Deus prometeu fazer “misericórdia até mil gerações daqueles que Me amam e guardam os Meus mandamentos” (Êx 20:6). Entre os cristãos mais bem firmados na fé estão aqueles que procedem de uma linhagem cristã.
Daí a razão de a influência materna ser tão importante. As mães receberam de Deus o poder de moldar o caráter dos filhos para o tempo e a eternidade, poder esse que ultrapassa nossa imaginação: “Depois de Deus, o poder da mãe para o bem é a maior força conhecida na Terra” (O Lar Adventista, p. 240,).
“A mão que embala o berço é a que governa o mundo”. Você, que é mãe, tem esse poder. “Eduque seus filhos a fim de que sejam úteis neste mundo e estejam aptos para o mundo melhor” (ibid., p. 236).

Rubem M. Scheffel

Nenhum comentário:

Postar um comentário