Pular para o conteúdo principal

Família: Crianças tristes precisam de pais atentos

Ana* sempre foi tímida. Uma criança mais retraída “como o pai”, diziam todos. Aos oito anos de idade a mãe ficou preocupada quando a criança não quis ir ao parque aquático junto com os coleguinhas da escola e resolveu olhar o diário da filha. Lá descobriu que a criança não só estava quieta demais, como estava sofrendo demais. Com excesso de peso ela recebia xingamentos na escola e manifestava do desejo de “sumir”, pois acreditava que além dos pais, ninguém mais gostava dela. Para não contar que tinha visto o diário sem permissão, a mãe agora procura uma maneira de abordar e procurar ajuda e uma bulimia nervosa foi o ponto de partida para um tratamento intenso e doloroso para pais e filha
“Me sentia péssima em ver minha filha daquele jeito e ficava me perguntando onde havia errado. Ela chorava muito, sem motivo e sentia culpa por estar triste”, recorda a mãe Caroline* que prefere proteger a identidade da família. Ela chegou a suspeitar de abuso, mas a pequena que hoje é adolescente, sempre negou. Crianças assim, acima dos oito anos de idade foram alvo de uma grande pesquisa no Reino Unido, divulgada no início do ano. Lá descobriram que a cada onze crianças, entre 8 e 16 anos, uma está infeliz. O levantamento feito pela Children’s Society, organização de proteção à infância não é uma exclusividade britânica.
Embora não haja pesquisas recentes no Brasil, a pediatra Ana Maria Escobar, do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas de São Paulo, advoga a tese de que em solo brasileiro a realidade é parecida. Em 2005 ela fez um levantamento sobre o bem-estar dos pequenos que frequentavam o hospital, querendo saber das 959 crianças entrevistadas se elas viviam bem e se havia diferença entre a qualidade de vida dos alunos de escola privada e pública. “Para minha surpresa 22% responderam sofrer de ansiedade e quase 2% manifestaram sinais de depressão e eles tinham entre 5 e 9 anos de idade”, enfatiza a especialista. Para quem esperar saber de asma e outros problemas de saúde mais palpáveis foi uma tremenda surpresa descobrir que o estresse moderno não passa desapercebido pelos pequenos e também não faz distinção entre nível social.

Crianças desconfortáveis na infância

Brincar de bola na rua, andar de carrinho de rolimã ou soltar pipa são atividades ilusórias e almejadas por Ricardo*, de 9 anos. Filho de uma advogada e um empresário o pequeno vê da janela do quarto a vida passar lá embaixo, fora do seu prédio. “Nós nos preocupamos muito com a segurança dele e ele entende que é para o bem. Somos pais e temos que protegê-lo, mas não sabia que proteção poderia atrapalhar”, culpa-se Beatriz*, a mãe que mora em Curitiba e há um ano acompanha o filho na terapia.
A proteção não é exatamente o problema, mas o medo que se transfere para o filho desde que o marido sofreu um sequestro relâmpago, quando o garoto nem sabia falar ainda. O prédio cheio de câmeras de segurança, as portas com proteção, o carro blindado e o alerta constante para prestar atenção. “Minha mãe nunca deixa andar com o carro de janela aberta. Pede para fechar, pois é perigoso”, explica o menino quieto, que segundo o pai, já foi mais falante.
De fato a infância de ontem era mesmo mais leve que a de hoje. Para Ana Escobar o mundo atual é mais estressante e angustiante para as crianças, sobretudo as dos centros urbanos. Já não existe espaço para correr, brincar e descobrir o seu redor. “O espaço para brincar e explorar as possibilidades é muito importante para a formação infantil e como temos vividos em pequenos apartamentos, com pequenos quintais, sem árvores para subir, desenvolveu-se o lazer de inatividade recreacional que é justamente videogames, internet e televisão”. Ela chama a atenção para o nível de competitividade e violência destes recursos utilizados largamente para entreter os pequenos que, além de espaço, também sentem falta dos pais.
Pais que trabalham fora acabam delegando a educação das crianças para outras pessoas, menos comprometidas com o bem-estar e a formação emocional. O resultado disto é menos tempo em família, menos conversa, menos conhecimento e mais sofrimento. No primeiro caso que você leu, a mãe reconhece que descobrir logo o problema foi essencial para um tratamento eficaz, entretanto existia também um grande tabu em levar a criança ao psicólogo, pois junto vinha o estigma de uma família que não sabia lidar com o seu problema.
“Minha filha não queria cantar no coral da escola, não foi à própria formatura e tinha uma autoestima péssima. O tratamento me fez prestar mais atenção à ela e suas necessidades”, lembra. Para a mãe de Ricardo, a culpa ainda é grande, pois foram vários meses de reclusão do garoto até notarem algo de errado. “Achava que era apenas mau comportamento e que ele precisava do espaço dele para ficar sozinho”, desculpa-se.
O garoto que fazia inglês, espanhol, equitação e natação é como muitos que são sobrecarregados de atividades e têm pouco tempo para o descanso. Como miniexecutivos, precisam organizar suas agendas para dar conta de tantos compromissos. Para o Dr. Ricardo Halpern, presidente do Departamento Científico de Pediatria do Comportamento e Desenvolvimento da Sociedade Brasileira de Pediatria, “as crianças dão sinais físicos de que as coisas não estão bem e podem ir desde mal desempenho na escola até dores repentinas como cefaleia e abdominais”.
Ele também lembra que a configuração moderna de relacionamento, priorizando o virtual ao invés do real, tem lá sua parcela de contribuição para este estado de tristeza e ansiedade. Embora tenham sua importância, as redes sociais geram frustração, pois nelas só se coloca o melhor, a melhor foto, a melhor frase, como se estivessem criando um personagem. Na hora do convívio real pode haver rejeição e frustração pela figura que existe. “Os adolescentes são pautados pelo que se mostra nas redes sociais, principalmente na fase de transição da infância para a vida adulta, por isto os pais devem saber o que acontece lá para orientá-los”, convoca a pediatra.
É bom ressaltar que muitas das atividades às quais os pequenos são submetidos são mesmo para preencher o tempo que os pais estão ausentes e, de certa forma, um mecanismo que os responsáveis encontram para capacitar o filho, tendo em vista seu futuro profissional, porém o tiro pode sair pela culatra.
Em alguns casos, até por causa da convivência, é o professor quem primeiro percebe que algo está errado. Desenhos, falas soltas e omissão em atividades em grupo são sinais e, pelo sim e pelo não, é hora de verificar. Em muitos casos de abuso sexual, por exemplo, que é considerado um estresse tóxico, a demora em descobrir o problema e o medo de tocar num assunto tão delicado podem trazer consequências ainda piores e se arrastarem por toda a vida.

Disciplina

Por culpa ou mesmo preguiça, muitos pais deixam os filhos fazerem todas as próprias vontades, mas os especialistas em educação são unânimes em afirmar que a disciplina, regras claras e um toque de autoridade dão segurança aos pequenos. A melhor precaução para ansiedade e tristeza das crianças ainda é o mais antigo dos métodos: pais presentes. Mãe que conversa, que sabe o que acontece na vida do filho, pai que estabelece limites e os cumpre, passam uma imagem de solidez na família e o menor absorve isto como uma base segura sobre a qual andar e um porto para onde voltar e pedir ajuda.
Muitas vezes é na proibição do pai que ele encontra alívio para romper com a pressão do grupo que demanda algumas atitudes que de fato ele não quer fazer. Até o grupo da criança reconhece quando o “tio” é chato e não deixa passar a madrugada jogando games, por exemplo. Tudo bem que pais ausentes por causa do emprego contribui para a sensação de desamparo dos pequenos, mas não é uma desculpa tão eficaz. Desde a Segunda Guerra a mulher foi para o Mercado de trabalho e nem por isto àquelas são referência de má criação.
O fenômeno de agora é outro e diz respeito à ditadura da juventude que aponta para o consumo exacerbado para frear o tempo – como se isto fosse possível. “Este estilo de eternamente jovem atinge a sociedade de uma forma sem precedentes. O novo adulto tem uma mentalidade de garotão e está voltado ao seu próprio umbigo, buscando seus interesses pessoais, de carreira e não sobra espaço ou interesse de cuidar do outro. Ainda que este outro seja o próprio filho”, explica a psicóloga Rosely Sayão que fala ainda de crianças órfãs de pais vivos.
É preciso tomar tempo e repensar estes valores que são absorvidos sem muita contestação. A juventude é valorizada acima de tudo, numa onda crescente que desemboca no consumismo desenfreado. Para a especialista que também é colunista da Bandnews e da Folha de São Paulo criança tem sempre as mesmas necessidades, há séculos: “Criança é criança e precisa de adulto como parâmetro, do contrário ficará abandonada à própria sorte sem amparo para seus anseios e dúvidas.”
Isto pode ser visto nos índices de doenças antes restritas aos adultos que agora assolam a base infantil. Além da depressão, temos hipertensão, colesterol alto, gastrite e até alterações cardíacas. Aí se vê pouca interferência dos pais na orientação nutricional e uma permissividade em busca de ser “amigão”. Esta onda de ser camada e deixar o lado pai, que dita o caminho, também é um reflexo da ditadura da juventude, mas não dá de fato bons resultados. Segundo a especialista, em matéria de educação ser careta ainda rende os melhores frutos e não se trata de apenas ditar regras. “A regra por si só não ensina, a criança precisa aprender o princípio por trás dos padrões e entender que ela está no mundo, no ambiente e deve colaborar”, advoga Rosely, para quem arrumar a cama não deve ser um ato remunerado, mas uma lição de que ela faz parte daquele núcleo e sua ajuda faz parte do todo.
Cada família escolhe seus princípios e os ensina vivendo, por isto mesmo é que consumir tem se tornado o grande mote social hoje, porque é isto que as crianças veem nos pais e consumismo também é um princípio. Observe os sinais, gaste tempo em família, nas refeições, nos finais de semana no parque, exercite o diálogo. Todo indivíduo tem sua fase de reclusão e introspecção, mas se a do seu filho está passando de um dia, talvez tenha algo de errado, pois o normal de criança é ser feliz.

É preciso ficar atento se a criança:

Para de brincar com os amigos
Dorme demais, de uma hora para outra
Faz desenhos que mostrem algo anormal
Não tem amigos na escola
Não tem convites para visitar amiguinhos
Tem notas baixas na escola
Mude de apetite repentinamente
Começa a sofrer de infecções sem causa aparente

Resultados da pesquisa de Ana Escobar
 
959 crianças de 5 a 9 anos foram entrevistadas com seus pais
22,7% das crianças apresentavam ansiedade;
25,9% tinham problemas de atenção
21,7% problemas de comportamento.

Esta reportagem também foi publicada na revista Vida e Saúde



Fabiana Bertotti
 

Comentários

Postagens mais antigas

Vivendo Seu Amor - Meditação da Mulher

Conexão viva com o Salvador Pois a sua ira só dura um instante, mas o Seu favor dura a vida toda; o choro pode persistir uma noite, mas de manhã irrompe a alegria. Salmo 30:5 Quais têm sido os pedidos que muitas de nós fazemos em oração? Uma viva ligação com nosso Salvador, certo? Fazemos isso ao adorar, louvar, orar, relacionar-nos e testemunhar, onde quer que estejamos. Com o que se parece essa viva ligação na vida cotidiana? Minha amiga me ajuda a entender melhor, pois ela procura viver cada momento em ligação com Cristo. Por exemplo, todos os dias, quando minha amiga vai para o chuveiro, ela usa esse tempo como oportunidade para cantar hinos que louvam e engrandecem o nome de Deus. Às vezes, ela compõe cânticos para glorificá-Lo. Certa vez, quando essa amiga olhou pela janela da cozinha, viu o formato de uma ovelha nas nuvens. Ela sentiu que aquilo era um lembrete de Deus para ela, de que o Cordeiro que foi "morto desde a criação do mundo" (Ap 13:8) está para voltar um dia,…

Aceite o perdão

O Verdadeiro Tesouro Mateus 6: 19 a 21

Itamar de Paula Marques

19 - Não ajunteis para vós tesouros na terra, onde a traça e o caruncho os corroem e onde os ladrões arrombam e roubam. NÃO AJUNTEIS PARA VÓS TESOUROS - Literalmente: não sigais fazendo tesouros ou deixai de fazer tesouros. A acumulação de bens terrenos geralmente se deve ao desejo de ter segurança no futuro e reflete temor e incerteza. Jesus indica aos que querem ser cidadãos de seu reino que a posse de riquezas materiais é um motivo de ansiedade mais do que um meio de liberar-se dela. O cristão não se angustia pelas necessidades materiais da vida porque confia em que Deus as conhece e lhe dará o que lhe faça falta versos 31 a 34. Como destaca Paulo, isto não significa que o cristão será indolente ante suas próprias necessidades e as de sua família. Empenhai a vossa honra em levar vida tranqüila, ocupar-vos dos vossos negócios, e trabalhar com vossas mãos conforme as nossas diretrizes.I Tessalonicenses 4: 11; II Tessalonicenses 3: 10; I Timóteo 5: 8. Mateus 6: 1…

Sublime Esperança

Sublime Esperança
A Bendita Esperança Vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente. Tito 2:12

Somos exortados a viver sóbria, correta e piedosamente no mundo presente, e a esperar o glorioso aparecimento do grande Deus e Salvador Jesus Cristo. (...)

O tempo exato da segunda vinda de Cristo não nos é revelado. Jesus disse: "A respeito daquele dia e hora ninguém sabe" (Mt 24:36). Mas Ele também deixou sinais de Sua vinda, ao dizer: "Quando virdes todas estas coisas, sabei que está próximo, às portas" (v. 33). E disse-lhes que quando os sinais da Sua vinda surgissem, eles deviam exultar e erguer a cabeça, porque a redenção deles estaria próxima. Tendo em vista essas coisas, o apóstolo escreveu: "Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que esse dia como ladrão vos apanhe de surpresa; porquanto vós todos sois filhos da luz e filhos do dia" (1Ts 5:4, 5). Como não sabemos a hora da vinda de Cristo, precisamos viver sóbria e piedosamen…

Ciência e Religião

O benefício da dúvida
Deu no site da revista Ciência Hoje: “Karl Popper, um dos filósofos mais influentes do século passado, apontou para o fato de que, para ser validada, uma teoria científica deve necessariamente ser confrontada, desafiada, falseada. Dizia que, do contrário, a teoria poderia se tornar dogma – e qualquer dogma, para Popper, seria terrível para a ciência.” A matéria aponta, ainda, a coincidência entre o raciocínio de Popper e um texto publicado pelo jornal britânico The Guardian e repercute pesquisa realizada pela revista eletrônica Edge, que faz, todo ano, uma pergunta para centenas de especialistas de áreas distintas com o objetivo de colher tendências. A pergunta daquele ano foi: “Qual conceito científico poderia aprimorar a ferramenta cognitiva de uma pessoa?” “Artistas, cientistas e filósofos responderam à questão. Surpreendentemente, muitos deles destacaram a relevância dos erros, das incertezas e dúvidas para a ciência e ressaltaram a importância de…

A vida que vale a pena

Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância. João 10:10, ARA “A maneira como vivemos é mais importante do que quanto tempo vivemos.” Encontrei essa frase e a história abaixo no livro A Revolução do Espírito, que, entre outros relatos, retrata a vida de Svea Flood. Ela e o esposo, David, em 1921, deixaram a Suécia, depois de aceitar o chamado divino para serem missionários no Congo. Com outro casal de missionários, resolveram evangelizar uma região remota do país. Chegaram à vila de N’dolera, mas não foram aceitos ali, pois o chefe tribal acreditava que se permitisse a presença dos missionários, os deuses locais ficariam insatisfeitos e abandonariam a região. Mesmo com a recusa, resolveram não desistir e se estabeleceram em uma montanha próximo à tribo, onde construíram cabanas de barro enquanto oravam para terem oportunidade de evangelizar o lugar. Isolados na montanha, a única pessoa com quem podiam ter contato era um menino, que havia sido autorizado a visitá-…

Alimentação: O que é preciso entender sobre a dieta de Adão e Eva?

“E disse Deus: Eis que vos tenho dado toda a erva que dê semente, que está sobre a face de toda a terra; e toda a árvore, em que há fruto que dê semente, ser-vos-á para mantimento”. Gênesis 1:29
Já no primeiro capítulo da Bíblia, existe uma orientação sobre qual deveria ser a alimentação do ser humano. Mas é importante compreender quais alimentos faziam parte desta alimentação original. Toda erva que dê semente é uma expressão que faz referência aos cereais (arroz, trigo, aveia, milho, centeio e cevada) e às leguminosas (feijões, grão de bico, lentilha, ervilha, soja, tremoço e amendoim).
E toda árvore, em que há fruto e que dê semente é uma referência agora são as frutas e também as sementes oleaginosas (castanhas em geral). Isso vos será para mantimento, ou seja, essa era a alimentação original de Adão e Eva. Devemos lembrar que Deus sempre tem lições para nos ensinar por meio da sua palavra. No contexto em que Adão e Eva vivam no Éden, onde não havia morte essa deveria se…

A didática da repetição

“Quando, pois, deres esmola, não toques trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas, nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que eles já receberam a recompensa” (Mateus 6:2).
Três vezes no capítulo 6 Jesus utiliza o mesmo padrão para atingir Seu objetivo. Ele sabia que a mente humana enfraquecida pelo pecado precisa ouvir as coisas mais de uma vez para assimilar uma lição. E Jesus é o mestre por excelência.
Repare no Seu estilo. Primeiro, Ele delineia o princípio geral no versículo inicial: Não pratique atos piedosos para ser visto pelos outros. Os que assim procedem não receberão outra recompensa a não ser sua própria atitude egocêntrica. Depois, Ele passa a ilustrar essa lição principal a respeito da esmola (versos 2 a 4), da oração (versos 5 e 6) e do jejum (versos 16 a 18).
Todas as três ilustrações seguem o mesmo padrão. Primeiro, vem a descrição da falsa forma de piedade, que se concentra na exibição pública da “santid…

Crianças

Dois irmãos, dois destinos