4 de maio de 2015

Filhos rebeldes e teimosos

Preciso de uma orientação a respeito da educação de filhos rebeldes e teimosos

Olá,
Encaremos os fatos: todos nós temos sido rebeldes desde que Eva se rebelou contra Deus, no jardim do Éden. Ela insistiu em fazer o que queria, e Adão agiu da mesma forma. Desde então, cada um de nós tem revelado essa mesma teimosia, essa má vontade em submeter-se a uma autoridade, e até mesmo à autoridade de Deus. Se você tem um filho rebelde, pode não ser apenas porque você é muito rígido ou porque não tem permitido que ele expresse seu pensamento acontento. Mesmo que você fosse um pai ou mãe perfeitos, seu filho acharia natural rebelar-se. Ele precisa da vara da correção. Mas para que possamos resolver a questão da rebelião em nossos filhos, primeiro temos que resolvê-la em nosso coração. (Lembre-se de que o exemplo é uma força poderosa!).
Então, como vão as coisas na sua vida mãe? Você se gaba de sua rebelião contra a igreja, contra sua família ou contra a sociedade? A questão não é se tais instituições estão certas ou erradas; a questão é a sua atitude. Uma atitude de rebelião, seja contra que ela for, impede-nos de recebermos as bênçãos de Deus. Talvez ela tenha base em um ressentimento contra seu marido e seu comando no lar, ou contra Deus e seu plano para sua vida… Muitas mulheres estão-se rebelando contra seu papel de donas de casa e mães. Estão simplesmente abandonando-os ou lutando contra as instituições… Toda vez que você combater a rebelião de um filho, faça o mesmo consigo; essa prática constante manterá seu coração sempre livre de ressentimentos, antes que eles se transformem em um mar de amarguras.
Um criança sabe perceber nitidamente quando temos um espírito rebelde, teimoso. Inconscientemente, ela começará a admirar esse espírito, pois sua querida mamãe o possui.
Rejeite essa atitude de rebelião; confesse-a a Deus em oração, peça-lhe purificação, e depois comece a viver em obediência. Faça isso por amor a seus filhos.
Prevenção com oração
A rebelião não é um problema que se resolve de uma vez por todas. Vão-se infiltrando na criança pensamentos e atitudes que se transformam em rebeldia. A mãe terá que ficar atenta, a fim de esmagar a horrenda cabeça desses “répteis” logo que surgirem, e não depois que tiverem se fortalecido tanto, que já estejam com as presas firmes nela.
Susannah Wesley tinha dezenove filhos e todos foram criados muito bem. Ela escreveu um breve ensaio, dizendo que o segredo era submeter a vontade da criança. Sua ideia era que se deixasse a vontade da criança prevalecer, isso faria com que ela fosse direto para o inferno. Por isso teria que ser dominada e mantida sempre sob controle. Aquela atitude: “Ninguém manda em mim” precisa ser subjugada pelos pais, se é que desejam que a criança aprenda a submeter-se a Deus. Isso pode parecer meio rigoroso, mas a Sra Wesley contrabalançava sua rigidez dando muito amor aos filhos. Nunca deixou de acompanhar cada um dos dezenove filhos na hora de dormir, quando orava com cada um em particular.
Dominar a teimosia de uma criança não significa quebrar o espírito dela, a ponto de torná-la um bichinho assustado. É ensinar-lhe respeito pelos outros. A rebelião é o oposto da obediência…Temos que exigir obediência de uma criança, quando mandamos que ela guarde suas roupas, e ela deixa passar cinco minutos para depois começar. Ensine-a que ela tem que fazer o que você manda, no momento em que você manda, e não quando ela estiver com vontade…Comece logo corrigindo essas pequenas infrações, e assim cortará a rebelião, antes que ela se torne mais séria. É bem mais fácil impor sua autoridade quando a resistência que o filho oferece é apenas demoras e desculpas, do que quando ela já é uma franca hostilidade. Portanto, qualquer que seja a idade de seus filhos, exija obediência imediata. Não tolere murmurações, discussões, respostas e amuos.
A Bíblia fala
Entretanto, se a situação continuar, e a criança insistir na atitude errada, mostre-lhe as Escrituras. Conforme a área em que sua rebelião se manifestar, seja na questão da fala ou dos amigos que escolhe, mostre-lhe os textos relativos ao problema. Mande-a ler em voz alta versos como Provérbios 18:6 “Os lábios do insensato entram na contenda, e por açoites brada a sua boca”; Provérbios 10:12 “O ódio excita contendas, mas o amor cobre todas as transgressões”; Provérbios 17:14 “Desiste, pois (da contenda), antes que haja rixa.” (Quando se tratar de crianças pequeninas, geralmente lemos numa versão moderna da bíblia). Não demorará muito e ela compreenderá que estava errada em discutir e teimar, não porque mamãe disse que era errado, mas porque Deus o dissera. Ore com a criança pedindo a Deus que rejeite esse hábito e que a ajude a usar seus lábios da maneira certa.
Você pode controlar a rebelião!
Como vemos, não é impossível dominar a rebeldia infantil. Muitos pais caíram no erro de pensar que se encontram totalmente derrotados e que não há esperanças, mas não é isso que a Bíblia ensina. O pai cristão não precisa deixar-se atrair pelas ideias e conceitos desse mundo, mas muitos estão assim, e o resultado é a destruição de seus filhos. As reações que os pais em geral tem para com a rebeldia dos filhos são tristes. Eles a temem, ou então a ignoram, dão explicações, ou então berram e gritam e torcem as mãos lamentando: Não sabemos o que fazer dele!”.
O medo manipula os pais
Em alguns lugares , os pais tem tanto medo da rebelião, que removem todos os regulamentos e exigências, por pensarem que é mais rápido deixar o adolescente fazer o que quiser, do que vê-lo rebelar-se contra os regulamentos. Na história do filho pródigo, em Lucas 15, contém inúmeras lições para os pais, cujos filhos deixam o lar em atitude de rebeldia. Uma dessas lições é a de obrigar o jovem rebelde a enfrentar as consequências de sua atitude toda vez que ela fizer com que fique em apuros. Se for expulso da escola, a mãe não devrá ir ao diretor para reclamar. Deve deixar que o filho pague o preço e aprenda que a vida fora da escola ainda é mais dura que a vida da escola.
Portanto, o medo é uma das mais perigosas reações que os pais podem ter para com a rebelião dos filhos; outra é ceder, desistir, entregar os pontos.
O que queremos dizer realmente?
O que realmente dizemos quando afirmamos: “Não posso fazer nada com ele”, é que não poderemos corrigi-lo, pois teríamos que empregar tempo nisso, disistir de certos prazeres ou de qualquer coisa que isso exija de nós. Você ama seu filho o suficiente para correr o risco de que ele fique com raiva, e para fazer o que é melhor para ele mesmo que pareça que ele o odeia? Você o ama o suficiente para interromper seu trabalho ou uma conversa ao telefone, a fim de discipliná-lo por uma desobediência?
Os entendidos em assuntos policiais estão dizendo que a causa da delinquência juvenil é a preguiça dos pais. A rebeldia dos homens está aumentando não porque os pais foram demasiadamente rigorosos, mas poque ficaram com medo de ser rígidos e se tornaram facilmente influenciáveis.
Que Deus nos livre da insegurança que nos faz pensar que nossos filhos tem que nos amar e compreender. Que nos livre de querer sempre a aceitação por parte deles. Essas coisas são apenas temporárias, quando lembramos que, quando adulto, “o homem insensato despreza a sua mãe”. (Prov. 15:20). Enquanto você ainda está criando esse filho insensato, pode até ser muito querida por ele; mais tarde é que ele irá odiá-la, pois você não teve nem amor, nem força suficientes para deter sua insensatez.
Os pais se eximem da responsabilidade
David Wilkerson procurou os pais de criminosos, viciados em drogas e delinquentes, na esperança de descobrir quais haviam sido as falhas do lar, para que os filhos fracassassem na vida. Esses relatos estão em seu livro Parents on Trial (Pais em julgamento).
Todos os pais de criminosos ferrenhos alegam terem feito tudo que deviam; nenhum deles reconhece que cometeu erros. Então David Wilkerson foi conversar com os jovens.
– O que seus pais poderiam ter feito, para impedir que você malbaratasse sua vida dessa maneira?
E a resposta dos jovens era sempre a mesma: que o grande erro dos pais fora permitir que se rebelassem.
-Se minha mãe me amasse, teria me proibido de andar com aqueles rapazes de mau caráter. Ela apenas ficava implicando comigo, e depois ia cuidar da casa.
A brandura excessiva dos pais que tentaram evitar a rebeldia dos filhos só fez alimentá-la.
Aprenda com os erros dos outros. A rebeldia é pecado. Ela destrói os planos de Deus para a vida de seu filho. Quando ele se rebelar, deus lhe atribui a responsabilidade de corrigi-lo. Não se esquive a ela!

*Fonte: Livro “Como criar filhos felizes e obediente”, Barbara Cook, Editora Betânia, páginas 57 a 67.
IASD

Nenhum comentário:

Postar um comentário