Pular para o conteúdo principal

Lições da Bíblia: As mulheres no ministério de Jesus

VERSO PARA MEMORIZAR:

“Pois todos vós sois filhos de Deus mediante a fé em Cristo Jesus; […] não pode haver judeu nem grego; nem escravo nem liberto; nem homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus” (Gl 3:26-28).


O evangelho de Lucas é às vezes chamado de “o evangelho das mulheres” porque, mais do que qualquer outro, ele menciona, de maneira especial, o quanto Jesus era solícito para com as necessidades das mulheres, e também quão envolvidas elas estavam em Seu ministério.

No tempo de Jesus, como em algumas culturas de hoje, as mulheres eram consideradas de pouco valor. Alguns judeus naquela época agradeciam a Deus por não terem nascido como escravos, gentios ou mulheres. A sociedade grega e a romana às vezes tratavam as mulheres de maneira ainda pior. A cultura romana desenvolveu uma licenciosidade sem limites. Um homem frequentemente tinha uma esposa apenas para produzir filhos legítimos que herdassem sua propriedade, e possuía concubinas para seu próprio prazer pecaminoso.

Jesus trouxe as boas-novas de que elas são filhas de Abraão (Lc 13:16). Quão felizes as mulheres daquela época devem ter ficado ao ouvir que, em Jesus, elas eram filhas de Deus e, aos Seus olhos, tinham o mesmo valor dos homens! A mensagem para as mulheres de todas as nações continua sendo a mesma: homens e mulheres são um em Cristo Jesus.

No dia 30 de maio teremos a distribuição do livro Viva com Esperança. Faça uma lista de pessoas especiais para você. Entre em contato com elas e diga que você está orando para que Deus abençoe a vida delas.


Mulheres que receberam o advento de Jesus


Somente Lucas registra a reação dessas mulheres à maior maravilha da história cósmica: a de que o Filho de Deus assumiu a carne humana a fim de completar a missão redentora do Pai e cumprir as esperanças messiânicas de Seu povo. Embora essas mulheres não tivessem compreendido plenamente o que estava acontecendo, suas palavras e reações diante desses assombrosos eventos revelaram sua fé e admiração para com as obras de Deus.

1. Leia Lucas 1:39-45. O que Isabel disse revelando sua compreensão, ainda que limitada, dos grandes eventos que estavam ocorrendo?
R. Ela reconheceu a Criança especial que se encontrava no ventre de Maria (“Bendita és tu entre as mulheres, e bendito o fruto do teu ventre!”) e chamou esse Bebê de “meu Senhor”.

Depois de Isabel ter falado, Maria deu continuidade com suas próprias palavras (Lc 1:46-55). Frequentemente compreendidas como um cântico, essas palavras estão cheias de alusões ao Antigo Testamento, atestando que Maria era uma devota estudante das Escrituras e, assim, mãe adequada para Jesus. O cântico de Maria não só está fundamentado nas Escrituras, mas também está profundamente embasado em seu relacionamento com Deus. Nele é revelada uma identidade entre sua alma e seu Senhor, e entre sua fé e a esperança de Abraão.

2. Leia Lucas 2:36-38. Que importantes verdades são trazidas à luz na história de Ana no templo?
R. Se, como Ana, reconhecermos e experimentarmos que Jesus é o Salvador, falaremos dEle a todas as pessoas com quem entrarmos em contato.

Uma esperança expectante encontra seu cumprimento radical em Jesus. Uma idosa viúva reconheceu esse milagre, e daí em diante escolheu assumir a compulsiva missão de proclamar o Salvador a todos os que fossem ao templo. Ela se tornou a primeira mulher evangelista, a primeira a proclamar o evangelho.

Tente imaginar a admiração e o assombro dessas mulheres diante dos eventos que estavam ocorrendo ao redor delas. O que podemos fazer para ajudar a manter viva em nosso coração a admiração e o assombro para com as grandes verdades que fomos chamados a proclamar?

As mulheres e o ministério de cura de Jesus


Leia Lucas 7:11-17, a história sobre o milagre de Naim. Aquela mulher, pobre e viúva, enfrentava outra provação: a morte de seu único filho. Uma grande multidão de pranteadores estava com ela no cortejo fúnebre, expressando a dor e a simpatia do público. A perda de seu único filho, juntamente com o futuro incerto da vida na solidão, transformavam a viúva numa figura de tristeza e desesperança absolutas.

Mas o cortejo fúnebre que estava saindo da cidade se encontrou com outro cortejo que estava entrando. À frente do grupo que saía estava a morte num caixão; à frente do grupo que entrava havia a vida na majestade do Criador. Quando os dois grupos se encontraram, Jesus viu a viúva, desesperada e cheia de dor. “Vendo-a, o Senhor se compadeceu dela e lhe disse: Não chores!” (Lc 7:13). O pedido para que ela não chorasse teria sido sem sentido caso não tivesse vindo de Jesus, o Senhor da vida. Por trás da ordem “Não chores!” estava o poder de remover a razão do choro: Jesus Se achegou, tocou o esquife, e ordenou ao jovem que se levantasse. Esse toque era considerado uma impureza cerimonial (Nm 19:11-13), mas para Jesus a compaixão era mais importante que cerimônias. Satisfazer as necessidades humanas era mais urgente do que seguir meros rituais.

A aldeia de Naim não só testemunhou um grande milagre, mas também recebeu uma mensagem maravilhosa: em Jesus não há diferença entre as dores emocionais dos homens e as das mulheres. E Sua presença confronta e confunde o poder da morte.

Leia também Lucas 8:41, 42, 49-56. Jairo era alguém influente – o chefe da sinagoga, isto é, um oficial encarregado de cuidar da sinagoga e de seus serviços. A cada sábado ele escolhia a pessoa que dirigiria a oração, a leitura das Escrituras e a pregação. Ele era não apenas importante e influente, mas também rico e poderoso. Amava a filha, e não hesitou em se aproximar de Jesus e pedir a cura para ela.

Nessas histórias, foi o poder das palavras de Jesus que trouxe um filho morto de volta para a mãe e uma filha morta de volta ao pai. O que esses relatos nos dizem sobre o poder de Deus? O que eles nos dizem sobre quão limitados somos na compreensão desse poder? E o mais importante: quaisquer que sejam nossas circunstâncias atuais, o que precisamos fazer para aprender a confiar nesse poder e na bondade do Deus que o exerce?


Mulheres de gratidão e fé


Em Lucas 7:36-50, Jesus transformou uma refeição num evento de magnitude espiritual que deu dignidade a uma mulher pecadora. Simão, um cidadão importante, fariseu, convidou Jesus para uma refeição. Depois de os convidados já estarem sentados, houve uma repentina interrupção: “Eis que uma mulher da cidade, pecadora” (v. 37) foi direto até Jesus, rapidamente, quebrou um frasco de alabastro de um perfume muito caro, derramou o unguento sobre Ele, inclinou-­se aos Seus pés e os lavou com suas lágrimas.

3. Que lições podemos aprender com esse transbordamento de gratidão da mulher e com a aceitação de seu ato de fé por parte de Jesus?
R. Se amamos a Cristo, devemos demonstrar-Lhe nosso amor, como fez Maria. Jesus aceitou e apreciou a demonstração de amor de Maria, e anseia receber demonstrações de amor de nossa parte igualmente.

“Quando, aos olhos humanos, seu caso parecia desesperado, Cristo viu em Maria aptidões para o bem. Viu os melhores traços de seu caráter. O plano da redenção dotou a humanidade de grandes possibilidades, e em Maria se deviam as mesmas realizar. Mediante Sua graça, tornou-se participante da natureza divina. […] Foi a primeira a estar junto ao sepulcro, depois da ressurreição. A primeira a proclamar o Salvador ressuscitado” (O Desejado de Todas as Nações, p. 568).

Em Lucas 8:43-48, um caso de extrema miséria se torna objeto da suprema consideração do Salvador. Durante muito tempo a mulher tivera uma doença incurável que lhe havia devastado o corpo e a alma. Contudo, em meio a essa tragédia que já durava 12 anos, uma centelha de esperança surgiu repentinamente em cena: ela “ouviu falar de Jesus” (Mc 5:27, NVI). O que ela ouviu falar? Se muito ou pouco, não sabemos. Mas ela sabia que Jesus Se importava com os pobres; que Ele acolhia os marginalizados pela sociedade; que tocava leprosos; que transformara água em vinho; e, acima de tudo, que Se interessava por pessoas desesperadas, e ela era uma delas. Mas apenas ouvir não era suficiente; o ato de ouvir precisava levar à fé (Rm 10:17). E essa fé a levou a um ato simples de tocar a orla das vestes de Jesus. Esse toque foi movido pela fé, foi proposital, eficaz e centralizado em Cristo. Somente uma fé assim pode receber a bênção do Doador da vida: “A tua fé te salvou” (Lc 8:48).

É tão fácil olhar para as pessoas e julgá-las! Como podemos aprender a parar de julgar os outros, mesmo em nossos pensamentos, quando não sabemos o que faríamos se estivéssemos na situação deles?


Algumas mulheres que seguiram Jesus


4. Leia Lucas 10:38-42. Que importantes verdades espirituais podemos tirar dessa história para nós mesmos (ver também Lc 8:14)?
R. . Devemos ser ativos no serviço do Senhor, mas a prioridade é a comunhão com Ele; sem isso nossos esforços não serão de utilidade alguma.

Como anfitriã, Marta estava “ocupada em muitos serviços” (Lc 10:40) e preocupada em fazer o melhor para os convidados. Mas Maria “quedava-se assentada aos pés do Senhor a ouvir-Lhe os ensinamentos” (v. 39). A tal ponto que Marta reclamou para Jesus que todo o trabalho duro tinha ficado para ela. Embora Jesus não tenha censurado Marta por sua preocupação com o serviço, enfatizou a necessidade de prioridades corretas na vida. O companheirismo com Jesus é o primeiro ponto essencial no discipulado; o junta-panelas pode vir mais tarde.

“A causa de Cristo requer obreiros cuidadosos e enérgicos. Existe vasto campo para as Martas, com seu zelo na obra religiosa ativa. Primeiramente, porém, sentem-se elas com Maria aos pés de Jesus. Sejam a diligência, prontidão e energia santificadas pela graça de Cristo; então a vida será uma invencível força para o bem” (O Desejado de Todas as Nações, p. 525).

5. Leia Lucas 8:1-3; 23:55, 56; 24:1-12. O que esses versos ensinam sobre o papel das mulheres no ministério de Cristo?
R. As mulheres muitas vezes acompanhavam Cristo em Suas viagens e Lhe prestavam assistência com seus bens. Foram as primeiras a proclamar Sua ressurreição.


À medida que Seu ministério se expandia, “andava Jesus de cidade em cidade e de aldeia em aldeia, pregando” e ensinando (Lc 8:1), e os 12 discípulos O acompanhavam. Lucas também registra o poderoso testemunho de que certas mulheres que Jesus havia curado, que foram tocadas por Sua pregação e que eram ricas, também O seguiam em Seu ministério ampliado. Eis aqui algumas que Lucas menciona: (1) certas mulheres curadas de espíritos maus, inclusive Maria Madalena; (2) Joana, mulher de Cuza, procurador de Herodes; (3) Susana; e (4) “muitas outras, as quais Lhe prestavam assistência com os seus bens” (v. 3).

Quando compreendemos que Jesus morreu por todo ser humano, podemos entender melhor a verdadeira igualdade de todas as pessoas diante de Deus. Refletimos bem essa verdade em nossa atitude para com os outros? Isto é, como você pode desarraigar, se necessário, qualquer atitude pela qual se incline a olhar para os outros como se, de alguma forma, tivessem menos valor que você?


Persistem na oração, sacrificam-se na doação


Lucas mostra como Jesus Se voltou para duas viúvas a fim de ensinar importantes lições espirituais.

No primeiro caso (Lc 18:1-8), Jesus Se compadeceu de uma pobre e indefesa viúva que estava tendo sérios problemas em sua luta por justiça com um juiz injusto e poderoso. Ela havia sido vítima de injustiça e fraude, mas acreditava na regra da lei e na justiça. O juiz, porém, não se importava com Deus nem com as pessoas; portanto, não estava interessado em ajudar a viúva. Cuidar das viúvas é um requisito bíblico (Êx 22:22-24; Sl 68:5; Is 1:17), mas o juiz tinha prazer em ignorar a lei. Contudo, a viúva tinha uma arma: a perseverança, e com essa arma ela conseguiu que o juiz se cansasse e lhe fizesse justiça.

A parábola ensina três importantes lições: (1) orar sempre e nunca desanimar (Lc 18:1), (2) a oração muda as coisas – até mesmo o coração de um juiz mau, e (3) a fé persistente vence. A verdadeira fé tem um conselho eterno para todo cristão: nunca desista, mesmo que isso signifique ter que esperar pela vindicação somente no fim, quando “o Filho do Homem vier” (v. 8).

No segundo caso (Lc 21:1-4; Mc 12:41-44), Jesus tinha acabado de denunciar a hipocrisia e o fingimento religioso dos escribas e dos líderes do templo, quando lhes mostrou um flagrante contraste: uma viúva pobre que revelava a natureza da genuína religião.

Jesus descreveu alguns dos líderes religiosos como aqueles que “devoram as casas das viúvas” (Lc 20:47) e que infringem a ordem bíblica para que se cuide das viúvas e dos pobres. Como ocorre hoje em dia, muitos levavam donativos apenas para parecer piedosos; e, pior ainda: o que doavam era do que lhes sobrava. Suas doações na realidade não envolviam sacrifício pessoal. Em contraste com isso,
Jesus pediu que Seus discípulos olhassem para a viúva como modelo da verdadeira religião, pois ela deu tudo o que tinha. A motivação do primeiro grupo era a exibição; a motivação da viúva era o sacrifício, bem como a glória de Deus. A força que impeliu a viúva a doar suas duas moedinhas foi o reconhecimento de que Deus era o dono de tudo o que ela possuía e a disposição de servi-Lo com tudo o que tinha. O que conta aos olhos do Criador, que tudo vê, não é o que doamos, mas por que doamos; não quanto damos, mas qual é a medida de nosso sacrifício.

O que, como e quanto você está disposto a sacrificar para a causa de Deus e pelo bem de outros?

Estudo adicional


Aquele “que não esqueceu Sua mãe quando em agonia, suspenso na cruz; que apareceu às mulheres em pranto e as tornou mensageiras da primeira boa-nova do Salvador ressuscitado – […] é o melhor amigo da mulher hoje e está pronto a ajudá-la em seus relacionamentos da vida” (O Lar Adventista, p. 204).

“O Senhor tem uma obra para as mulheres assim como para os homens. Elas podem ocupar seus lugares em Sua obra nessa crise, e Ele atuará por meio delas. Uma vez que se deixem possuir pelo senso do dever, e trabalhem sob a influência do Espírito Santo, terão o domínio de si mesmas que este tempo requer. O Salvador fará refletir a luz de Seu rosto sobre essas abnegadas mulheres, e lhes dará poder que ultrapassa o dos homens. Elas podem fazer nas famílias uma obra que os homens não podem realizar, obra que alcança a vida íntima. Podem chegar bem perto do coração daqueles que estão além do alcance dos homens. Seu trabalho é necessário” (Evangelismo, p. 464, 465).

Perguntas para reflexão

1. Os evangelhos falam de mulheres como as primeiras a ver o Cristo ressuscitado e a proclamar aos outros Sua ressurreição. Os apologistas bíblicos têm conseguido usar esse fato para ajudar a afirmar a realidade da ressurreição de Jesus. Por que o papel das mulheres é tão importante? Se, como alguns afirmam, as histórias da ressurreição de Jesus foram fabricadas pelos autores, por que eles teriam colocado mulheres, que não eram tidas em alta estima naquela sociedade, como as primeiras a ver Jesus? Se eles estavam inventando histórias para tentar fazer com que as pessoas acreditassem, por que usar mulheres em vez de homens?

2. Numa sociedade que nem sempre reconhecia a dignidade das mulheres, Jesus lhes deu o status que lhes pertence na divina ordem da criação: elas são filhas de Deus, filhas de Abraão, e iguais aos homens na nova era do evangelho. Ao mesmo tempo, embora sejam iguais perante Deus, homens e mulheres não são idênticos. Como podemos afirmar a igualdade dos homens e das mulheres perante Deus? Como podemos afirmar e reconhecer as diferenças, e saber como essas diferenças aparecem na vida da igreja?


Licões Diárias   CPB


Comentários

Postagens mais antigas

Vivendo Seu Amor - Meditação da Mulher

Conexão viva com o Salvador Pois a sua ira só dura um instante, mas o Seu favor dura a vida toda; o choro pode persistir uma noite, mas de manhã irrompe a alegria. Salmo 30:5 Quais têm sido os pedidos que muitas de nós fazemos em oração? Uma viva ligação com nosso Salvador, certo? Fazemos isso ao adorar, louvar, orar, relacionar-nos e testemunhar, onde quer que estejamos. Com o que se parece essa viva ligação na vida cotidiana? Minha amiga me ajuda a entender melhor, pois ela procura viver cada momento em ligação com Cristo. Por exemplo, todos os dias, quando minha amiga vai para o chuveiro, ela usa esse tempo como oportunidade para cantar hinos que louvam e engrandecem o nome de Deus. Às vezes, ela compõe cânticos para glorificá-Lo. Certa vez, quando essa amiga olhou pela janela da cozinha, viu o formato de uma ovelha nas nuvens. Ela sentiu que aquilo era um lembrete de Deus para ela, de que o Cordeiro que foi "morto desde a criação do mundo" (Ap 13:8) está para voltar um dia,…

Aceite o perdão

O Verdadeiro Tesouro Mateus 6: 19 a 21

Itamar de Paula Marques

19 - Não ajunteis para vós tesouros na terra, onde a traça e o caruncho os corroem e onde os ladrões arrombam e roubam. NÃO AJUNTEIS PARA VÓS TESOUROS - Literalmente: não sigais fazendo tesouros ou deixai de fazer tesouros. A acumulação de bens terrenos geralmente se deve ao desejo de ter segurança no futuro e reflete temor e incerteza. Jesus indica aos que querem ser cidadãos de seu reino que a posse de riquezas materiais é um motivo de ansiedade mais do que um meio de liberar-se dela. O cristão não se angustia pelas necessidades materiais da vida porque confia em que Deus as conhece e lhe dará o que lhe faça falta versos 31 a 34. Como destaca Paulo, isto não significa que o cristão será indolente ante suas próprias necessidades e as de sua família. Empenhai a vossa honra em levar vida tranqüila, ocupar-vos dos vossos negócios, e trabalhar com vossas mãos conforme as nossas diretrizes.I Tessalonicenses 4: 11; II Tessalonicenses 3: 10; I Timóteo 5: 8. Mateus 6: 1…

Sublime Esperança

Sublime Esperança
A Bendita Esperança Vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente. Tito 2:12

Somos exortados a viver sóbria, correta e piedosamente no mundo presente, e a esperar o glorioso aparecimento do grande Deus e Salvador Jesus Cristo. (...)

O tempo exato da segunda vinda de Cristo não nos é revelado. Jesus disse: "A respeito daquele dia e hora ninguém sabe" (Mt 24:36). Mas Ele também deixou sinais de Sua vinda, ao dizer: "Quando virdes todas estas coisas, sabei que está próximo, às portas" (v. 33). E disse-lhes que quando os sinais da Sua vinda surgissem, eles deviam exultar e erguer a cabeça, porque a redenção deles estaria próxima. Tendo em vista essas coisas, o apóstolo escreveu: "Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que esse dia como ladrão vos apanhe de surpresa; porquanto vós todos sois filhos da luz e filhos do dia" (1Ts 5:4, 5). Como não sabemos a hora da vinda de Cristo, precisamos viver sóbria e piedosamen…

Ciência e Religião

O benefício da dúvida
Deu no site da revista Ciência Hoje: “Karl Popper, um dos filósofos mais influentes do século passado, apontou para o fato de que, para ser validada, uma teoria científica deve necessariamente ser confrontada, desafiada, falseada. Dizia que, do contrário, a teoria poderia se tornar dogma – e qualquer dogma, para Popper, seria terrível para a ciência.” A matéria aponta, ainda, a coincidência entre o raciocínio de Popper e um texto publicado pelo jornal britânico The Guardian e repercute pesquisa realizada pela revista eletrônica Edge, que faz, todo ano, uma pergunta para centenas de especialistas de áreas distintas com o objetivo de colher tendências. A pergunta daquele ano foi: “Qual conceito científico poderia aprimorar a ferramenta cognitiva de uma pessoa?” “Artistas, cientistas e filósofos responderam à questão. Surpreendentemente, muitos deles destacaram a relevância dos erros, das incertezas e dúvidas para a ciência e ressaltaram a importância de…

A vida que vale a pena

Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância. João 10:10, ARA “A maneira como vivemos é mais importante do que quanto tempo vivemos.” Encontrei essa frase e a história abaixo no livro A Revolução do Espírito, que, entre outros relatos, retrata a vida de Svea Flood. Ela e o esposo, David, em 1921, deixaram a Suécia, depois de aceitar o chamado divino para serem missionários no Congo. Com outro casal de missionários, resolveram evangelizar uma região remota do país. Chegaram à vila de N’dolera, mas não foram aceitos ali, pois o chefe tribal acreditava que se permitisse a presença dos missionários, os deuses locais ficariam insatisfeitos e abandonariam a região. Mesmo com a recusa, resolveram não desistir e se estabeleceram em uma montanha próximo à tribo, onde construíram cabanas de barro enquanto oravam para terem oportunidade de evangelizar o lugar. Isolados na montanha, a única pessoa com quem podiam ter contato era um menino, que havia sido autorizado a visitá-…

Alimentação: O que é preciso entender sobre a dieta de Adão e Eva?

“E disse Deus: Eis que vos tenho dado toda a erva que dê semente, que está sobre a face de toda a terra; e toda a árvore, em que há fruto que dê semente, ser-vos-á para mantimento”. Gênesis 1:29
Já no primeiro capítulo da Bíblia, existe uma orientação sobre qual deveria ser a alimentação do ser humano. Mas é importante compreender quais alimentos faziam parte desta alimentação original. Toda erva que dê semente é uma expressão que faz referência aos cereais (arroz, trigo, aveia, milho, centeio e cevada) e às leguminosas (feijões, grão de bico, lentilha, ervilha, soja, tremoço e amendoim).
E toda árvore, em que há fruto e que dê semente é uma referência agora são as frutas e também as sementes oleaginosas (castanhas em geral). Isso vos será para mantimento, ou seja, essa era a alimentação original de Adão e Eva. Devemos lembrar que Deus sempre tem lições para nos ensinar por meio da sua palavra. No contexto em que Adão e Eva vivam no Éden, onde não havia morte essa deveria se…

A didática da repetição

“Quando, pois, deres esmola, não toques trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas, nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que eles já receberam a recompensa” (Mateus 6:2).
Três vezes no capítulo 6 Jesus utiliza o mesmo padrão para atingir Seu objetivo. Ele sabia que a mente humana enfraquecida pelo pecado precisa ouvir as coisas mais de uma vez para assimilar uma lição. E Jesus é o mestre por excelência.
Repare no Seu estilo. Primeiro, Ele delineia o princípio geral no versículo inicial: Não pratique atos piedosos para ser visto pelos outros. Os que assim procedem não receberão outra recompensa a não ser sua própria atitude egocêntrica. Depois, Ele passa a ilustrar essa lição principal a respeito da esmola (versos 2 a 4), da oração (versos 5 e 6) e do jejum (versos 16 a 18).
Todas as três ilustrações seguem o mesmo padrão. Primeiro, vem a descrição da falsa forma de piedade, que se concentra na exibição pública da “santid…

Crianças

Dois irmãos, dois destinos