20 de maio de 2015

O Sorriso de Deus - Meditação da Mulher

Por que Você Está Chorando
Elcana, seu marido, lhe perguntava: "Ana, por que você está chorando? Por que não come? Por que está triste?" 1 Samuel 1:8
As perguntas que Elcana fez a Ana, meu esposo fazia para mim no período em que eu estava em profunda depressão. Não sabia a resposta. Somente as lágrimas corriam pela minha face descontroladamente. Na igreja, hinos, orações, sermões, testemunhos, emocionavam-me profundamente. Muitos me abordavam: "Por que você está chorando?" Honestamente, eu não sabia o que dizer. Estava cansada, exausta, sentia medo, angústia e muita tristeza. Cansada dessa pergunta, eu também buscava impacientemente a resposta. Por que choro? Por que está triste o meu coração?
Pesquisando sobre depressão, li sobre algumas das causas mais frequentes: divórcio, morte, doenças, perdas, etc. Não era meu caso. Após longa busca, encontrei a causa: Pequei! Entretanto, qual tinha sido mesmo meu pecado? Agredi meu corpo, o templo do Espírito Santo. Hábitos errados, horários de­sencontrados, trabalho excessivo, sono negligenciado, ausência de lazer, falta de exercício físico e de vida social. Juntos e por um período prolongado, esses fatores minaram minhas energias. Meu estresse chegou ao limite. Sempre soube que a transgressão às leis de saúde é a causa de muitas doenças. Só não esperava enfraquecimento mental como um dos resultados.
Aprendi que a vida frenética é uma cilada moderna de Satanás, para nos roubar a paz, a saúde e a família. O urgente toma lugar do mais importante. Isso está errado. As perdas são inevitáveis. A família sofre, a saúde se fragiliza, a fé enfraquece. Uma agenda lotada que negligencia a saúde física, mental, emocional e espiritual traz perdas irreparáveis. Li de Roberto Shiniashiki o pensamento: "Não há sucesso profissional que compense o fracasso nas relações familiares." Isso vale também para a saúde e a religião.
Veja esta advertência encontrada no livro Mensagens aos Jovens, à página 234: "É o tempo de estabelecer os bons hábitos, de corrigir os maus já adquiridos, de conquistar e manter o poder do governo de si mesmo, delinear o plano e habituar-se à prática de ordenar todos os atos da vida com relação à vontade divina e ao bem de nossos semelhantes." Agora atente para esta promessa: "O Redentor do mundo veio do Céu para ajudar o ser humano em sua fraqueza para que, no poder que Jesus lhe veio trazer, ele se torne forte para vencer o apetite e a paixão, fazendo-se vitorioso em todos os pontos" (Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 3, p. 488).
Agradeço a Deus o difícil aprendizado. No poder de Jesus, serei levada a dias melhores com saúde total. Serei vitoriosa para honrar e glorificar Seu nome enquanto eu viver.
Gilza de Ouro Torres

Saudades
Deus é minha testemunha de como tenho saudade de todos vocês, com a profunda afeição de Cristo Jesus. Filipenses 1:8
A saudade é pouco avaliada. Às vezes, não é valorizada nem bem aceita. É um sentimento normalmente atribuído às mulheres ou às pessoas con­sideradas fracas.
Gostaria de fazer algumas considerações sobre a saudade real e genuína. Não o saudosismo de pessoas que vivem do passado, sem nutrir a expectativa de um glorioso horizonte, de um futuro maravilhoso. Em minha opinião, sentir saudade é diferente de permanecer em alguns pontos do passado.
Acho que você concordará comigo que todos sentem saudades. Você, com certeza, sente saudade. No entanto, quero ressaltar a saudade de pessoas e não de coisas, de um momento ligado a alguém muito especial para você.
Bem cedo na vida, eu soube o que era sentir saudade, porque meu querido papai trabalhava fora da cidade. Ele saía às segundas-feiras bem cedo e voltava só às sextas-feiras à tarde.
Tornei-me esposa de pastor. E assim surgiram várias circunstâncias para sentir muita, mas muita saudade mesmo. Saudades da família, dos amigos de todas as épocas, em especial os do internato, dos irmãos que conhecemos nas igrejas e que deixávamos com frequência. Na vida pastoral, meu esposo tem estado em funções que exigem muitas viagens.
Depois, os filhos cresceram e partiram. E o que fazer com a saudade? Percebi que deveria haver algo positivo nesse sentimento. Ao meditar sobre os perso­nagens bíblicos, entendi que esse lado existe.
Será que sentimos saudades de Jesus? Estamos longe dEle. Será que que­remos vê-Lo em breve, assim como esperamos nossos queridos? Em vez de ficarmos chorando de saudades, por que não comungarmos com Jesus e trabalharmos para que Ele volte logo e resolva essas separações?
No dia mais triste da minha vida, o dia da morte de meu pai, Jesus me deu a certeza de que a saudade seria por pouco tempo.
Paulo e o apóstolo João sentiam muitas saudades de Jesus.
Tem você saudades de Jesus? Então, neste dia, tome a decisão de conhecer Jesus de tal maneira que sinta saudades dEle e diga como o apóstolo João: "Vem, Senhor Jesus!" (Apocalipse 22:20).
Ana Maria do Nascimento Carvalho

Êxito no Senhor
Agrada-te do Senhor, e Ele satisfará os desejos do teu coração. Salmo 37:4, ARA
Eu tinha 6 anos de idade. Morava em uma casa com um enorme quintal e muitas árvores frutíferas. Subia nas árvores e corria pelo quintal, tendo sem­pre um companheiro comigo: meu cachorro. Quando eu chorava, ele também ficava triste. Ao perceber minha alegria, ele pulava feliz.
Um dia, encontrei meu cachorrinho caído, tremendo muito. Achei que ele morreria. Tinha aprendido a orar com minha mãe, mas nunca havia orado sozinha de verdade. Então orei em voz alta, chorando muito e com as mãos postas sobre o cachorro. Em minha fé infantil, pedi a Deus que não o deixasse morrer. Deus me atendeu e meu cachorrinho não morreu. Deus ouviu a oração de uma criança.
Os anos se passaram e chegou a adolescência. Deixei de decorar os versos bíblicos, tinha vergonha de ser cristã e não queria andar com a Bíblia na mão. Comecei a achar que era um fardo ser um cristão. Deixei de ter comunhão com Deus, passei a ouvir músicas que não O louvam e a assistir às novelas. Só que, em minha casa, princípios eram inegociáveis. Nada disso era permitido, de for­ma que minha felicidade era quando o vizinho deixava o som ligado no volume máximo ou eu saía para conversar com a vizinha na hora da novela.
O Espírito Santo me incomodava quando eu estava sentada em frente à televisão, sem piscar. Eu não estava me sentindo mais à vontade. Fiz algumas orações, pedindo a Deus que me ajudasse a mudar, pois eu não conseguia por mim mesma. Eu queria agradar-Lhe. Eu queria gostar do que Deus gosta. E mais uma vez minha oração foi atendida de modo poderoso.
Aos 13 anos, Deus realizou mais uma obra em minha vida. Ele foi me livrando de fortes cadeias que me prendiam ao mundo. Até então meus valores estiveram invertidos. Entretanto, Ele começou a acertar tudo. Com o tempo, minha visão e audição mudaram e passei a gostar do que Deus gosta.
Hoje, depois de 25 anos, ainda tenho alguma dificuldade em fazer o que agrada a Deus. No entanto, descobri que, nesta caminhada, fazer a vontade dEle é a garantia de ter êxito. O conselho é sempre válido:
"Ensine-se às crianças e aos jovens que toda falta, toda dificuldade e todo erro vencidos se tornam um degrau no acesso a coisas melhores e mais elevadas. É mediante tais experiências que todos os que tornaram a vida digna de ser vivida conseguiram o êxito" (Ellen G. White, Educação, p. 296).
Loide Borges

Os Faróis Misteriosos
Se eu subir com as asas da alvorada e morar na extremidade do mar, mesmo ali a Tua mão direita me guiará e me susterá. Salmo 139:9, 10
Era sábado, meus pais e eu estávamos saindo do sepultamento de minha tia. A viagem de 129 quilômetros de volta para casa nunca foi fácil para mim, pois a estrada, que passava por montanhas e vales, tinha muitas curvas perigosas. Dirigir descendo a Serra do Rio do Rastro, em Santa Catarina, era desafiador. No topo da montanha, oramos pedindo que Deus nos protegesse e nos guiasse com segurança até nossa casa.
Os últimos raios de sol desapareciam quando chegamos ao fim da serra. Ainda tínhamos alguns quilômetros a percorrer e passaríamos por algumas cidades menores antes de chegar à nossa casa. Tudo ia bem. Tínhamos deixado para trás uma cidade a 48 quilômetros de onde morávamos. Suas luzes estavam justamente atrás de nós, quando os faróis do nosso carro se apagaram e não pudemos ver nada à frente. Como não podíamos prosseguir, retornamos à cidade a fim de encontrar alguém que pudesse consertar os faróis.
Paramos num posto de gasolina e nos disseram onde encontrar um mecânico. Encontramos o lugar e alguém saiu para nos ajudar. Nada aconteceu quando ele tentou acender as luzes, de modo que ele disse que precisaríamos trocar certa peça. Custaria uns 400 reais; mas, como ele não tinha a peça necessária, indicou-nos outro mecânico. Não sabíamos como pagar por ela; porém, mesmo assim, dirigimos cuidadosamente até encontrá-lo. Quando ele apertou o botão, os faróis se acenderam. Tudo funcionou perfeitamente!
"Um milagre!" exclamei, muito agradecida. Eu lhe disse para onde nos diri­gíamos e perguntei se estávamos no rumo certo. Sua resposta mostrou como Deus esteve nos guiando naquela viagem. Havíamos tomado um caminho errado, que teria nos levado para muito longe do nosso destino. Deus, misteriosamente, desligou os faróis a fim de que pudéssemos tomar a estrada certa para casa.
Minha oração é que Deus abra nossos olhos, de modo que vejamos Sua mão a nos guiar, e que abra nossos ouvidos para que possamos ouvi-Lo dizer: "Este é o caminho [filha]; siga-o" (Isaías 30:21).

As Mãos do Instrutor
Eu, o Senhor, o chamei para justiça; segurarei firme a sua mão. Isaías 42:6
À tarde, eu estava na varanda de minha casa com minha filha mais nova tomando um solzinho e ouvindo o quarteto Arautos do Rei. Ao tocar a música "Junto a Mim", do CD O Dia Enfim Chegou, lembrei-me de um episódio que se passou com minha família em uma viagem a Paraty, no Rio de Janeiro, em dezembro de 2008.
Eu gosto muito de água! Gosto de olhar para a água, de brincar com ela, de tomar banho, de ouvir seu barulho e de praticar esportes aquáticos.
Naquela viagem, eu havia realizado um sonho antigo: mergulhar usando cilindro de oxigênio. Em uma lancha, partimos da praia central de Paraty rumo ao alto-mar. Chegando lá, o instrutor explicou como deveríamos proceder e nos comportar du­rante o mergulho, chamado de "batismo". Teríamos uma sensação incrível; porém, ao mesmo tempo, assustadora. E como se tratava de um procedimento de risco, cada principiante seria acompanhado por um instrutor durante todo o mergulho. Além de explicar os gestos que poderíamos usar no fundo do mar para nos comu­nicarmos, ele enfatizou que deveríamos permanecer de mãos dadas o tempo todo.
E assim foi. Descemos em direção ao fundo do mar, devagar, para nos acostumar­mos com a pressão. O instrutor levava uma corda como guia para não nos afastarmos do barco, e tirava fotos do passeio. Foi então que percebi que eu estava apertando as mãos do instrutor, as quais não larguei um segundo sequer durante todo o mergulho.
Você pode pensar: Mas o que isso tem que ver com a música? Tudo!
Refleti sobre a situação: Nunca tinha visto aquele instrutor antes, não o conhe­cia, não sabia seu nome nem me lembro mais de sua fisionomia. Contudo, naquele momento de apreensão, não ousei largar sua mão nem por um momento. Confiei totalmente naquele que me guiava, mesmo não sabendo de quem se tratava.
Sabemos quem é Deus; ousamos dizer que confiamos no Senhor. Todavia, será que confiamos nEle o suficiente para apertar Suas mãos e deixar que Ele nos guie? Diversas vezes, em momentos de apuro ou sofrimento, nem ao menos nos lembra­mos de que Ele está aqui, ao nosso lado, o tempo todo. Talvez só nos lembremos de suplicar a Ele por socorro quando já estamos no fundo do poço. Nos momentos de alegria, dificilmente pensamos nEle ou O convidamos para estar conosco.
Viu como é fácil confiar em um estranho? Especialmente quando não nos é dada alternativa ou quando estamos em apuros. Então, por que somos filhas tão teimosas e muitas vezes deixamos de lado Aquele que está sempre disposto a caminhar conosco e segurar nossa mão?
Como diz um trecho da música: "Olhe para mim, meu Deus, e segure a minha mão. Mesmo se eu sofrer, me dê a paz. Sei que só Tu podes ver o fim, não importa o que vier; eu só vou seguir se seguires junto a mim." Que seja essa a nossa oração diária!
Michela Borges Nunes

Firme e Forte
Este é o Deus cujo caminho é perfeito; a palavra do Senhor é comprovadamente genuína. Ele é um escudo para todos os que nEle se refugiam. Salmo 18:30
Perfeição... Nunca fui perfeita, por esse motivo achava que nunca teria a graça de Deus. Achava que não seria merecedora. Meu marido e eu passamos por muitos percalços e turbulências no início de nossa caminhada juntos. Parecia que tudo era impossível. As palavras "fundo do poço" e "desesperadora" não eram exageros.
Com a ajuda de parentes, amigos e das orações, comecei a perceber a ação de Deus em nossa vida. Percebi que Ele está sempre presente, e que devemos somente ter fé. A partir dali, entendi que, ao pedirmos algo para o nosso bem, Deus está disposto a atender.
Ao reler minha agenda de orações, é clara a atuação de Deus em nossa vida e a evolução dos pedidos. Dos mais sofridos, dos mais precisos, aos mais simples, pude sentir ali a presença de Deus nas linhas; como Ele foi atendendo a cada uma das nossas necessidades, dos nossos anseios. Fomos recebendo tudo de que precisávamos para viver bem e felizes!
Deus ainda me deu oportunidade de voltar a estudar e concluir um curso universitário. Agora, eu posso me realizar no que faço. Entretanto, o bem mais precioso que Ele nos concedeu foi a paz de espírito. Posso dizer que hoje essa paz reina em nossa casa.
Não consigo mais tentar resolver problema algum sozinha, sem antes pedir a orientação de Deus. E tenho aprendido que a resposta dEle é sempre a melhor, sem dúvida alguma! Deixei de me preocupar com coisas que fogem do meu controle, pois sei que Ele tem a solução para tudo.
Meu Pai celestial nunca me abandonou. Às vezes, Ele pode até ter respondido não, mas acredito que mesmo assim estava me livrando de algo desagradável.
Quando me sinto desanimada, triste (sim, isso acontece às vezes), eu me lembro de como Deus me conduziu até aqui, e a paz invade meu ser. Assim, sou capaz de continuar firme e forte!
Querido Deus, obrigada pelas bênçãos que nos tem proporcionado. Somente com Sua força e poder é que estamos bem. Agradeço pela linda família que o Senhor me deu, os amigos abençoados que tem colocado em nosso caminho, a força e a saúde que desfrutamos. Sou muito grata por tudo e confio em Teus caminhos. Amém!
Beatriz Helena Masaro

Bem-Aventurado
Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, Salmo 1:1, ARA
Alexander veio me mostrar sua primeira gravação com um grupo musical em que ele é solista. Eu estava atarefada com os últimos preparativos do almoço daquele sábado. Pedi que ligasse o som e ele colocou a faixa em que era o solista. Eu ouvia da cozinha muito bem e, de repente, em meio a facas e panelas, minha memória retrocedeu vinte anos atrás quando vi Alexander pela primeira vez.
Era um menino de seus 9 ou 10 anos de idade, que havia começado a frequentar minha classe dos primários na igreja. Ele vivia numa comunidade perigosa do Rio de Janeiro, o Complexo do Alemão. Ao ouvir a Banda dos Desbravadores tocar, ficou curioso e se inscreveu no Clube Amazonas. Sua mãe não gostou da ideia e foi contra, por considerar a igreja "de crente". Mesmo assim, Alexander ia a todas as reuniões.
Um dia, a mãe resolveu fazer a iniciação numa seita na Bahia. Ela disse que o menino teria que escolher entre ela ou a igreja, pois quando ela voltasse não poderiam conviver sob o mesmo teto.
Alexander escolheu a igreja, e foi adotado pelos membros. Alexander estudou, aprendeu a cantar, a pregar, fez o ensino médio e o curso técnico de enfermagem no Hospital Adventista Silvestre, onde também trabalhou. Fez faculdade de enfermagem e hoje trabalha num grande hospital estadual.
Sua mãe já é falecida, mas Alexander continua progredindo. Comprou um apartamento e um carro, que utiliza para transportar os irmãos idosos da igreja que o haviam adotado no passado.
As lembranças trazidas em meio aos pratos e talheres me despertaram para também louvar. Como um lírio em meio ao lodo de tantas circunstâncias adversas, Alexander obteve a vitória em Cristo, que é também a nossa vitória. Somos bem-aventurados quando, em qualquer circunstância de nossa vida, não andamos segundo o conselho dos ímpios nem nos assentamos na roda dos escarnecedores.
Dilma Costa Mattos

Venham a Mim
Venham a Mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e Eu lhes darei descanso. Mateus 11:28
Era começo de 2007, e eu estava no auge do meu deserto emocional e espiritual. Sempre me considerei uma pessoa ajuizada; porém, quando completei 21 anos, achei que já era adulta o suficiente para tomar minhas decisões e seguir meu coração. Deparei-me com uma gravidez e um casamento não planejados e, como na maioria dos casos, ali estava eu, quatro anos depois, iniciando um processo de divórcio.
Fiz de tudo para que meu filho sentisse o mínimo possível as consequências emocionais que um divórcio causa numa criança. Todavia, esse esforço aumentou ainda mais meu sofrimento. Eu não conhecia Jesus. No entanto, eu trabalhava com um rapaz que não só O conhecia, mas também andava com Ele. Numa noite de muita tristeza, reclamei a Deus a promessa de Jesus registrada em Mateus 11:28. Eu a conhecia porque a tinha ouvido do meu amigo.
Pela primeira vez, eu me ajoelhei e abri meu coração a Deus como se fosse não somente meu melhor amigo, mas Aquele que podia renovar minha vida. Pedi a Ele que reconstruísse minha família. Deixei nas mãos dEle o meu futuro. Naquela mesma noite pude dormir mais confortada.
Os dias foram passando. Havia uma Bíblia que eu lia todos os dias, e meu amigo me contava histórias dos personagens bíblicos sempre que possível. Em dezembro daquele mesmo ano, conheci quem seria, muito em breve, meu marido.
Deus nos conhece muito mais do que nós mesmos. Nunca duvidemos disso! Ele é mestre em transformar nossos passos errados em grandes bênçãos se Lhe permitirmos. E não somente para nós, mas para todos à nossa volta. Quando Deus faz algo em nossa vida, Ele beneficia o máximo de pessoas possível.
Deus reconstruiu minha família. Deu um pai exemplar e amoroso para meu filho e uma linda menininha que é mais uma grande bênção em nossa vida. Isso era o que eu havia Lhe pedido, mas Ele me deu muito mais do que Lhe pedi naquela oração. Deus me deu a salvação em Cristo Jesus; pois, a partir desse casamento, tive a oportunidade de conhecer todas as verdades da Bíblia. Fui batizada de acordo com a ordem bíblica. Hoje, eu tenho meu nome escrito no livro da vida e ainda conto com a oportunidade e a honra de falar aos outros sobre Jesus. Ele não somente Se preocupa conosco, mas deu a vida por todos nós, sem merecermos, para vivermos a eternidade ao Seu lado.
Deixe Deus guiar sua vida também e comece a contar as bênçãos.
Viviane Azevedo

Um Novo Rosto
Pelo poder que O capacita a colocar todas as coisas debaixo do Seu domínio, Ele [Jesus Cristo] transformará os nossos corpos humilhados, tornando-os semelhantes ao Seu corpo glorioso. Filipenses 3:21
Sou enfermeira em uma unidade pediátrica pós-operatória em Nova York. Trabalho com crianças diagnosticadas com má-formação vascular, que afeta os vasos sanguíneos do rosto, pescoço e extremidades, como braços e pernas. Essas más-formações, muitas vezes, deformam o rosto das crianças e, em muitos casos, quando as extremidades são afetadas, a dor e o inchaço são tão grandes que afetam a rotina diária do paciente. Várias dessas crianças não podem praticar esportes nem frequentar escolas, e a maioria tem baixa autoestima por causa das deformações.
A cada semana, recebemos dezenas de crianças do mundo inteiro à procura de cura. Muitas passam por 30 a 40 cirurgias até chegar ao ponto de poderem levar uma vida sem dor e com uma aparência aceitável na sociedade.
Eva, uma adolescente de 13 anos, estava lutando havia anos com uma má-formação vascular no rosto. Ela não tinha nariz e os lábios eram bem finos. Depois de passar por 35 cirurgias, chegou o grande dia da última. Seria uma cirurgia plástica de reconstrução do nariz e lábios.
Quando recebi Eva na unidade pós-operatória, ela ainda estava sob os efeitos da anestesia, mas insistia em ver o rosto no espelho. Geralmente faz parte do protocolo esperarmos até que o rosto esteja um pouco menos inchado para que o paciente veja o verdadeiro resultado da cirurgia. Entretanto, Eva estava disposta a quebrar todas as regras e regulamentos, pois queria muito ver o novo rosto.
Ainda com muita dificuldade, ela caminhou até o banheiro e, quando obser­vou o rosto no espelho, lágrimas correram pelas bochechas ainda inchadas. Ela gritava de alegria: "Mãe, eu tenho nariz agora! E olha que lindos estão os meus lábios! Estou perfeita!"
Não pude conter as lágrimas. Mesmo com aquele rosto todo inchado, um nariz e lábios que, na verdade, não eram perfeitos, ela se sentiu a adolescente mais linda do mundo. Fiquei imaginando como será aquele grande dia quando Jesus voltar. Todas essas crianças serão transformadas. Imagino como ficarão radiantes ao verem rostos, pernas e braços sem imperfeição alguma. E eu também serei transformada. Será um dia de muita alegria. Já posso ver Eva recebendo, então, o rosto verdadeiramente perfeito com o qual ela sempre sonhou.
Vem logo, Senhor Jesus!
Adréa Rocha

Deus Fez e Faz Milagres
Ao único que faz grandes maravilhas, o Seu amor dura para sempre! Salmo 136:4
Ao ler os textos do ano bíblico certa manhã, parei para refletir sobre os mi­lagres de Jesus relatados na Bíblia.
É interessante como todos ficam maravilhados com o poder manifestado de maneira visível no passado, transformando vidas. Imaginamos a felicidade das famílias quando um ente querido recebia a cura e era reintegrado à sociedade, como no caso de leprosos, cegos e outros sofredores.
Gosto de pensar também na travessia do Mar Vermelho. Quanta agitação aquela situação deve ter causado ao povo de Israel! Alguns, por certo, atravessa­ram cantando alegremente; outros, quem sabe, choravam e agradeciam a Deus pelo milagre; outros provavelmente ficaram ansiosos, com medo de que algo pudesse dar errado. Assim, cada um experimentou o milagre com seu jeito de ver e encarar as coisas. Acredito que todos tiveram a certeza de que o milagre só poderia vir de um Deus amoroso e verdadeiro.
Nossa vida, infelizmente, é cheia de problemas e dificuldades. Enquanto estivermos neste mundo de pecados, não teremos paz absoluta nem felicidade completa. Talvez você esteja enfrentando problemas familiares, conflitos com os filhos ou desentendimentos com seu cônjuge. Quem sabe uma frustração porque não se sente realizada profissionalmente, ou a dor de uma separação, com todos os transtornos que ela causa. Quem sabe seja uma demissão junto à expectativa de ter que procurar outro emprego, algum problema sério de saúde na família ou outro problema que só você sabe.
Seja qual for a intensidade do seu problema, por mais difícil que ele lhe pareça, pode ser solucionado. Basta confiar em Deus. Hoje, Ele ainda atua em nossa vida com o mesmo poder do passado. Ele pode tudo. Às vezes, os problemas se parecem com a lepra que consome lentamente; quanto mais falamos deles, mais eles aumentam e nos cegam espiritualmente, levando-nos a não ver solução.
Precisamos acreditar que Deus cura nossas feridas, dores, angústias e aflições. Quando estamos diante do nosso "mar vermelho" de inseguranças, fraquezas, traumas, Ele nos toma em Seus braços de amor e diz ao mar que se abra para passarmos.
Nosso Deus é maior do que qualquer problema. Precisamos agir com mais determinação, mais coragem e mais sabedoria. Não desanime! Essa nuvem pas­sará e você verá o brilho do sol novamente. Erga a cabeça, visualize a situação, estabeleça um plano e vá em frente! Logo você olhará para trás e verá que Deus nunca abandona Seus filhos. Seja uma vencedora, confie em Deus e Ele fará milagres em sua vida.
Malu Lopes

A Fonte da Felicidade
Como é feliz a nação que tem o Senhor como Deus, o povo que Ele escolheu para Lhe pertencer! Salmo 33:12
Assisti a um programa de televisão cujo tema era: "As pessoas mais felizes do mundo". Disseram que o país com o maior número de pessoas felizes é a Dinamarca. Então começaram a enumerar as razões: As mulheres não são pressionadas pela sociedade a casar ou ter filhos; a educação e a saúde são de boa qualidade e gratuitas; as mulheres têm um ano de licença-maternidade remunerada; se você perder o emprego, o governo ajuda na procura de um novo e, enquanto isso, lhe paga um bom salário; a maioria das pessoas sai do emprego pontualmente, às 16h ou 17h, e valoriza muito a família; o índice de criminalidade é muito baixo, quase inexistente; a filosofia pode ser resumida em "menos espaço, menos coisas e mais vida".
Pensei: Uau! Que lugar ótimo para viver; quero me mudar para lá! No entanto, no fim da reportagem, uma pessoa disse que quase todos os dinamarqueses não eram religiosos, as igrejas estavam vazias e eles não acreditavam em Deus. Foi então que tive plena certeza de que eles não devem ser "as pessoas mais felizes do mundo"
Todos querem a felicidade, todos querem ser considerados felizes, mas poucos procuram no lugar certo. No livro Caminho a Cristo, página 9, Ellen White diz: "Nosso Pai celeste é a fonte de vida, de sabedoria e de felicidade." Bem, é hora de encarar a verdade. Não adianta procurar felicidade no trabalho, no dinheiro, em diplomas universitários, no lazer, nas músicas, nos livros de autoajuda, etc. Ela não está em nada disso, apesar de muitas dessas coisas contribuírem de alguma forma para que tenhamos momentos de alegria. A pura e real felicidade só pode ser encontrada em Cristo. Ele é a fonte inesgotável que todos procuramos durante a longa jornada da vida.
Se queremos provar da fonte da felicidade, precisamos separar tempo para termos comunhão com Jesus. A felicidade é uma promessa; é uma certeza para as pessoas que procuram acolher o amor de Deus em suas vidas. Como diz a Bíblia: "Se O ouvirem e O servirem, acabarão seus dias em felicidade e os seus anos em delícias" (Jó 36:11, ARA).
Por que não passar algum tempo com Ele hoje e apreciar um pouco mais dessa fonte?
Nívia Crispim Ribeiro

O Sorriso de Deus

Meditação da Mulher
CPB
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário