Pular para o conteúdo principal

Lições da Bíblia: O reino de Deus

“Muitos virão do Oriente e do Ocidente, do Norte e do Sul e tomarão lugares à mesa no reino de Deus” (Lc 13:29).



O reino de Deus é um tema importante e uma prioridade significativa nos ensinos de Jesus. A frase ocorre quase 50 vezes em Mateus, 16 vezes em Marcos, cerca de 40 vezes em Lucas, e três vezes em João. Onde quer que apareça – seja na oração do Senhor, no Sermão do Monte ou nos outros ensinos e parábolas de Cristo – o reino de Deus é uma expressão do que Deus fez pela raça humana na História ao lidar com o problema do pecado e dar uma conclusão decisiva ao grande conflito com Satanás. O reino de Deus é diferente de qualquer reino que o mundo já tenha conhecido, e é por isso que ele não é um reino terreno.

“O reino de Deus não vem com aparência exterior. Vem mediante a suavidade da inspiração de Sua Palavra, pela operação interior de Seu Espírito, a comunhão da alma com Aquele que é sua vida. A maior manifestação de Seu poder se observa na natureza humana levada à perfeição do caráter de Cristo” (A Ciência do Bom Viver, p. 36).

Nesta semana nos concentraremos nesse tema, especialmente como ele aparece em Lucas. 

Características do reino de Deus – parte 1


Os evangelhos estão repletos de referências ao reino de Deus, sendo que todas elas atestam, cumulativamente, que foi inaugurada uma nova ordem em Jesus e por meio dEle.

1. O que Lucas 11:2 diz sobre o reino de Deus? De quem é esse reino e por que isso é tão importante?
R. . A passagem ensina que devemos desejar a vinda do reino de Deus e por ela orar. O reino é de Deus, o que significa que ele está acima de ações morais humanas, ou seja, ele não é um sistema ético, mas um reino centralizado na ação do próprio Deus em favor dos seres humanos.

Dizer que esse reino é de Deus não é simplesmente dizer o óbvio, mas, sim, afirmar que o reino de Deus não é uma noção filosófica nem um sistema ético. Não é um evangelho social que proclama pão e água para os famintos ou igualdade e justiça para os politicamente oprimidos. Ele transcende toda bondade e ação moral humana, e se centraliza na atividade soberana de Deus no Filho encarnado, que veio pregar as boas-novas do reino (Lc 4:42-44; Mt 4:23-25).

2. O que a passagem de Lucas 1:32, 33 ensina sobre quem inaugurou o reino de Deus e qual será seu resultado final?
 R. Jesus inaugurou o reino de Deus e o resultado final é que esse reino será eterno.

A passagem é de máxima importância por duas razões: primeira, o Messias esperando no Antigo Testamento não é outro senão Jesus, o “Filho do Altíssimo”; segunda, “Seu reinado não terá fim”. Isso significa que, pela Sua encarnação, morte e ressurreição, Jesus venceu o desafio de Satanás à soberania divina e estabeleceu eternamente o reino de Deus. “O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do Seu Cristo, e Ele reinará pelos séculos dos séculos” (Ap 11:15). No conflito entre Cristo e Satanás, o inimigo reivindicou vitória após a queda de Adão e Eva. Mas a missão de Jesus provou a falsidade das reivindicações dele; Cristo o derrotou em todas as batalhas, e com Sua morte e ressurreição assegurou a todo o universo que o reino de Deus chegou.

Como podemos viver de uma forma que reflita a realidade do reino de Deus? Como podemos refletir essa realidade em nossa própria vida? O que deve ser diferente com respeito à nossa maneira de viver hoje, como cidadãos do reino de Deus?

Características do reino de Deus – parte 2


3. O que os textos seguintes nos ensinam sobre o significado da cidadania no reino de Deus?
Lucas 18:16
Lucas 12:31
Lucas 9:59
R. A cidadania no reino de Deus depende da confiança infantil e da entrega total, deixando tudo; não depende de riquezas; ao contrário, elas podem atrapalhar a entrada no reino. A cidadania no reino de Deus depende de buscarmos esse reino antes de tudo o mais, e de termos o coração nele, e não nas coisas terrenas. E a cidadania no reino de Deus depende de aceitarmos o chamado sem darmos desculpas e sem olharmos para trás.

A entrada no reino de Deus não depende do status nem da posição da pessoa, ou do fato de alguém possuir riquezas ou não. Lucas, juntamente com outros evangelistas, enfatiza que a pessoa deve ir a Jesus com uma atitude de entrega decidida, de dependência absoluta e de confiança infantil; esses são traços daqueles que entraram no reino de Deus. Eles devem estar dispostos a renunciar a tudo, se necessário; pois alguma coisa à qual não desejassem renunciar seria algo que, em certo sentido, não só competiria com Jesus mas, na realidade, venceria. Jesus e Seus reclamos sobre nossa vida – sobre todos os aspectos de nossa vida – têm prioridade máxima.
Afinal, é somente por meio dEle que existimos. Portanto, Ele deve ter nossa total lealdade. Leia novamente Lucas 18:29, 30. O que Jesus está nos dizendo, e o que está prometendo? Ter que deixar os pais, o cônjuge, ou mesmo os filhos pelo reino de Deus? Esse é um compromisso que exige muito! Jesus não está dizendo que esses atos são exigidos de todos, mas que se alguém for chamado a deixar essas coisas por amor ao reino de Deus, vale a pena fazer isso.

Medite nas palavras de Jesus sobre deixar que os mortos sepultem os mortos. Que verdade importante Ele está expressando sobre não darmos desculpas que nos impeçam de segui-Lo quando vier o chamado, independentemente de quão válidas essas desculpas pareçam ser?

O reino de Deus: já, mas ainda não


Jesus veio proclamando o reino de Deus. Em Sua primeira proclamação pública em Nazaré (Lc 4:16-21), Jesus afirmou que, por meio dEle, naquele dia, haviam sido inaugurados o reino e seu ministério de redenção conforme preditos na profecia messiânica de Isaías.
Lucas registrou outra afirmação que atesta a realidade presente do reino. Indagado pelos fariseus quanto ao tempo em que viria o reino de Deus, Jesus respondeu: “O reino de Deus está dentro de vós” (Lc 17:21). Outras traduções sugerem: “O reino de Deus está entre vocês” (NVI). Quer dizer, com a chegada de Jesus, já chegou o reino com seus componentes, que incluem: cura dos doentes (Lc 9:11), pregação do evangelho (Lc 4:16-19), perdão dos pecados (Lc 7:48-50; 19:9, 10) e subjugação das forças do mal (Lc 11:20). Assim, Jesus fez do reino uma realidade presente dentro da pessoa, transformando-a em alguém semelhante a Ele. O reino de Deus também é visto entre a comunidade de cristãos, como uma revelação de justiça e salvação. Esse aspecto presente é também conhecido como “o reino da graça de Deus [que] está sendo agora estabelecido, à medida que corações que têm estado sobrecarregados de pecado e rebelião se rendem à soberania de Seu amor” (O Maior Discurso de Cristo, p. 108).

Enquanto o aspecto do “já” estabeleceu o caráter irreversível do reino, isto é, a derrota do pecado e de Satanás e a vitória de Jesus no grande conflito, o aspecto do “ainda não” está aguardando o fim do mal e o estabelecimento da Nova Terra: “O completo estabelecimento do reino de Sua glória, porém, não ocorrerá senão na segunda vinda de Cristo ao mundo” (Ibid., p. 108).

4. O que esses textos ensinam sobre o reino de Deus no fim dos tempos? Lc 17:23, 24; 21:5-36
R. Esses textos ensinam que o reino de Deus será plenamente estabelecido com a vinda literal, visível e em glória do Filho do Homem. Haverá muitos sinais que anunciarão a proximidade de Sua vinda (falsos cristos, guerras, terremotos, epidemias, fome, perseguição aos cristãos, sinais nos corpos celestes, angústia entre as nações), e devemos perseverar e vigiar a fim de estarmos prontos para esse dia, para que ele não venha sobre nós repentinamente, como um laço.

Nosso mundo, e as condições nele reinantes – tumulto, tristeza e angústia – certamente refletem as palavras que Jesus proferiu aqui. Embora alguns argumentem que a dor e o sofrimento que há neste mundo significam que Deus não existe, poderíamos responder que, em vista da advertência de Jesus cerca de 2.000 anos atrás, a condição de nosso mundo ajuda a provar não só a existência de Deus, mas a veracidade da própria Bíblia. Somente no fim é que o reino de Deus, em toda a sua plenitude, será estabelecido. Até então, temos que perseverar. 


O reino e a segunda vinda de Cristo

Quando Jesus falou sobre o reino de Deus, mencionou duas certezas: (1) a atividade de Deus na História, por meio de Cristo, para salvar do pecado a humanidade, e (2) o fim que Deus dará à História, restaurando os salvos a Seu plano original: que eles vivam com Ele para sempre na Nova Terra (Ap 21:1-3). A primeira, como já dissemos, chegou por meio da missão e do ministério de Cristo. Nele, já estamos no reino da graça (Ef 1:4-9). A segunda parte, a reunião dos santos no reino da glória, é a esperança futura aguardada pelos que estão em Cristo (Ef 1:10; Tt 2:13). Jesus e o restante do Novo Testamento associam esse momento histórico em que os fiéis herdarão o reino da glória à segunda vinda de Cristo.

A segunda vinda de Cristo é a culminação final das boas-novas que Jesus veio proclamar em Sua primeira vinda. O mesmo Jesus que derrotou o pecado e Satanás no Calvário voltará em breve para iniciar o processo que erradicará o mal e purificará a Terra da tragédia que o inimigo infligiu à criação de Deus.

5. Leia Lucas 21:34-36. Em suas próprias palavras, resuma a mensagem básica. Como essas palavras se aplicam a você? O que você precisa fazer a fim de se certificar de que está seguindo o que Jesus diz nesse texto?
R. Temos que vigiar enquanto aguardamos a segunda vinda de Cristo, a fim de que estejamos preparados para ela. Para isso, precisamos andar com Jesus, nos santificando e testemunhando a cada dia.

Ao aguardarmos a vinda de Jesus, somos chamados a vigiar, “a todo tempo, orando, para […] estar em pé na presença do Filho do Homem” (v. 36).

Aqueles que já experimentaram o reino da graça precisam esperar, vigiar e orar pelo reino da glória. Entre um e outro, entre o “já” e o “ainda não”, os cristãos devem se ocupar com o ministério e a missão, com o viver e o esperar, com seu crescimento e o testemunho. A espera pela segunda vinda de Jesus exige a santificação de nossa vida aqui e agora.


Testemunhas


6. Leia Atos 1:1-8. Que importantes verdades sobre o reino de Deus são expressas?
R. A inauguração do reino da glória ocorrerá, mas no tempo de Deus, que não nos compete conhecer. Enquanto isso, devemos ser testemunhas de Jesus, a fim de apressarmos esse evento. 

O reino de Deus era o pensamento principal de Lucas enquanto ele escrevia a continuação de seu evangelho, na forma de uma breve história da igreja primitiva. Nas primeiras linhas desse relato histórico, o livro de Atos, Lucas declara três verdades fundamentais com respeito ao reino de Deus.

Primeira: tenha a certeza de que Jesus voltará. Durante 40 dias entre Sua ressurreição e Sua ascensão, o Senhor continuou a reforçar o que já havia ensinado aos discípulos antes de Sua crucifixão: as “coisas concernentes ao reino de Deus” (At 1:3). Os grandiosos eventos da cruz e da ressurreição não haviam mudado nada no ensino de Jesus com respeito ao reino; ao contrário, por 40 dias o Cristo ressuscitado continuou a gravar na mente dos discípulos a realidade do reino.

Segunda: esteja esperando que Jesus volte no tempo que Deus julgar apropriado. Após a ressurreição, os discípulos de Jesus fizeram uma pergunta séria e ansiosa: “Senhor, será este o tempo em que restaures o reino a Israel?” (At 1:6). Jesus não respondeu à pergunta, mas corrigiu a perspectiva dos discípulos: Deus sempre será Deus; sondar Sua mente, predizer Seus planos com precisão, penetrar Seus segredos não é tarefa para seres de carne e sangue. Ele sabe quando deve vir o reino da glória, e fará com que isso se realize em Seu próprio tempo (At 1:7; Mt 24:36), assim como, na “plenitude do tempo” (Gl 4:4), Ele enviou Seu Filho para inaugurar o reino da graça.

Terceira: seja uma testemunha do evangelho de Jesus. Cristo fez com que os discípulos volvessem da especulação sobre o desconhecido (o momento em que virá o reino da glória) para aquilo que é conhecido e precisa ser feito. O tempo da segunda vinda de Jesus não é revelado, mas somos chamados a aguardar aquele glorioso dia e a estarmos ativos até então (Lc 19:13). Isso significa que devemos estar envolvidos em levar o evangelho de Jesus Cristo “até aos confins da Terra” (At 1:8). Essa é nossa responsabilidade – não em nossa própria força, mas pelo poder do Espírito Santo, que Jesus prometeu que seria derramado sobre todos os que quisessem ser testemunhas daquilo que viram e ouviram (v. 4-8).

Esses fiéis seguidores de Jesus ainda tinham concepções muito errôneas sobre a natureza da obra de Cristo. Contudo, mesmo assim o Senhor os estava usando. Que mensagem pode haver aqui para nós sobre o fato de não precisarmos compreender tudo plenamente antes de sermos usados por Deus?


Estudo adicional


“A insígnia do reino do Messias distingue-se pela imagem do Filho do Homem. Seus súditos são os humildes de espírito, os mansos, os perseguidos por causa da justiça. Deles é o reino dos Céus” (Ellen G. White, O Maior Discurso de Cristo, p. 8).

“Achamo-nos agora na oficina de Deus. Muitos de nós somos pedras rústicas da pedreira. Ao apoderar-nos, porém, da verdade de Deus, sua influência nos afeta, eleva-nos e tira de nós toda imperfeição e pecado, seja de que natureza for. Assim estamos preparados para ver o Rei em Sua beleza, e unir-nos afinal com os puros anjos celestes no reino da glória. É aqui que essa obra tem que ser efetuada por nós; é aqui que nosso corpo e espírito devem ser habilitados para a imortalidade” (Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 2, p. 355, 356).

Perguntas para reflexão

1. O físico Steven Weinberg escreveu: “Quanto mais o Universo parece compreensível, mais parece sem sentido, também.” Suas palavras causaram tumulto considerável, e por fim ele tentou amenizar o que disse. Alguns, porém, não viram razão para controvérsia sobre o fato de o Universo não ter sentido. “Por que ele deveria ter sentido?”, perguntou a astrônoma de Harvard, Martha Geller. “Que sentido? Ele é apenas um sistema físico; que sentido há nisso? Sempre fiquei perplexa com essa declaração.” O Universo seria apenas um sistema sem sentido? Sendo um cristão que aguarda a vinda de Jesus e o estabelecimento do reino de Deus, que resposta você daria às ideias que estão por trás dessas declarações?

2. Todas as gerações de cristãos têm esperado que Jesus volte em seu tempo, e alguns chegaram a marcar datas específicas. Mas todas elas falharam. O que há de errado em marcar datas?



Comentários

Postagens mais antigas

Vivendo Seu Amor - Meditação da Mulher

Conexão viva com o Salvador Pois a sua ira só dura um instante, mas o Seu favor dura a vida toda; o choro pode persistir uma noite, mas de manhã irrompe a alegria. Salmo 30:5 Quais têm sido os pedidos que muitas de nós fazemos em oração? Uma viva ligação com nosso Salvador, certo? Fazemos isso ao adorar, louvar, orar, relacionar-nos e testemunhar, onde quer que estejamos. Com o que se parece essa viva ligação na vida cotidiana? Minha amiga me ajuda a entender melhor, pois ela procura viver cada momento em ligação com Cristo. Por exemplo, todos os dias, quando minha amiga vai para o chuveiro, ela usa esse tempo como oportunidade para cantar hinos que louvam e engrandecem o nome de Deus. Às vezes, ela compõe cânticos para glorificá-Lo. Certa vez, quando essa amiga olhou pela janela da cozinha, viu o formato de uma ovelha nas nuvens. Ela sentiu que aquilo era um lembrete de Deus para ela, de que o Cordeiro que foi "morto desde a criação do mundo" (Ap 13:8) está para voltar um dia,…

O Verdadeiro Tesouro Mateus 6: 19 a 21

Itamar de Paula Marques

19 - Não ajunteis para vós tesouros na terra, onde a traça e o caruncho os corroem e onde os ladrões arrombam e roubam. NÃO AJUNTEIS PARA VÓS TESOUROS - Literalmente: não sigais fazendo tesouros ou deixai de fazer tesouros. A acumulação de bens terrenos geralmente se deve ao desejo de ter segurança no futuro e reflete temor e incerteza. Jesus indica aos que querem ser cidadãos de seu reino que a posse de riquezas materiais é um motivo de ansiedade mais do que um meio de liberar-se dela. O cristão não se angustia pelas necessidades materiais da vida porque confia em que Deus as conhece e lhe dará o que lhe faça falta versos 31 a 34. Como destaca Paulo, isto não significa que o cristão será indolente ante suas próprias necessidades e as de sua família. Empenhai a vossa honra em levar vida tranqüila, ocupar-vos dos vossos negócios, e trabalhar com vossas mãos conforme as nossas diretrizes.I Tessalonicenses 4: 11; II Tessalonicenses 3: 10; I Timóteo 5: 8. Mateus 6: 1…

Aceite o perdão

Sublime Esperança

Sublime Esperança
A Bendita Esperança Vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente. Tito 2:12

Somos exortados a viver sóbria, correta e piedosamente no mundo presente, e a esperar o glorioso aparecimento do grande Deus e Salvador Jesus Cristo. (...)

O tempo exato da segunda vinda de Cristo não nos é revelado. Jesus disse: "A respeito daquele dia e hora ninguém sabe" (Mt 24:36). Mas Ele também deixou sinais de Sua vinda, ao dizer: "Quando virdes todas estas coisas, sabei que está próximo, às portas" (v. 33). E disse-lhes que quando os sinais da Sua vinda surgissem, eles deviam exultar e erguer a cabeça, porque a redenção deles estaria próxima. Tendo em vista essas coisas, o apóstolo escreveu: "Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que esse dia como ladrão vos apanhe de surpresa; porquanto vós todos sois filhos da luz e filhos do dia" (1Ts 5:4, 5). Como não sabemos a hora da vinda de Cristo, precisamos viver sóbria e piedosamen…

Ciência e Religião

O benefício da dúvida
Deu no site da revista Ciência Hoje: “Karl Popper, um dos filósofos mais influentes do século passado, apontou para o fato de que, para ser validada, uma teoria científica deve necessariamente ser confrontada, desafiada, falseada. Dizia que, do contrário, a teoria poderia se tornar dogma – e qualquer dogma, para Popper, seria terrível para a ciência.” A matéria aponta, ainda, a coincidência entre o raciocínio de Popper e um texto publicado pelo jornal britânico The Guardian e repercute pesquisa realizada pela revista eletrônica Edge, que faz, todo ano, uma pergunta para centenas de especialistas de áreas distintas com o objetivo de colher tendências. A pergunta daquele ano foi: “Qual conceito científico poderia aprimorar a ferramenta cognitiva de uma pessoa?” “Artistas, cientistas e filósofos responderam à questão. Surpreendentemente, muitos deles destacaram a relevância dos erros, das incertezas e dúvidas para a ciência e ressaltaram a importância de…

Você passa tempo suficiente com a sua família?

A vida que vale a pena

Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância. João 10:10, ARA “A maneira como vivemos é mais importante do que quanto tempo vivemos.” Encontrei essa frase e a história abaixo no livro A Revolução do Espírito, que, entre outros relatos, retrata a vida de Svea Flood. Ela e o esposo, David, em 1921, deixaram a Suécia, depois de aceitar o chamado divino para serem missionários no Congo. Com outro casal de missionários, resolveram evangelizar uma região remota do país. Chegaram à vila de N’dolera, mas não foram aceitos ali, pois o chefe tribal acreditava que se permitisse a presença dos missionários, os deuses locais ficariam insatisfeitos e abandonariam a região. Mesmo com a recusa, resolveram não desistir e se estabeleceram em uma montanha próximo à tribo, onde construíram cabanas de barro enquanto oravam para terem oportunidade de evangelizar o lugar. Isolados na montanha, a única pessoa com quem podiam ter contato era um menino, que havia sido autorizado a visitá-…

Alimentação: O que é preciso entender sobre a dieta de Adão e Eva?

“E disse Deus: Eis que vos tenho dado toda a erva que dê semente, que está sobre a face de toda a terra; e toda a árvore, em que há fruto que dê semente, ser-vos-á para mantimento”. Gênesis 1:29
Já no primeiro capítulo da Bíblia, existe uma orientação sobre qual deveria ser a alimentação do ser humano. Mas é importante compreender quais alimentos faziam parte desta alimentação original. Toda erva que dê semente é uma expressão que faz referência aos cereais (arroz, trigo, aveia, milho, centeio e cevada) e às leguminosas (feijões, grão de bico, lentilha, ervilha, soja, tremoço e amendoim).
E toda árvore, em que há fruto e que dê semente é uma referência agora são as frutas e também as sementes oleaginosas (castanhas em geral). Isso vos será para mantimento, ou seja, essa era a alimentação original de Adão e Eva. Devemos lembrar que Deus sempre tem lições para nos ensinar por meio da sua palavra. No contexto em que Adão e Eva vivam no Éden, onde não havia morte essa deveria se…

A didática da repetição

“Quando, pois, deres esmola, não toques trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas, nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que eles já receberam a recompensa” (Mateus 6:2).
Três vezes no capítulo 6 Jesus utiliza o mesmo padrão para atingir Seu objetivo. Ele sabia que a mente humana enfraquecida pelo pecado precisa ouvir as coisas mais de uma vez para assimilar uma lição. E Jesus é o mestre por excelência.
Repare no Seu estilo. Primeiro, Ele delineia o princípio geral no versículo inicial: Não pratique atos piedosos para ser visto pelos outros. Os que assim procedem não receberão outra recompensa a não ser sua própria atitude egocêntrica. Depois, Ele passa a ilustrar essa lição principal a respeito da esmola (versos 2 a 4), da oração (versos 5 e 6) e do jejum (versos 16 a 18).
Todas as três ilustrações seguem o mesmo padrão. Primeiro, vem a descrição da falsa forma de piedade, que se concentra na exibição pública da “santid…

Salmo 23

Eu sou o bom pastor. João 10:11 É impossível ler o versículo acima sem se lembrar do salmo mais famoso da Bíblia. O Salmo 23 está entre o 22 e o 24. Você deve estar pensando agora: “Mas isso é óbvio!” Sim, é óbvio; porém, há bastante informação nessa obviedade. O Salmo 22 é conhecido como o salmo da cruz. Nesse texto, o salmista retrata o sofrimento do Messias, e o primeiro verso dessa poesia foi citado pelo próprio Cristo em sua agonia no Calvário: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?” (Marcos 15:34). O Salmo 24, por sua vez, é tido como o salmo da glória. Nessa passagem belíssima, o Messias é exaltado e tem sua recepção nas cortes do Céu retratada. Assim, entre o salmo da cruz (22) e o salmo da glória (24), está o salmo do pastor (23). O que isso nos ensina? De certa forma, a sequência desses capítulos na Bíblia revela a trajetória de Jesus em sua missão de salvar a humanidade e pode indicar também como ocorre o processo de salvação na vida de cada um. Ning…