O Sorriso de Deus - Meditação da Mulher


Escolhemos Não Desistir
Não tema, pois Eu o resgatei; Eu o chamei pelo nome; você é Meu. Isaías 43:1
Lembro-me do quanto foi difícil aquela tarde na UTI, quando os médicos trouxeram o diagnóstico de uma doença rara na minha idade e sem perspec­tivas de cura. Ouvi que não teria mais uma vida normal, que não conseguiria me formar na faculdade, não poderia ter filhos e teria uma vida muito limitada, pois 30% do meu coração estava em necrose, sem vida, e minhas artérias estavam se obstruindo de forma muito acelerada. Senti medo, chorei, perguntei a Deus o porquê, e por muitos momentos temi que meus sonhos desabassem.
Foi difícil contar para minha família, doloroso demais ver as lágrimas do meu esposo, pensar que não mais poderíamos servir a Deus juntos no ministério pastoral como tanto almejávamos. Deus me deu forças para sorrir quando queria chorar, para falar de esperança, quando tinha temor. Deu-me coragem para olhar nos olhos do meu amado esposo e pedir para não desistirmos dos nossos sonhos, falei que ele deveria voltar para a faculdade e concluir seus estudos, mesmo que por um período precisássemos ficar separados. Disse-lhe que, se eu sobrevivesse, dedicaria cada dia da minha vida para levar pessoas a conhecer Jesus. Entretanto, se isso não acontecesse, eu estaria preparada e nos veríamos na manhã da ressurreição.
Deus me deu a oportunidade de ir para uma clínica de tratamentos naturais e, juntos, meu esposo e eu mudamos todo o nosso estilo de vida e hábitos alimentares. Deus colocou pessoas especiais em nosso caminho que nos encorajaram a prosseguir mesmo em meio aos desafios. Deus nos sustentou e supriu todas as nossas necessida­des. Nossa fé se fortaleceu dia após dia e aprendemos a confiar em Suas promessas.
Pouco mais de um ano já se passou e, ao fazer um exame recentemente, o médico falou que se ele não soubesse da minha doença, ele poderia afir­mar que eu nunca tinha passado por nada daquilo. Ele não sabia me explicar o que estava acontecendo. Refez o exame várias vezes até me dizer que a parte do coração que havia estado em necrose estava novamente saudável. Ainda tenho uma cardiopatia grave, que causa as obstruções nas artérias. Sempre vou precisar de cuidados especiais, pois essa doença é genética. Contudo, a parte que me tirava a qualidade de vida foi solucionada e o coração voltou a funcionar por completo. A obstrução das artérias desacelerou. Mesmo ainda tendo a doença, confiamos que Deus fará o melhor. Se Ele me curar, seremos gratos. Mas se Ele me permitir viver e Lhe servir ao lado do meu esposo, mesmo com essa doença, continuaremos agradecidos dia após dia.
Escolhemos não desistir e continuamos com a certeza de que acima do diag­nóstico dos médicos está o diagnóstico de Deus. Ele nos fortaleceu e, em meio a tantas lutas e tantos desafios, está realizando nossos sonhos.
Ariane Cechinatto de Souza Costa

Deus Vai às Compras
Eu irei adiante de ti, endireitarei os caminhos tortuosos, [..,] dar-te-ei os tesouros escondidos e as riquezas encobertas, para que saibas que Eu sou o Senhor. Isaías 45:2, 3, ARA
Foi-me pedido para organizar o almoço de encerramento da Semana de Oração Jovem, cujo tema era "Voltando à Eternidade", em minha igreja. Meu irmão havia falecido fazia pouco mais de um mês; por isso, dediquei-me muito para tentar tornar a ideia real.
Pedi a orientação de Deus para os preparativos e coloquei mãos à obra. Toalhas brancas com pratos e talheres dourados, guardanapos decorados e, como arranjo principal em cada mesa, duas coroas e uma vela acesa. Seria perfeito! Foi o que pensei até sair às compras.
Comecei a busca e o que parecia tão sob controle, começou a me preocupar. Pensando na praticidade, queria bandejas redondas com divisórias para facilitar servir a tantas pessoas ao mesmo tempo. Não encontrava a tal bandeja em lugar algum e, quando encontrava algo parecido, ou era muito caro ou sem divisórias.
Quando saí às compras pela útima vez, orei: "Querido Deus, o Senhor sabe o quanto estou me dedicando para que tudo seja feito para Tua honra e glória. Gostaria de criar uma atmosfera celestial, com tudo bonito e organizado. O Senhor sabe o quanto essa bandeja me faria feliz e, se for da Sua vontade, ajuda-me a encontrá-la. Contudo, hoje é o último dia, porque não terei mais tempo."
Entrei na primeira loja. Eu precisava de doze bandejas. Fui direto à sessão onde elas deveriam estar, e... nada! Andei por todo lugar, tentando imaginar onde poderiam tê-las colocado. Nada. Pensei, então, que seria melhor apressar-me para ir à próxima loja.
Já à porta, vi dois carrinhos de compras carregados. Quase não pude conter as lágrimas quando vi dentro deles exatamente as doze bandejas que eu precisava e por um preço muito melhor do que esperava. E se isso ainda não fosse o bastante, todas tinham tampa - o que eu não havia pedido — mas senti que era um bônus de Deus, que já tinha feito a compra para mim. Mais uma vez, comprovei que quando Deus está no controle, tudo é melhor do que planejamos.
Não sei qual é o desejo do seu coração ou sua necessidade para hoje, mas Deus sabe e Ele deseja dar mais do que você está esperando. Peça. Confie.
Não tenho como descrever a emoção quando vi a sala do almoço decorada, superando minhas expectativas. O painel tinha um desenho de Jesus à entrada do Céu, abraçando um jovem, com os dizeres: "Voltando à eternidade para jamais nos separarmos outra vez!"
É na entrada do Céu, abraçando Jesus, que vou encontrar meu irmão. E você? Quem deseja encontrar lá?
Keila Kopitar de Souza

Moedas Perdidas
E quando a encontra, reúne suas amigas e vizinhas e diz: "Alegrem-se comigo, pois encontrei minha moeda perdida". Lucas 15:9
Sua casa tem tido grandes momentos de alegria? O texto bíblico fala de uma casa em festa, onde vizinhas e amigos são chamados para se alegrarem. Per­cebe-se uma alegria contagiante, notória e real. É a alegria de nossos sonhos, não é mesmo? É a alegria que se opõe ao caos, à dor, ao alvoroço criado pela tragédia. A alegria que se opõe à angústia, que joga o desespero para bem longe. A alegria que expulsa as lágrimas e toda a situação desagradável. Nesse texto, encontramos a alegria onde mais precisamos vê-la transbordando: em casa.
Precisamos muito de alegria em casa porque, quando ela está presente ali, saímos em paz para o trabalho, para a escola, para a igreja ou mesmo para uma viagem de férias. Trabalhamos melhor e produzimos mais quando a casa vai bem. Voltamos para casa com pressa e desejosas de permanecer mais tempo ali.
Muitos estudantes não têm um bom rendimento escolar porque o ambiente familiar não está bem. Como é importante um lar saudável!
Muitas vezes, as pessoas saem perturbadas de casa e vão à igreja em busca de esperança, para receber uma bênção e reconstruir a família. Bom seria se elas já estivessem espiritualmente nutridas em casa e fossem à igreja para prestar louvor e adoração a Deus.
Gosto de pensar que a parábola da moeda perdida tem que ver com a família. Pois, a dracma era o dinheiro da época. Ou seja, a mulher perde algo de valor den­tro da própria casa. Minha grande pergunta neste momento é: "Que valores estão sendo perdidos dentro de sua casa?" Para alguns poderá ser o respeito. Observe o diálogo de muitos pais com os filhos ou do marido com a mulher ou vice-versa. Em alguns casos, há perda da dignidade. Quem respeita, ouve com atenção. Quanto egoísmo tem sido visto nos lares. Cada um pensa apenas em si mesmo.
Creio que não será difícil lembrar-se de outras "dracmas" que estão sendo perdidas dentro dos lares. No entanto, agora não é mais o momento de lamentar as perdas. É hora de procurar recuperar os valores da família, para que haja a verdadeira alegria e felicidade no lar. Assim, você poderá realizar uma grande festa em família porque recuperou o respeito, a dignidade e o amor entre os membros de sua casa.
Que em seu lar todas as dracmas perdidas possam ser encontradas e que Jesus seja o hóspede permanente.
Meibel Mello Guedes

Pulando de Alegria
Meu coração exulta de alegria, e com o meu cântico Lhe darei graças, Salmo 28:7
Pulando, dançando e rindo alto... Foi assim que ele apareceu. Além disso, gritava: "Yes, yes, yes, I do it. I Can do it!" [Sim, eu consegui!]
Olhei espantada para tamanha euforia. Pudera, aparentando ter uns 16 anos, o rapaz estava segurando sua recém-conquistada e sonhada carteira de habilitação.
Lá no fundo, senti uma pontinha de inveja. Era só isso o que eu queria e pre­cisava hoje: ter a minha carteira de habilitação para poder continuar dirigindo.
Na verdade, morando em um país que não é o meu, mesmo tendo a minha carteira de habilitação válida, preciso tirar outra. Depois de estudar um livrinho cheio de leis di­ferentes das que estou acostumada, preciso passar por um teste de alternativas e, depois, com o meu carro, fazer um teste de direção na rua, sendo monitorada por um instrutor com cara de poucos amigos. A tensão em ser reprovada é tão grande que pensar em tirar essa tal driver license chega a dar dor de estômago. Além disso, penso nos muitos imigrantes que, infelizmente, não podem tirar essa licença por falta de documentação. Essa é a pior parte: precisam de licença para dirigir a fim de ganhar seu sustento e viver, mas não podem obtê-la. Triste realidade, não?
Gosto de pensar no grande amor de Deus por nós. Ele nos amou de forma tão intensa e profunda que enviou Seu único Filho para pagar nossas dívidas e nos oferecer a "licença para chegar ao Céu", sem nenhum custo para nós. É por meio de Sua graça maravilhosa que somos salvos. "Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus" (Efésios 2:8).
A salvação é como um presente que nos é oferecido livre e gratuitamente, mas que podemos escolher aceitar ou não. Por nós mesmos, estaríamos condenados à morte eterna. Entretanto, Cristo morreu por todos os pecadores e obteve o mérito do perdão dos pecados para todos.
Jesus já pagou o preço para que tenhamos nossa "licença para o Céu". A re­denção gloriosa nos é oferecida gratuitamente, mas é nesse ponto que a salvação como uma obra da graça termina; pois a graça é impotente para salvar e libertar do domínio do pecado e da morte se essa não for a nossa escolha.
Salvos pela graça! Libertos da ira, culpa, condenação, corrupção e morte - pela graça! Vestidos com justiça, santidade, vida e glória - pela graça! Trazidos à luz, da morte para a vida, da vergonha à glória, do inferno ao Céu. E tudo por causa do gradioso amor de Deus por mim e por você! Você quer esse presente? A parte humana é aceitar. E aceitar significa se entregar a Ele sem reservas. A decisão é sua! Você aceita esse presente?
A propósito, hoje consegui minha carteira de habilitação. Também saí pulando e gritando de alegria.
Queila M. Tavares


O Cristão e a Preservação do Meio Ambiente
Do Senhor é a terra e tudo o que nela existe, o mundo e os que nele vivem; pois foi Ele quem fundou-a sobre os mares e firmou-a sobre as águas. Salmo 24:1, 2
Como consequência do pecado, o homem passou a viver na Terra, adaptando-se às circunstâncias naturais, dependendo do seu suor para a obtenção do pão de cada dia.
Historicamente, somente após a Revolução Industrial, com a introdução das máquinas e das novas tecnologias, o homem deu início a um processo inverso, envolvendo a adaptação do meio ambiente aos seus interesses. Com isso, alterou-se a relação homem/recursos naturais. Nossas necessidades passaram a ser infinitas diante de recursos naturais finitos; situação que levou a grande degradação.
Assim, cada vez mais percebemos um movimento em prol da proteção do meio ambiente e da conservação dos recursos naturais, como forma de garantia de vida para as presentes e as futuras gerações.
Nesse contexto, cabe ao cristão um papel equilibrado, que considere a impor­tância da preservação do meio ambiente e da redução do consumo desnecessário e predatório. Essa lição deve ser transmitida aos nossos filhos. Ao lermos em Gênesis 2 o relato da criação, percebemos todo o cuidado de Deus ao preparar um mundo perfeito, em harmonia, para nossa habitação.
"O Senhor Deus colocou o homem no jardim do Éden para cuidar dele e cultivá-lo" (Gênesis 2:15). Ora, o homem não é tratado como senhor e domi­nador. O texto nos impõe deveres como guardiões, verdadeiros mordomos de Deus. Assim, não podemos nos esquecer de que cabe a nós um cuidado especial com os belos campos verdejantes, com o lírio do campo, com a rosa em seus belos matizes, com os animais; enfim, com todos os seres viventes.
Ellen White ensina que as crianças devem aprender a ver na natureza uma expressão do amor e da sabedoria de Deus. "Que o pensamento a respeito dEle se entrelace com pássaros, flores e árvores; que todas as coisas visíveis se tornem para elas os intérpretes do invisível, e todos os acontecimentos da vida sejam os meios para o ensino divino" (Educação, p. 102, 103). Que possamos, a cada dia, ensinar nossas crianças sobre a importância do cuidado com o meio ambiente!
Patrícia Faga Iglecias Lemos


Um Dia Jesus me Explicará
Ele o cobrirá com as Suas penas, e sob as Suas asas você encontrará refúgio; a fidelidade dEle será o seu escudo protetor. Salmo 91:4
Em maio de 1993, José estava construindo uma casa para a família na cidade de Marialva, no Paraná. Como em outros dias, o almoço seria trazido por sua mãe e pela filhinha de 9 anos.
Depois do meio-dia, avó e neta iniciaram o caminho de volta naquela estra­da de terra vermelha. As duas seguiam conversando, até que a menina olhou para trás e percebeu uma situação fora do comum. Realmente, tratava-se de um fato inusitado! Um veículo, aparentemente desgovernado, se aproximava. A menina exclamou sorrindo: "Olha, vovó! Parece que a caminhonete está em um lugar liso como sabão!"
A avó percebeu o perigo e disse para a criança ir para perto do muro das casas. As duas estavam chegando perto do muro quando, de repente, a menina sentiu uma forte pancada nas costas, que a lançou no chão. Em seguida, ela ouviu os gritos de horror da avó. A caminhonete havia atingido a menina e a estava arrastando pelo chão. Em seguida, um dos pneus passou por cima da criança, que foi lançada inconsciente em uma valeta ao lado. Ela estava com mais de 70% do corpo esfolado. Estava toda coberta de sangue e terra.
Transtornada, a avó começou a gritar sem parar. Com as pernas trémulas, não conseguia se aproximar da neta, que fora jogada em meio às folhas secas de árvores. Aparentemente, a menina estava morta, pois não demonstrava nenhum sinal vital.
Clamando a Deus com todas as suas forças, a avó se aproximou da menina. Tinha esperança de que ainda estivesse com vida. Por um milagre divino, a menina sussurrou, dizendo que estava com sede.
Rapidamente, muitas pessoas se aglomeraram em volta da criança. A menina foi levada ao hospital e uma série de exames foram feitos com urgência. Naquela tarde, pôde-se constatar o impossível. Inexplicavelmente, não houve trauma­tismos nem fraturas. Apenas escoriações superficiais. Ela precisou permanecer internada por apenas um dia, sob observação.
Os noticiários da cidade e da região anunciaram o estranho caso da "Menina Borracha", que sobreviveu a um acidente tão grave como aquele.
Esse acidente aconteceu comigo! Tenho certeza de que um dia Jesus me ex­plicará como sobrevivi, pois ainda não existe resposta. Entretanto, pela fé, posso dizer que Ele me cobriu com Suas penas, e debaixo de Suas asas estive segura.
Maria Cristina Teodoro de Souza

É Preciso Confiar
Entregue o seu caminho ao Senhor; confie nEle e Ele agirá. Salmo 37:5
Havia três anos que eu e minha família estávamos afastados da Igreja Adventista. Nós queríamos voltar, mas não conseguíamos por nossas pró­prias forças. Então, inesperadamente, meu filho mais novo, de 13 anos, ficou doente. Os médicos diziam ter o controle da situação. Entretanto, depois de uma semana internado sem melhoras e com 11 quilos a mais, decidimos transferi-lo para Goiânia, GO. Na madrugada em que chegamos, procuramos por mais de seis horas um hospital que pudesse recebê-lo. Enquanto aguardávamos o atendimento, ele me perguntou se iria morrer. Sem saber o que responder, eu simplesmente disse: "Confie em Deus. Ele fará o melhor por nós." Eu o abraçava tão forte como se pudesse mante-lo ali comigo, para sempre.
Por fim, encontramos uma vaga na UTI, considerada a melhor do estado de Goiás. Chegando lá, foi constatado que ele havia contraído uma bactéria até então desconhecida da medicina. Após 30 dias, todas as tentativas de cura falharam. Todos os antibióticos e misturas cabíveis foram aplicados, mas meu filho só pio­rava e a bactéria ganhava mais força até atingir sua corrente sanguínea. Meu filho foi induzido ao coma, recebendo alimentação somente por sondas e respirando por aparelhos que custavam 400 reais a diária. Nos momentos mais críticos, ele sofreu três paradas cardiorrespiratórias. Os médicos nos procuraram e, com pesar, nos deram a notícia de que não podiam fazer mais nada pelo meu filho.
Desesperados, meu esposo e eu decidimos procurar, na sede administrativa da Igreja Adventista de Goiás, algum pastor que pudesse ungi-lo, e assim en­tregaríamos a vida do nosso filho nas mãos de Deus.
Encontramos um pastor amigo nosso, da época em que estávamos firmes na fé, e contamos sobre nosso filho. Imediatamente foi realizada a extrema unção dele. Em cinco dias apenas, meu filho saiu do coma, os tubos foram retirados e ele passou a respirar sem a ajuda de aparelhos. Nem mesmo os médicos puderam acreditar no que viram. Eles mesmos afirmavam que o que ocorrera com meu filho era um milagre, em resposta às nossas orações.
Os membros da Igreja Adventista em Goiânia nos ajudaram a pagar pelos equipamentos. Meu filho pediu para receber estudos bíblicos e ser batizado. Meu esposo, eu e minhas duas filhas fomos rebatizados junto com ele no dia 7 de junho de 2008. Foi assim que Deus usou uma situação completamente desfavorável para nos ensinar a confiar em Seu amor.
Romilda Gonçalves Conte


O Novo Nome de Minha Mãe
Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao vencedor darei do maná escondido. Também lhe darei uma pedra branca com um novo nome nela inscrito, conhecido apenas por aquele que o recebe. Apocalipse 2:17
Antes de ser alfabetizada, conhecia o nome dos meus pais pelo que eles me falavam e por ouvir outras pessoas chamando-os. No primeiro ano da escola, uma das minhas tarefas foi aprender a escrever o meu nome e dos meus pais. Logo que comecei a ler, tudo que possuía letras se tornava um desafio interessante para mim. Letreiros de lojas, papéis de propaganda e até etiquetas de roupas. Certo dia, resolvi ler minha certidão de nascimento. Fiquei surpresa e confusa ao mesmo tempo. O nome da minha mãe estava errado.
Corri para mostrar a ela minha incrível descoberta. Calmamente, mamãe me contou uma história "espetacular" para uma garotinha de sete anos. Seu verdadeiro nome não era tão comum. Em muitas situações, as pessoas não o pronunciavam corretamente, e isso a deixava triste. Na adolescência, ela resolveu adotar um novo nome. Vera foi o nome escolhido. Sempre achei esse nome lindo e fiquei feliz por minha mãe ter encontrado uma solução para o problema. Pedi que ela repetisse essa história muitas vezes. Fiz até uma lista dos nomes que eu mais gostava. Numa eventual necessidade, poderia usar um deles. Escolher o próprio nome era algo realmente incrível para minha mente infantil.
Esse acontecimento me fez lembrar das palavras de João no verso de hoje: "Ao vencedor darei do maná escondido. Também lhe darei uma pedra branca com um novo nome nela inscrito, conhecido apenas por aquele que o recebe." Todos os vencedores irão receber um nome novo escolhido pelo próprio Jesus.
Anseio por esse dia em que receberemos muito mais que um novo nome. Seremos libertados eternamente de todo o sofrimento. "E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram" (Apocalipse 21:4, ARA).
Rosemeire Magalhães Félix


Alegria do Reencontro
Porque assim diz o Soberano, o Senhor: Eu mesmo buscarei as Minhas ovelhas e delas cuidarei. Ezequiel 34:11
Tenho dois filhos. E a diferença de idade entre eles é de apenas l ano e 10 meses. Quando ainda eram pequenos, pude presenciar uma linda cena de reencontro entre eles. O caçula tinha apenas 2 anos de idade quando o fato ocorreu.
Meu esposo havia sido transferido para o segundo distrito pastoral, no Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais. Era um lugar com poucos recursos na época, mas abençoado pelo entusiasmo dos irmãos.
Após alguns meses, recebemos a primeira visita de meus pais em nossa nova moradia. Passamos momentos muito agradáveis juntos. Ao irem embora, pediram para levar nosso filho mais velho com eles. Não foi uma decisão fácil, mas permitimos.
Passaram-se os dias e a saudade começou a ficar forte no coração. Então, chegou o feliz dia de buscar e reencontrar nosso filhinho. Ufa! Após uma longa viagem, finalmente chegamos à casa de meus pais.
Quando abrimos a porta, presenciamos um marcante e lindo reencontro dos irmãos. O brilho nos olhos daquelas crianças era visível. O caçula gritava sem parar: "É o Ciço! É o Ciço, mamãe! É o Ciço..." Era assim que ele chamava o irmão mais velho. Eles se abraçaram e pularam de alegria, demonstrando uma felicidade completa.
Essa experiência me fez lembrar de algo. Estamos separados fisicamente de Jesus, não por poucos meses, mas por muitos e muitos anos. Em Sua Palavra, porém, Ele prometeu que retornaria para nos levar para casa: "Voltarei e os levarei para Mim, para que vocês estejam onde Eu estiver" (João 14:3).
Sim, este dia não vai demorar e a nossa alegria será completa. Viveremos com o Pai, andaremos pelas ruas de ouro e comeremos do fruto da árvore da vida. Contudo, nada se comparará à alegria de contemplar o rosto de Jesus, de abraçá-Lo, de ouvir o som de Seus lábios, e saber que nada poderá nos separar dEle novamente.
Enquanto aguardamos o dia glorioso de Sua vinda, não estamos sozinhos. Temos a certeza de Sua companhia por rneio do Espírito Santo, que está sempre conosco, apontando o caminho certo, nos orientando e confortando enquanto aguardamos o dia do reencontro.
Sara Guimarães Lima

Embalagens
Mas temos esse tesouro em vasos de barro, para mostrar que este poder que a tudo excede provém de Deus, e não de nós. 2 Coríntios 4:7
Minha filha adolescente é fascinada por embalagens. Se pararmos para ob­servá-las, descobriremos que elas são realmente fascinantes. Embalagem, por definição, é qualquer invólucro ou recipiente destinado a guardar e acon­dicionar produtos de forma segura e higiénica. Contudo, em nossa sociedade de consumo, ela ganhou importância estratégica como veículo de publicidade e motivação do consumidor.
Criativas, práticas, bonitas, inteligentes; com variadas formas, tamanhos e cores; de papel, madeira, metal ou plástico, as embalagens são elaboradas não apenas para atender às necessidades concretas de armazenamento e transporte de produtos, mas também para satisfazer os desejos subjetivos do ser humano, e são decisivas na hora da compra.
Na história da humanidade, elas sempre estiveram presentes. Criadas, inicial­mente, para transportar água e alimentos, as primeiras embalagens eram cons­tituídas de elementos rústicos encontrados na natureza, como grandes conchas, pele de animais, fibras naturais e argila.
Nos tempos bíblicos, vasos, geralmente de barro, serviam como depósito para diferentes produtos como vinho, azeite, água, perfume. Vasos também foram usados para preservar intactos os manuscritos contendo a Palavra de Deus.
No livro de Jeremias, o povo de Deus é comparado a vasos de barro, e Deus, ao Artesão que lhes dá forma. Assim diz o Senhor, por meio do profeta: "Como barro nas mãos do oleiro, assim são vocês nas Minhas mãos" (Jeremias 18:6).
Nossos corpos frágeis, como vasos de barro, podem ser depositários dos tesouros do Senhor. Vasos repletos do vinho da alegria da presença do Senhor. Vasos cheios do precioso óleo do Espírito Santo. Vasos transbordantes da Água da vida. Vasos que exalam o bom perfume de Cristo. Vasos que preservam a pureza da Palavra de Deus.
Entretanto, cuidado com as falsificações. Há produtos cujas embalagens nos fazem pensar que são autênticos; porém, seu conteúdo não passa de grosseira imitação. O enganador, assim como o falso comerciante, quer nos transfor­mar em produto enganoso, "tendo aparência de piedade, mas negando o Seu poder" (2 Timóteo 3:5).
Senhor, que sejamos embalagens autênticas, recipientes de Seus tesouros, vasos moldados por Ti para Tua honra, na vitrine do mundo. Que encantemos o mundo não pela aparência exterior, mas pelo espírito manso e tranquilo, que é de grande valor diante de Ti.

Eliana Oliveira de Souza

Meditação da Mulher   O Sorriso de Deus
CPB

Comentários