2 de agosto de 2015

Cada Dia uma Nova História - Inspiração Juvenil

Verdades precisam ser ditas
Sabemos o que quer dizer temer o Senhor e por isso procuramos levar as pessoas à verdade. Deus nos conhece completamente, e espero que no seu coração vocês me conheçam também. 2 Coríntios 5:11
Depois de muita insistência, Teixeira resolveu visitar a comunidade religiosa em que seu amigo congregava. Enquanto ouvia o sermão, o banco da igreja parecia ficar desconfortável. O pastor era enfático ao pregar sobre a necessidade de uma reforma pessoal e aquilo o incomodava, pois a mensagem dizia exatamente o que ele precisava mudar. Estava acostumado a viver de maneira descompromissada, sem qualquer tipo de fidelidade a Deus.
Teixeira frequentava locais inadequados, embriagava-se com frequência e seu caráter precisava ser aperfeiçoado. Gostava de fazer o que lhe fosse mais benéfico e prazeroso e, por ser egoísta, raramente se importava com o bem-estar da família.
Não suportando mais ficar ali, levantou-se para ir embora, mas a esposa o puxou, fazendo com que ele se sentasse novamente. Com lágrimas nos olhos, ela lhe cochichou aos ouvidos:
- Por favor, fique! Tenho certeza de que Deus está falando conosco neste sermão. Nunca ouvi verdades tão profundas a respeito da nossa vida. Sinto que precisamos deixar Jesus nos transformar.
O orador Paul Washer disse em um de seus sermões: "Precisamos entender que a pessoa que nos ama mais é a que nos revelará as maiores verdades. Uma das maiores marcas do falso profeta é que ele vai falar o que queremos ouvir."
E mais cômodo estar rodeado de pessoas que só dizem o que nos agrada e que não questionam nosso jeito de viver. Contudo, Deus deseja transformar por completo a nossa vida. Não há como ter um encontro real com Jesus e continuar sendo a mesma pessoa. Por esse motivo, os verdadeiros amigos e pastores sempre farão preciosos alertas e apelos para nós, pois eles nos amam e desejam nossa salvação. Lembre-se de que é melhor ser machucado por uma verdade do que acariciado por uma mentira.
Mantenha a mente aberta para as verdades que existem na Bíblia. Ouça sempre as orientações de seus professores e amigos que procuram encaminhá-lo à salvação em Cristo Jesus.

Se todos fossem iguais a você
- Façam aos outros o que querem que eles façam a vocês; pois isso é o que querem dizer a Lei de Moisés e os ensinamentos dos Profetas, Mateus 7:12
Dois anos haviam se passado desde que Caio conhecera o Clube de Desbrava­dores. Ele havia gostado muito das atividades e se interessado pela parte es­piritual. Depois de alguns estudos bíblicos, fora batizado em um acampamento realizado em sua região.
Apesar de estar feliz com o clube e com a igreja, Caio estava preocupado com as próprias atitudes. Ele era um garoto explosivo e brigava por qualquer motivo. Além disso, não gostava de ajudar ninguém, mentia e tinha dificuldade em compartilhar o que era seu.
Os estudos bíblicos haviam lhe ensinado que essas condutas eram erradas, e ele queria mudar; mas, às vezes, sentia-se como o apóstolo Paulo: "Pois não faço o bem que quero, mas justamente o mal que não quero fazer é que eu faço" (Romanos 7:19).
Resolveu, então, conversar com um conselheiro do clube. Depois de ouvi-lo, o homem lhe disse:
- Você acredita que Deus pode ouvir e atender às suas preces?
- Sim! - respondeu Caio.
- Então, a partir de hoje você fará a seguinte oração: "Senhor, ajuda-me a ser uma pessoa melhor e coloca em minha vida pessoas que sejam como eu."
Caio pensou que essa era uma oração difícil de ser feita. Imaginou que não seria fácil lidar com pessoas egoístas, rancorosas e iradas como ele. Mesmo as­sim, aceitou o desafio e, para não correr o risco de encontrar pessoas com seus defeitos, finalmente permitiu que Deus trabalhasse em seu coração, moldando cada área que precisava ser transformada.
Quais são os seus defeitos? Já pensou se pessoas iguais a você surgissem em sua vida? Você teria coragem de fazer a oração de Caio? Hoje, Deus lhe dá a oportunidade de refletir sobre o que precisa ser aperfeiçoado em seu caráter. Ore ao Senhor para que Ele o transforme em alguém mais semelhante a Jesus.

Sequelas da vida
Alguns foram insensatos e sofreram por causa dos seus pecados, por causa da sua vida de rebeldia. Salmo 107:17
Eu tinha 10 anos e, por três dias, não havia conseguido comer em razão de um inchaço nas glândulas salivares provocado por uma doença chamada caxumba, O simples movimento de abrir e fechar a boca me causava dores insuportáveis.
Quando a fome superou a dor, tentei me alimentar. Minha mãe preparou uma refeição e fui à cozinha. Ao colocar a primeira colherada na boca, senti algo indescritível! As glândulas inflamadas pela doença foram ativadas e pareciam que agulhas estavam sendo enfiadas debaixo da minha língua e maxilar. Choro­so, abandonei a refeição e voltei para o quarto.
Depois dessa tentativa, as dores apenas aumentaram e, no dia seguinte, meus ouvidos pareciam estar tapados. Aos poucos, a doença foi retrocedendo e voltei à minha vida normal, exceto por um detalhe: parecia que minha audição estava diminuindo.
Após alguns meses, procuramos um médico, e a conclusão a que ele chegou nos deixou preocupados: eu estava perdendo a audição de um dos ouvidos em virtude de uma sequela da caxumba. Apesar de ter sido totalmente curado da doença, ela me deixou completamente surdo do ouvido esquerdo.
Não há dúvidas de que Deus perdoa nossos pecados, mas quando deixamos Satanás entrar em nossa vida, ele pode deixar sequelas irreversíveis. Apesar do perdão de Deus, podemos levar para sempre as consequências de uma vida ou de um momento de pecado.
Ellen White ensinou que "Adão e Eva sofreram as terríveis consequências de desobedecerem ao expresso mandamento de Deus. Poderiam ter arrazoado: Este é um pecado muito pequenino, e jamais será tomado em conta. Mas Deus tratou o caso como um terrível mal; e a desgraça trazida por sua transgressão será sentida através de todos os tempos" (Testemunhos Seletos, v, l, p. 509).
A doença do pecado só pode ser curada pelo sacrifício de Jesus. Ele quer nos livrar dessa enfermidade e restaurar nossa saúde. Cuidado com as "doenças" que o inimigo deseja implantar em sua vida espiritual. Embora Cristo seja o remé­dio, as consequências poderão limitá-lo enquanto você estiver na Terra.

Cristão repolho
Sejam como criancinhas recém-nascidas, desejando sempre o puro leite espiritual, para que, bebendo dele, vocês possam crescer e ser salvos. 1 Pedro 2:2
A horta de Romeu era imensa e repleta de vegetais saudáveis. Havia muitos tipos de verduras e legumes, tais como alface, tomate, rúcula, jiló, chuchu, brócolis e couve-flor.
O horticultor mostrava cada canteiro ao neto, Júnior, explicando como era a semeadura e o cultivo de cada planta. Em frente aos pés de morango, fizeram uma pausa e se alimentaram da fruta recém-colhida.
Quando pararam diante do canteiro de repolhos, o senhor Romeu falou para o neto:
- Sabia que nós temos que crescer como o repolho?
- Como assim? - quis saber o neto.
- Olhe como é uma verdura bonita! - disse Romeu, passando a mão nas folhagens externas de uma cabeça de repolho.
Depois, apontando para o bulbo que existia no meio dela, disse:
- Ele cresce de dentro pra fora. Nós não nos alimentamos com as folhas externas, pois a melhor parte está dentro dele.
Romeu virou-se para o neto e concluiu:
- Júnior, Deus quer nos transformar de dentro para fora. Deixe que Ele tra­balhe sempre em seu coração, para que o seu interior se fortaleça e transpareça em sua vida.
Vivemos em um mundo que valoriza muito o exterior. Há pessoas que lu­tam para parecerem convertidas, mas o coração não pertence verdadeiramente ao Senhor. Sentem-se frustradas, pois não conseguem se entregar a Deus por completo, apesar da aparência de bondade que possuem. Elas erram por tentar crescer de fora para dentro.
É preciso abrir o coração e permitir que o Espírito Santo faça morada nele. Assim, Ele desenvolverá em nós a frutificação espiritual que proporcionará cres­cimento saudável. Quando você olhar para um repolho, lembre-se disso!

Vergonha
Pois, se alguém tiver vergonha de Mim e do Meu ensinamento, então o Filho do Homem também terá vergonha dessa pessoa, quando Ele vier na Sua glória e na glória do Pai e dos santos anjos. Lucas 9:26
Os colegas da escola de futebol gostavam muito de Rafael. Ele era um garoto simpático e fazia amizade com todos. Além disso, jogava muito bem.
Contudo, Rafael se enturmava até certo ponto. Não saía com o pessoal de­pois do treino e não participava de algumas conversas, especialmente aquelas em que os amigos começavam a falar de um modo desrespeitoso sobre as mulheres. Uma turma se reunia para ir aos bares perto do clube. O grupo jogava sinuca e convencia os donos a vender cerveja e cigarro para eles. Alguns amigos de Rafael estavam seguindo essa prática, e ele, embora não os acompanhasse, não tinha coragem para aconselhá-los a deixarem isso.
Certa tarde, Rafael foi novamente convidado para sair com eles. Quando recusou, um dos amigos lhe disse:
- Você até parece "crente"! Nunca sai com a gente.
Naquele momento, Rafael sentiu vontade de dizer que realmente frequentava uma igreja, e que o caminho que eles estavam escolhendo não era o melhor, No entanto, apenas sorriu e não disse nada, pois tinha vergonha de compartilhar suas convicções.
Você já sentiu medo de ser ridicularizado por defender suas crenças? Já sen­tiu receio de ser excluído de um grupo por declarar sua fé?
O reformista Martinho Lutero disse: "Você não é somente responsável pelo que diz, mas também pelo que você não diz." Não podemos nos acovardar dian­te de pessoas que precisam ouvir as verdades sobre Deus. Não podemos escon­der o evangelho e viver o cristianismo apenas quando estamos com a família ou com os amigos da igreja. O evangelho deve ser nosso estilo de vida. Deve fazer parte da nossa conduta e estar presente em nossos diálogos com crentes ou descrentes.
Não tenha vergonha de declarar que pertence ajesus. Não tema defender sua fé. Esteja sempre disposto a ajudar seus amigos a encontrar o caminho certo. Lembre-se das palavras de Cristo: "Se uma pessoa afirmar publicamente que pertence a Mim, Eu também, no Dia do Juízo, afirmarei diante do Meu Pai, que está no Céu, que ela pertence a Mim" (Mateus 10:32).

Quem você está ouvindo?
O pecado fala ao perverso lá no fundo do seu coração, O perverso não aprende a temer a Deus. Salmo 36:1
O grupo de Joana era composto por garotos e garotas estudiosos e empenha­dos nos programas da igreja que frequentavam. Todavia, ela conheceu uma amiga no colégio que lhe apresentou uma turma totalmente diferente.
Aos poucos, Joana se interessou pelos assuntos e pelo jeito de viver desse pessoal que não tinha compromisso com a escola. Eles ficavam até altas horas na rua, planejando maneiras de burlar as regras familiares. Riam de tudo e de todos, ridicularizando quem era diferente deles. Para aquele grupo, os regula­mentos serviam para ser quebrados, e a vida era para ser vivida como se não houvesse consequências para seus atos.
Os amigos mais antigos de Joana notaram que ela estava mudando. Uma garota conversou com ela e, quando a ouviu falar sobre suas novas amizades, advertiu:
- Esse pessoal é mau. Acho melhor você se afastar deles ou, daqui a pouco, estará agindo como eles.
Em outra ocasião, uma "amiga" do novo grupo de Joana falou:
- Deixe a sua igreja, "Jô". Nela só tem gente esquisita e ultrapassada. Nós aqui fazemos o que queremos, sem ninguém ditar regras. Somos livres!
Duas vozes soavam na mente de Joana, e ela só podia fazer uma escolha. A voz do pecado era convidativa e lhe tocava no fundo do coração. Felizmente, ela ouviu o conselho de seus velhos amigos, ignorou a voz maligna e voltou a viver conforme a orientação divina.
Você já recebeu convites do pecado? Assim como servos de Deus tentam nos ajudar, os filhos das trevas também batem à nossa porta, fazendo promes­sas sedutoras. Às vezes, o maligno se disfarça com uma boa aparência, mas precisamos entender que ele só tem uma finalidade: destruir a nossa vida.
O inimigo argumenta que o cristão é um prisioneiro, pois não pode fazer nada. Porém, a Bíblia é bem clara ao dizer que onde "o Espírito do Senhor está presente, aí existe liberdade" (2 Coríntios 3:17).
Por isso, não dê ouvidos a Satanás, pois ele quer escravizá-lo. Lembre-se de que a verdadeira liberdade está em Jesus Cristo!

O grande golpe
Mas a cobra afirmou: - Vocês não morrerão coisa nenhuma! Deus disse isso porque sabe que, quando vocês comerem a fruta dessa árvore, os seus olhos se abrirão, e vocês serão como Deus, conhecendo o bem e o mal. Gênesis 3:4, 5
Era bom demais para ser verdade, Larissa segurava em suas mãos um bilhete de loteria premiado que uma velha senhora lhe havia entregado enquanto transitava por uma praça da cidade.
- Eu preciso de ajuda, pois não entendo bem disso - disse a velhinha ao lhe dar o cupom.
Outro rapaz apareceu para ajudá-la e, ao conferirem os números sorteados, cochichou-lhe aos ouvidos:
- Essa mulher é milionária e ainda não sabe.
Então, eles explicaram que ela havia acertado a sequência. A senhora abaixou a cabeça e disse:
- Mas eu não sei como sacar esse dinheiro. Por favor, ajudem-me e eu dividirei o prêmio com vocês.
O rapaz ficou animado, e Larissa também. Seria incrível ganhar um terço de todo aquele dinheiro!
- Vocês prometem que não vão me enganar? - perguntou a idosa - Vocês podem me dar alguma garantia?
- Eu tenho uma boa quantia em uma minha conta bancária - disse o rapaz. - Eu lhe entrego esse valor para que senhora confie em mim.
Larissa tinha em sua conta quase o suficiente para comprar um carro zero e foi convencida a fazer o mesmo que o rapaz. Ela correu para sacar o dinheiro que estava guardando para comprar o tão sonhado carro. Assim que entregou a quantia, a mulher e o rapaz se misturaram à multidão que transitava pela praça e, de repente, sumiram. Momentos depois, Larissa percebeu que havia caído em um golpe de estelionatários e que trocara o sonho de um carro novo pela ilusão de ser milionária.
Satanás fez algo parecido com Eva. Ao apresentar-lhe a possibilidade de "ser como Deus", ele a convenceu a trocar a vida eterna pela ilusão de alcançar uma experiência que jamais ocorreria. Essa é a especialidade do inimigo: trocar verdades por ilusões.
Em sua jornada cristã, Satanás lhe oferecerá muitos "bilhetes premiados fal­sos". Não caia em seus golpes. Desfrute os sonhos que Deus tem para você e não se deixe iludir pelas promessas mentirosas do diabo.

Mais que meros ouvintes
Não se enganem; não sejam apenas ouvintes dessa mensagem, mas a ponham em prática. Tiago 1:22
Marcel frequentava a igreja de seu bairro havia um ano. Ele gostava muito das mensagens e, principalmente, dos estudos da Bíblia que os membros faziam nos primeiros momentos do culto.
Em diversas ocasiões, os sermões falaram ao seu coração, trazendo ânimo, conforto e revigorando sua vontade de viver. A comunidade era calorosa e o re­cebeu muito bem, inclusive convidando-o a participar de almoços na casa dos irmãos da igreja. Todos se empenhavam ao máximo para que ele se sentisse à vontade. A liderança jovem sempre solicitava a participação dele em programa­ções mais descontraídas.
Marcel se relacionava com todos da igreja e já conhecia muito sobre as dou­trinas daquele grupo. Ele compreendia a salvação vinda do sacrifício de Jesus; porém, não abandonava velhos hábitos, como frequentar bares e ingerir bebidas alcoólicas.
- Por que você não toma uma decisão definitiva? - perguntou-lhe um amigo da igreja. - Você já conhece nossa doutrina e se dá bem com todo mundo. Você sabe o que Jesus fez para nos salvar. Por que não decide ser membro de nossa comunidade e viver o cristianismo por completo?
- Eu gosto das pregações - disse Marcel, - mas não quero fazer tudo o que os pastores pregam.
Marcel queria ouvir a mensagem, mas não estava disposto a praticá-la. Isso acontece até mesmo com cristãos batizados. Eles gostam do que a igreja oferece, como as pregações, boa música, ótimas programações, viagens com corais e acam­pamentos de jovens; porém, não querem executar as verdades que aprendem.
Ellen White disse que "a religião que não é prática, não é genuína. A ver­dadeira conversão nos torna estritamente honestos em nosso trato com os se­melhantes. Torna-nos fiéis em nosso trabalho diário. Todo sincero seguidor de Cristo demonstrará que a religião bíblica o habilita a usar seus talentos no servi­ço do Mestre" (Mensagens aos Jovens, p. 72).
É preciso fazer mais que simplesmente frequentar uma igreja. É imprescin­dível que coloquemos em prática os ensinos do evangelho de Cristo. Lembre-se da orientação do apóstolo Paulo: "Porque as pessoas que Deus aceita não são aquelas que somente ouvem a lei, mas aquelas que fazem o que a lei manda"

Pai e Filho
Porque Deus amou o mundo tanto, que deu o Seu único Filho, para que todo aquele que nEle crer não morra, mas tenha a vida eterna. João 3:16
Depois de uma tentativa frustrada de roubo, os assaltantes, acuados, renderam Marcos, um dos filhos do proprietário da casa, A polícia foi chamada e, em pouco tempo, cercou o imóvel. Nervoso, o garoto sofreu uma crise asmática, o que aumentou ainda mais o medo diante daquela situação. Os policiais tenta­ram negociar a soltura do menino, mas os bandidos estavam irredutíveis.
Depois de horas de conversação, um dos assaltantes disse que trocaria Marcos por Maycon, o irmão mais velho, que aparecia nas fotos de família espalhadas pela casa.
- Como poderia trocar um filho por outro? - disse o pai, que acompanhava o trabalho da polícia.
- Marcos vai morrer se eu não for - Maycon argumentou ao seu lado. - A crise de asma pode ser fatal se ele não for medicado logo.
Pai e filho conversaram e não conseguiram encontrar outra alternativa. Não podiam mandar outra pessoa, pois os bandidos reconheceriam o substituto. Toma­ram a decisão e, depois de um longo abraço, Maycon caminhou em direção à porta da casa para que a troca fosse feita. O pai estava enviando um filho para salvar outro.
Eles não sabiam que a polícia usaria aquele momento como distração para tentar um resgate. Foi tudo muito rápido, com movimento de policiais e es­tampidos de tiros. Após essa ação, o resultado foi a libertação de Marcos, a pri­são de um assaltante e a morte do outro que, antes de ser atingido, conseguiu disparar um tiro contra Maycon.
Os dois irmãos foram levados para o hospital. Enquanto Marcos era tratado de sua crise asmática, Maycon recebia cuidados em razão do tiro que recebera. No fim, ambos foram salvos. Quando tudo passou, Maycon disse:
- Se tivesse sido fácil, não se chamaria "sacrifício"!
Na plenitude dos tempos (Gálatas 4:4), o Pai Celeste enviou seu único Filho, Jesus, para resgatar seus filhos terrestres das garras de Satanás. Jesus aceitou vir para assumir o lugar da raça humana. Ele sofreu a pena de morte que havia sido sentenciada contra nós.
Cristo foi humilhado e açoitado. Carregou a cruz e nela foi sacrificado para arcar com a culpa por nossos pecados. O Pai permitiu que Jesus nos substituísse. Esse é o amor que Pai e Filho têm por todos. Aproveite hoje para agradecer ao Senhor e renovar sua aceitação do sacrifício que o habilita à vida eterna.


Deus cuida de você
Até os fios dos cabelos de vocês estão todos contados. Não tenham medo, pois vocês valem mais do que muitos passarinhos! Lucas 12:7
A quimioterapia começaria na próxima semana, mas Mariana queria adiantar a preparação que antecedia ao tratamento de seu câncer. Com seu pai, foi a um salão de beleza. Após um tempo de espera, a cabeleireira perguntou:
- Como você deseja que eu corte seu cabelo?
- Quero que raspe tudo - Mariana disse, tentando sorrir.
A mulher ficou sem reação, apenas segurando a tesoura nas mãos.
- É para um tratamento médico - o pai explicou. - Pode raspar. Estamos preparados.
Entendendo a delicadeza da situação, a profissional começou cortando os longos fios, conversando descontraidamente. Ela explicou que apararia de um jeito especial e reservaria todo o cabelo para que ela pudesse fazer uma prótese capilar natural, vender ou guardar como lembrança. Quando Mariana percebeu, a mulher já estava passando a máquina para raspar o que havia sobrado.
- É melhor assim - a cabeleireira explicou. - Se você não raspar, a quimiote­rapia pode gerar, aos poucos, a queda de todo o seu cabelo. É mais aconselhável tirar tudo de uma vez.
Quando terminou, Mariana passou a mão na cabeça, olhou para o resulta­do no espelho e, dessa vez, conseguiu sorrir. Quando viu o chumaço de cabelo cortado, o pai lhe disse:
- Fique firme, filha. Nosso Deus sabe quantos fios de cabelo temos na cabeça. Ele cuidará de você durante todo o tratamento.
E cuidou mesmo, pois Mariana, apesar do difícil caminho percorrido, foi curada.
Nós temos um Deus maravilhoso, que atenta para os nossos passos e nos ampara em todos os momentos, principalmente nas horas de dor e desespero. O salmista disse: "Tu sabes como estou aflito, pois tens tomado nota de todas as minhas lágrimas. Será que elas não estão escritas no teu livro?" (Salmo 56:8). E incrível saber que o nosso Senhor conta nossas lágrimas!
O Senhor sabe quantos fios de cabelo tem em sua cabeça. Ele conta suas lágrimas quando você chora. Nos momentos difíceis, lembre-se de que Deus cuida de você!

Evangelho
Eu passei para vocês o ensinamento que recebi e que é da mais alta importância: Cristo morreu pelos nossos pecados, como está escrito nas Escrituras Sagradas; Ele foi sepultado e, no terceiro dia, foi ressuscitado, como está escrito nas Escrituras. 1 Coríntios 15:3, 4
Na úmida prisão, o criminoso preparava-se para morrer. Era ladrão e assassi­no, e havia sido condenado à morte pela justiça romana. Estava totalmente consciente de que não teria qualquer chance de viver e tentava, pelo menos, en­contrar alguma dignidade para enfrentar a sentença de crucificação.
- Venha! - disse um soldado abrindo o cárcere e puxando-o pelas correntes que o prendiam pelos pulsos,
O ladrão foi levado por corredores de pedra e podia ouvir os gritos de uma multidão, "Mudaram minha sentença", ele pensou. "Vão me matar apedrejado!" O soldado empurrou-o para o pátio de onde vinha a gritaria, e a luz do sol cegou o assassino por um momento. Repentinamente, ele ouviu uma voz ao seu lado perguntando à multidão:
- Quem é que vocês querem que eu solte, Barrabás ou Jesus? (Mateus 27:17).
Barrabás sabia qual era a resposta. Ninguém preferiria soltar um homem como ele e crucificar qualquer outra pessoa. Todavia, para sua surpresa, o povo gritou:
- Nós queremos que solte Barrabás! (João 18:40).
A visão do ladrão foi se habituando à claridade, e ele pôde ver ao seu lado Pilatos, o governador romano que fez a pergunta ao povo. Um pouco mais atrás, estava Jesus, aquele que assumiria seu lugar.
"Jesus mal tinha passado o portão da casa de Pilatos quando a cruz preparada para Barrabás foi deposta sobre Seus feridos e ensanguentados ombros. Cruzes também foram colocadas sobre os companheiros de Barrabás, que deviam sofrer a morte ao mesmo tempo em que Jesus. O Salvador havia conduzido Seu fardo apenas uns poucos passos quando, devido à perda de sangue e excessiva fraqueza e dor, caiu desmaiado ao solo" (Ellen G. White, História da Redenção, p. 220).
Jesus não substituiu apenas Barrabás. Ele morreu para salvar cada um de nós, mesmo sem merecermos.
Esta é grande revelação do evangelho: todo homem é pecador; porém, Jesus é o Salvador. Ele morreu como nosso substituto, assim como morreu no lugar de Barrabás. Cristo não apenas deu Sua vida, mas ressuscitou, voltou ao Céu e um dia retornará para nos resgatar. Aceite essa mensagem e tenha vida eterna!

Novo coração
Ó Deus, cria em mim um coração puro e dá-me uma vontade nova e firme! Salmo 51:10
Nos meses de junho e julho de 2013, diversas manifestações populares ocorreram por todo o Brasil. Tudo teve início com o aumento no preço da passagem de ônibus circulares na região metropolitana de São Paulo. Por meio de uma rápida mobilização nas redes sociais, jovens saíram às ruas para protestar.
As manifestações ganharam grande vulto, pois todos se deram conta de que aquele movimento não era apenas pelo aumento. O povo insatisfeito começou a listar os motivos de seu descontentamento, que incluía o alto índice de corrup­ção no Brasil e o descaso dos governantes com os contribuintes.
"O gigante acordou", diziam as imagens publicadas na internet. Os jornais noticiaram o avanço dos protestos que duraram vários meses, e os políticos es­boçaram o início de algumas reformas reivindicadas pela população.
O que mais me marcou nessas manifestações foram os comentários que di­ziam ser impossível mudar a nação sem antes mudar as atitudes individuais de cada um. A esse respeito, Mahatma Gandhi disse: "Você tem que ser o espelho da mudança que está propondo. Se eu quero mudar o mundo, tenho que come­çar por mim." A mesma ideia é verificada na seguinte frase do jornalista irlandês George Bernard Shaw: "Não há progresso sem mudança. E, quem não conse­gue mudar a si mesmo, acaba não mudando coisa alguma."
Não há como mudar a história de sua nação se você não quiser mudar a si mesmo. Não adianta o povo clamar por honestidade, se ele continua praticando atos como "furar" fila, oferecer propina, infringir leis de trânsito, roubar sinais de TV por assinatura ou de internet, sonegar impostos, entre outros atos ilícitos.
"Em todos os pormenores da vida devem ser mantidos os mais estritos prin­cípios de honestidade. Não são estes os princípios que governam o mundo, pois Satanás - o enganador, mentiroso e opressor - é o patrão, e seus súditos o se­guem e executam seus propósitos. Os cristãos, porém, servem sob um Senhor diferente, e seus atos têm de ser efetuados segundo Deus, independentemente de todo o ganho egoísta" (Ellen White, Mente, Caráter e Personalidade, v. 2, p. 437). Se você deseja mudanças, comece clamando para que Deus lhe dê um novo coração, pois só assim uma verdadeira revolução será realizada.

Debates
Os maus provocam discussões, e quem fala mal dos outros separa os maiores amigos. Provérbios 16:28
O debate estava acirrado. Paulo entrou em um grupo de discussão a respeito de existência ou não da divindade. Havia bons argumentos na pauta, e ele esta­va defendendo a existência do Deus revelado na Bíblia, bem como Sua atuação na criação do Universo e da humanidade.
Sendo conhecedor de vários argumentos, o jovem cristão apresentou bons fundamentos da física, filosofia, biologia e da geologia. A conversa estava em alto nível, pois ambos os lados mantinham respeito mútuo, discutindo apenas as ideias expostas.
Entretanto, em determinado momento, um dos oponentes virtuais co­meçou a apontar erros ortográficos em um ou outro post de Paulo. Também passou a chamá-lo de ignorante, chegando a comentar que ele era tolo por acre­ditar em Deus. A discussão saiu da esfera dos argumentos e passou para os ataques pessoais.
Por um minuto, Paulo sentiu vontade de reagir da mesma forma. Quis usar dos mesmos recursos baixos que seu adversário. Poderia facilmente ofendê-lo, pois ele também havia cometido alguns deslizes ortográficos na longa discus­são que estavam mantendo. Seria igualmente fácil achar qualquer brecha para insultá-lo diretamente.
Contudo, Paulo lembrou-se de uma frase do filósofo francês Paul Valéry: "Quem não pode atacar o argumento ataca o argumentador." Lembrou-se, tam­bém, do que disse outro filósofo, Arthur Schopenhauer: "Um insulto supera qualquer argumento."
Aparentemente, o oponente de Paulo estava sem argumentos; por isso, partiu para as ofensas pessoais. O jovem cristão deu por encerrada a discussão, pois já havia deixado bem clara - e bem fundamentada - sua opinião a respeito daquele tema. Não precisava atacar a honra de seu rival e, muito menos, fazer aponta­mentos sobre sua ortografia, já que essa não era a essência do debate.
Se um dia você se encontrar em uma situação semelhante, saiba que se seu oponente começar a ofendê-lo é possível que ele esteja sem argumentos para manter a discussão. Não caia nessa cilada. Mantenha o nível, discutindo as ideias e jamais faça ataques pessoais.

Humor ácido
Portanto, abandonem tudo o que é mau, toda mentira, fingimento, inveja e criticas injustas, 1 Pedro 2:1
Sempre havia uma piada pronta na boca de Otávio. Seu alvo eram os cole­gas de sala, os professores ou a equipe da administração escolar. Ninguém escapava.
Todos ficavam atentos para não cometer nenhuma gafe, por menor que fos­se, pois Otávio estava preparado para derramar seu humor ácido sobre qualquer erro cometido. Um movimento em falso poderia virar piada na língua afiada do "humorista" da sala.
Otávio tinha uma inteligência acima da média e a utilizava para compor gra­cinhas sutis e bem elaboradas. O resultado eram gargalhadas de quem o ouvia, menos da vítima. Geralmente essa pessoa era rebaixada, criticada, ridiculariza­da e menosprezada na piada. Essa forma de humor era uma maneira de Otávio se mostrar "superior" a todos, pois ninguém conseguia lhe dar resposta à altura. Quando tentavam, o garoto sempre tinha outra resposta ainda mais ácida. Com isso, ele mantinha seu império de humor crítico.
Esse cenário só diminuiu um pouco quando todos de seu grupo passaram a ser vítimas de suas piadas e, com isso, tornaram-se avessos a tudo o que ele falava. Com o tempo, os colegas nutriram repulsa por Otávio e não riam da­quilo que ele falava, pois seu humor apenas ofendia, ironizava, ridicularizava e criticava quem estava ao redor.
Madre Teresa de Calcutá disse que as críticas são orgulho dissimulado. Ela acrescentou: "Uma alma sincera para consigo mesma nunca se rebaixará à crítica. A crítica é o câncer do coração." O mesmo pode ser falado a respeito desse tipo de humor que zomba dos outros. Algo engraçado não precisa expor ninguém ao ridículo, pois é possível ser cômico sem menosprezar uma pessoa ou um grupo.
Não satirize seus amigos, pois você poderá ofendê-los. Quando ouvir gra­cejos assim, procure não se juntar ao coro daqueles que riem; pois, dessa forma, você também contribuirá para ferir alguém.

Carregando cargas
Louvado seja o Senhor, que dia a dia leva as nossas cargas! Deus é a nossa salvação. Salmo 68:19
Nelinho estava acostumado com mudanças. Quando o pai recebia uma nova proposta de melhoria na carreira de bancário e aceitava, lá ia o garoto ajudar a organizar as caixas de transporte. Foi assim em seus primeiros treze anos de vida, período em que morou em seis cidades diferentes. Ele não gostava muito disso, principalmente, de deixar os amigos para trás. Tentando consolá-lo, o pai dizia: "Essa é a nossa vida."
O garoto compreendia e tentava não demonstrar insatisfação; pois, de fato, seu pai era um homem trabalhador e que fazia muitos sacrifícios pela esposa e pelos filhos. Mesmo assim, o garoto não se sentia obrigado a gostar de tantas mu­danças. A pior parte desse processo era ajudar a carregar a mobília da casa para ser transportada ao novo endereço. Em algumas vezes, uma empresa especializa­da foi contratada; mas, mesmo assim, sempre sobrava algo para Nelinho carregar. E não foi diferente daquela vez. Ele e o irmão precisaram ajudar a descarregar os móveis na casa nova.
Seria uma tarefa para um domingo inteiro, pois eles não conseguiram con­tratar um carregador para auxiliar no desembarque. No entanto, para a surpresa de todos, os novos vizinhos se ofereceram para ajudá-los na missão. O pai e seus dois filhos adolescentes se apresentaram, entraram no caminhão e começaram a ajudar no descarregamento sem reclamar do peso ou dos alertas da mãe de Nelinho: "Cuidado, meninos, este é um móvel delicado." O trabalho ficou muito mais leve - e divertido - com a ajuda dos novos amigos.
Você já tentou realizar sozinho uma tarefa difícil? Já se arriscou a carregar algo pesado e não conseguiu? É bom ter amigos que se disponham a levar a nossa carga, ajudando-nos nessas horas. Isso também se aplica aos momentos difíceis, quando alguém nos ajuda a suportar as nossas dificuldades, nos ouvin­do e aconselhando.
Mais que amigos, temos Deus que nos apoia e leva nossos fardos. Jesus nos faz um convite muito especial em Mateus 11:28: "Venham a Mim, todos vocês que estão cansados de carregar as suas pesadas cargas, e Eu lhes darei descanso." Quando você precisar de auxílio para carregar suas dores e angústias, tenha cer­teza de que Deus estará pronto a ajudá-lo.


Inspiração Juvenil

Cada Dia uma Nova História - Denis Cruz

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário