13 de agosto de 2015

Família. E agora?

Mentira, briga, intriga, disputa, traição e atentados vindos de quem deveria lhe amar e proteger arrasam o  seu coração. Muitos estão perambulando pelas ruas, abandonados, incompreendidos e solitários. Ricos e pobres dependem da estrutura familiar para serem o que são. Cada um tem sua história, e todos sonham com um lar feliz; uma família equilibrada. Você orgulha-se de pertencer a sua família?
A partir da união de duas pessoas nasce uma família, e daí o mundo. Com a junção, a concepção e o nascimento, o ciclo familiar se expande e as dificuldades surgem naturalmente. Quanto mais gente, mais problemas. Nesse universo de diversidades, personalidades e caracteres você é único. Mãe, pai, avós, irmãos e demais membros devem formar um grupo familiar, lugar onde todos são amados e respeitados. Mas por que o lar está deixando de ser o melhor lugar?
Inveja, ódio, mentira e morte perseguem e destroem muitos relacionamentos selados perante testemunhas. As promessas juradas, de coração a coração, são deixadas de lado e a discórdia leva a loucura. Olhe para a família, veja o mundo. Acabando com a essência familiar colocamos em risco o futuro do planeta. Um casal ainda é responsável pelos frutos desta terra.
Suportar uns aos outros não é fácil. Trabalhar as diferenças é desafiador. A convivência entre pessoas é um dos mais importantes exercícios de paciência, tolerância, fé. É esperado dos filhos da Misericórdia, mais amor e perdão. Geralmente os casamentos são feitos entre um homem e uma mulher nascidos e crescidos em lugares e costumes diferentes. São unidos pelo desejo de construir uma família.
A família é atacada desde o gênesis, desde que barro virou costela. A banalização do sexo, a inversão de valores, o consumismo e a era dos relacionamentos descartáveis nos remete a uma reflexão: Os conflitos familiares enfraquecem o individuo a ponto do mesmo desobedecer às leis da felicidade. O abuso, a violência, os atritos são herança maldita que não precisamos receber. Tristeza, dor e sangue acompanham a história da humanidade. Quando alteramos os planos de amor, sofremos conseqüências terríveis, gerações são prejudicadas.
No passado um irmão assassinou outro, e não ficou só nisso. Filhos se voltaram contra pais, e esses guerrearam entre si. Fomos longe demais, quebramos a aliança, nos divorciamos. Perdemos a paz, a harmonia, a comunhão. Contrações, choro, e suor passaram a fazer parte da vida. A tranqüilidade edênica foi guardada e tivemos que passar pela caótica Babel, pela descrença do dilúvio e pelas experiências do deserto. Assumir suas origens parece uma praga, um castigo. Envergonhado você pergunta: E agora? Sei de alguém que conhece bem você e sua família, é possível melhorar consideravelmente a situação.
Não permita que nada, ninguém, destrua os vínculos familiares. Porém, devo lembrar que deixei pai e mãe e me tornei uma só pessoa. O meu cônjuge também. Ter a sua privacidade preservada, o seu canto, as suas coisas, e lutar as suas batalhas ao lado de quem escolheu para esse fim, é o início de um final feliz. Como inicia e a forma que é conduzido um relacionamento, é possível imaginar o seu desenvolvimento. O ponto principal de unidade deve ser o Instituidor da família. A visão que você tem a respeito dele influencia no modo que trata seus semelhantes. Observe como ele se vê: “Eu sou o Senhor! Eu tenho compaixão e misericórdia, não fico irado com facilidade, e a minha fidelidade e meu amor são tão grandes, que não podem ser medidos”. O Verbo Vivo é o seu melhor exemplo de ação.
O Eterno que une e ninguém separa, aquele que fez o milagre da transformação no casamento de Caná, o primo de João Batista, o filho de José, o irmão de Tiago, sabe o que é ter e perder uma família. Jesus, aos doze anos, foi esquecido. Os pais, ao retornarem para casa, pensavam que o menino estivesse no grupo de pessoas que vinha voltando e por isso viajaram o dia todo. Então começaram a procurá-lo entre os parentes e amigos. Todos os anos, as famílias participavam da festa da páscoa em Jerusalém.
Lembre-se do Mestre a todo instante, sinta falta dele. Você faz parte da família do Messias. Seu amor nos une e sua Graça nos basta. A família de Cristo é composta por mulheres e homens que fazem a sua vontade. Jesus pode salvar você e a sua família, como fez com a de Noé, Ló, Raabe, José, Nicodemos, Zaqueu e Josué. Esse último declarou publicamente: “Eu e a minha família serviremos a Deus, o Senhor”.
Quem é o número um de sua casa? Na hora que a tribulação bate a porta, de onde vem o socorro? Cuide de sua família, pois, o Criador lhe pedirá conta da mesma. Seja presente com qualidade, valorize cada integrante, não permita que maldição alguma entre em seu lar. Dê aos seus parentes tudo que gostaria de receber. A família nasceu no coração de Deus, está em Suas mãos e sempre existirá. Você não é órfão. O Pai nosso te ama!
Êxodo 34:6  | Lucas 2:41 | Marcos 3:35 | Lucas 19:9 | Josué 24:15

J.Washington F. Alves
Jornalista e radialista
Conheça a série completa em: www.fazbem.com
Extraído do livro: E agora? A pergunta da vida.
http://ofimdomundo.com.br/familia-e-agora/

Nenhum comentário:

Postar um comentário