Pular para o conteúdo principal

Pornografia: um novo e poderoso tipo de droga

Destruindo mentes e vidas
Tomografias computadorizadas atestam: a pornografia e a masturbação alteram o funcionamento do cérebro humano e podem causar dependência. Não é exagero. A pornografia é realmente um novo tipo de droga, tanto quanto a cocaína ou a heroína. As descobertas obtidas nesse campo são bem recentes – começaram nos últimos 15 anos –, seja porque as alterações identificadas no cérebro são sutis, seja porque o fenômeno da internet de alta velocidade – que fez espalhar a pornografia com muito mais força – também é algo relativamente novo. De fato, com essa ferramenta em mãos, um jovem é capaz de assistir, durante uma hora, a mais cenas de sexo do que os nossos antepassados podiam ter acesso durante toda a sua vida. O problema é que Deus não criou o ser humano para isso. É fora de dúvida que o sexo é uma realidade boa, mas aquilo que se vê na pornografia, além de ser um simulacro, uma montagem, deixa profundas impressões no cérebro das pessoas, causando nelas feridas tão ou até mais danosas que as deixadas pelas drogas. Mas como isso acontece?

[O mecanismo de recompensa], que pode ser chamado de “circuito da recompensa”, atua da mesma forma quando, hoje, um jovem vai ao McDonald’s e devora um sanduíche hipercalórico. Trata-se de um prazer associado a uma função vital do ser humano.

Também o prazer venéreo está associado a uma função humana vital, que é a perpetuação da espécie. No entanto, a carga de dopamina lançada no cérebro em uma relação sexual é muito maior que a liberada durante uma refeição. Assim, se as pessoas são capazes de desenvolver um verdadeiro vício com a comida – chegando a ter problemas de obesidade –, que dizer do compulsivo “sexo virtual” estampado pela pornografia?

Na “caçada virtual” – a qual exige muito menos esforço para ganhar uma recompensa muito mais satisfatória –, a cada clique, a cada janela aberta, a cada vídeo a que se assiste, uma alta quantidade de dopamina é jogada no cérebro. Da base, passando pelo núcleo accumbens, até o lobo frontal, quanto mais se consome, mais se quer. Porém, assim como no consumo da cocaína, as outras descargas de dopamina nunca são iguais ao “primeiro pico”. Por que isso acontece?

Porque o cérebro está tentando se proteger. Quando uma pessoa começa a liberar dopamina em excesso, os receptores dos neurônios identificam o perigo e começam a bloquear a passagem do neurotransmissor. Com as “janelas” dos neurônios fechadas, passa menos substância e, portanto, menor é o prazer. É por isso que quem consome cocaína – assim como quem consome pornografia – não consegue mais atingir o prazer que alcançou no início. Ora, fica claro que o ser humano, definitivamente, não foi feito para consumir sexo a esse ritmo frenético e obsessivo.

São visíveis, no dia a dia, as consequências desse vício. Aquelas atividades comuns e prazerosas que fazem parte do cotidiano – como encontrar um amigo, rezar, comer, estar com a família, contemplar uma obra de arte, etc. – começam a ficar sem graça. Com os receptores bloqueando a passagem de dopamina, nem suas menores quantidades são capazes de animar ou levantar a pessoa, para a qual tudo se torna chato, entediante e depressivo. E, no entanto, toda essa situação poderia ter sido evitada, se, desde o começo, o jovem agora dependente tivesse se decidido pela castidade.

Outra descoberta também recente e importante do mundo da ciência é a chamada “plasticidade neuronal”. Estudos descobriram que estímulos direcionados tendem a fazer como que uma “trilha” no cérebro: o órgão aprende caminhos que vão se repetindo e, pouco a pouco, alteram a própria forma que o indivíduo tem de enxergar os outros. Isso explica o fato de muitos não conseguirem lidar com as pessoas senão sob o aspecto sexual. Explica também o curioso fenômeno de disfunção erétil entre jovens nos Estados Unidos. Acostumados com estímulos visuais, os adictos em pornografia modelaram seu cérebro para o sexo tal como retratado nos vídeos pornô. Como consequência, não conseguem sequer ter uma ereção em um relacionamento sexual de verdade – no qual contam coisas muito mais importantes que o sentido da visão.

Novos estudos também mostram como é cada vez mais precoce a exposição à pornografia. Nos Estados Unidos, por exemplo, a média de idade com que se entra em contato com o mundo pornográfico é de 11 anos. Nessa faixa etária, o cérebro humano é extremamente moldável e sua alta “plasticidade” torna os jovens reféns das mentiras exibidas nos vídeos pornô. Como consequência, acontecem as tragédias. Nosite Your Brain On Porn [“Seu Cérebro na Pornografia”], são inúmeros os testemunhos de adolescentes falando de problemas como impotência sexual, depressão, pensamentos suicidas, síndrome do pânico, déficit de atenção, etc.

Para quem já está assustado com todas as consequências dessa droga, importa identificar os principais sintomas do vício em pornografia. São três:

1. O adicto já tentou parar e não conseguiu.
2. O adicto já está começando a ter dificuldades com isso (no emprego, na escola ou na faculdade, por exemplo).
3. O adicto gasta um tempo enorme com esse tipo de material.

Constatada a adição, o que fazer? Uma boa notícia é que a neuroplasticidade é reversível. A readequação do cérebro, no entanto, leva tempo, e o caminho para sair do vício é praticamente o mesmo dos ex-usuários de drogas, incluindo suas síndromes de abstinência.

O primeiro passo a ser dado, todavia, é reconhecer a própria dependência, a escravidão para a qual essa droga o arrastou. Na recuperação, não vale ceder a falsas consolações, alegando que, em matéria de pornografia e masturbação, “todo mundo faz”. (Infelizmente, é verdade, todos fazem mesmo: um grupo de pesquisadores canadenses quis procurar os efeitos da pornografia em jovens universitários, mas, na falta de um grupo de controle – isto é, de jovens que não assistiam a material pornográfico –, não conseguiu realizar a pesquisa, tão grave está a situação da humanidade. Ou seja, ninguém sabe mais como é um ser humano normal, porque a vida dos jovens é uma constante busca de recompensas venéreas, e o sexo, que deveria gerar a vida, está gerando a morte.) Todavia, embora o consumo dessas drogas seja comum, não é algo normal, o ser humano não foi feito para isso.

A oxitocina, um dos hormônios presentes na relação sexual, responsável por criar empatia e união entre as pessoas, mostra que o ser humano foi feito para amar, para estar com os outros, não para viver na solidão, em frente a uma tela de computador. Por isso, quem quer se libertar do vício da pornografia e da masturbação, além de mudar radicalmente seu estilo de vida, precisa entrar em contato com as pessoas e buscar ajuda, verdadeiramente. Nessa caminhada de autêntica desintoxicação, ninguém está sozinho. Com a ajuda [de Deus] e dos cristãos que combatem nesta Terra, todos podem restaurar sua integridade.

(Pe. Paulo Ricardo)

Bibliografia:
Wired for Intimacy: How Pornography Hijacks the Male Brain, William M. Struthers
Your Brain on Porn: Internet Pornography and the Emerging Science of Addiction, Gary Wilson
Fight the New Drug

Comentários

Postagens mais antigas

O Verdadeiro Tesouro Mateus 6: 19 a 21

Itamar de Paula Marques

19 - Não ajunteis para vós tesouros na terra, onde a traça e o caruncho os corroem e onde os ladrões arrombam e roubam. NÃO AJUNTEIS PARA VÓS TESOUROS - Literalmente: não sigais fazendo tesouros ou deixai de fazer tesouros. A acumulação de bens terrenos geralmente se deve ao desejo de ter segurança no futuro e reflete temor e incerteza. Jesus indica aos que querem ser cidadãos de seu reino que a posse de riquezas materiais é um motivo de ansiedade mais do que um meio de liberar-se dela. O cristão não se angustia pelas necessidades materiais da vida porque confia em que Deus as conhece e lhe dará o que lhe faça falta versos 31 a 34. Como destaca Paulo, isto não significa que o cristão será indolente ante suas próprias necessidades e as de sua família. Empenhai a vossa honra em levar vida tranqüila, ocupar-vos dos vossos negócios, e trabalhar com vossas mãos conforme as nossas diretrizes.I Tessalonicenses 4: 11; II Tessalonicenses 3: 10; I Timóteo 5: 8. Mateus 6: 1…

Vivendo Seu Amor - Meditação da Mulher

Conexão viva com o Salvador Pois a sua ira só dura um instante, mas o Seu favor dura a vida toda; o choro pode persistir uma noite, mas de manhã irrompe a alegria. Salmo 30:5 Quais têm sido os pedidos que muitas de nós fazemos em oração? Uma viva ligação com nosso Salvador, certo? Fazemos isso ao adorar, louvar, orar, relacionar-nos e testemunhar, onde quer que estejamos. Com o que se parece essa viva ligação na vida cotidiana? Minha amiga me ajuda a entender melhor, pois ela procura viver cada momento em ligação com Cristo. Por exemplo, todos os dias, quando minha amiga vai para o chuveiro, ela usa esse tempo como oportunidade para cantar hinos que louvam e engrandecem o nome de Deus. Às vezes, ela compõe cânticos para glorificá-Lo. Certa vez, quando essa amiga olhou pela janela da cozinha, viu o formato de uma ovelha nas nuvens. Ela sentiu que aquilo era um lembrete de Deus para ela, de que o Cordeiro que foi "morto desde a criação do mundo" (Ap 13:8) está para voltar um dia,…

Aceite o perdão

Sublime Esperança

Sublime Esperança
A Bendita Esperança Vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente. Tito 2:12

Somos exortados a viver sóbria, correta e piedosamente no mundo presente, e a esperar o glorioso aparecimento do grande Deus e Salvador Jesus Cristo. (...)

O tempo exato da segunda vinda de Cristo não nos é revelado. Jesus disse: "A respeito daquele dia e hora ninguém sabe" (Mt 24:36). Mas Ele também deixou sinais de Sua vinda, ao dizer: "Quando virdes todas estas coisas, sabei que está próximo, às portas" (v. 33). E disse-lhes que quando os sinais da Sua vinda surgissem, eles deviam exultar e erguer a cabeça, porque a redenção deles estaria próxima. Tendo em vista essas coisas, o apóstolo escreveu: "Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que esse dia como ladrão vos apanhe de surpresa; porquanto vós todos sois filhos da luz e filhos do dia" (1Ts 5:4, 5). Como não sabemos a hora da vinda de Cristo, precisamos viver sóbria e piedosamen…

Ciência e Religião

O benefício da dúvida
Deu no site da revista Ciência Hoje: “Karl Popper, um dos filósofos mais influentes do século passado, apontou para o fato de que, para ser validada, uma teoria científica deve necessariamente ser confrontada, desafiada, falseada. Dizia que, do contrário, a teoria poderia se tornar dogma – e qualquer dogma, para Popper, seria terrível para a ciência.” A matéria aponta, ainda, a coincidência entre o raciocínio de Popper e um texto publicado pelo jornal britânico The Guardian e repercute pesquisa realizada pela revista eletrônica Edge, que faz, todo ano, uma pergunta para centenas de especialistas de áreas distintas com o objetivo de colher tendências. A pergunta daquele ano foi: “Qual conceito científico poderia aprimorar a ferramenta cognitiva de uma pessoa?” “Artistas, cientistas e filósofos responderam à questão. Surpreendentemente, muitos deles destacaram a relevância dos erros, das incertezas e dúvidas para a ciência e ressaltaram a importância de…

Você passa tempo suficiente com a sua família?

A vida que vale a pena

Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância. João 10:10, ARA “A maneira como vivemos é mais importante do que quanto tempo vivemos.” Encontrei essa frase e a história abaixo no livro A Revolução do Espírito, que, entre outros relatos, retrata a vida de Svea Flood. Ela e o esposo, David, em 1921, deixaram a Suécia, depois de aceitar o chamado divino para serem missionários no Congo. Com outro casal de missionários, resolveram evangelizar uma região remota do país. Chegaram à vila de N’dolera, mas não foram aceitos ali, pois o chefe tribal acreditava que se permitisse a presença dos missionários, os deuses locais ficariam insatisfeitos e abandonariam a região. Mesmo com a recusa, resolveram não desistir e se estabeleceram em uma montanha próximo à tribo, onde construíram cabanas de barro enquanto oravam para terem oportunidade de evangelizar o lugar. Isolados na montanha, a única pessoa com quem podiam ter contato era um menino, que havia sido autorizado a visitá-…

A didática da repetição

“Quando, pois, deres esmola, não toques trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas, nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que eles já receberam a recompensa” (Mateus 6:2).
Três vezes no capítulo 6 Jesus utiliza o mesmo padrão para atingir Seu objetivo. Ele sabia que a mente humana enfraquecida pelo pecado precisa ouvir as coisas mais de uma vez para assimilar uma lição. E Jesus é o mestre por excelência.
Repare no Seu estilo. Primeiro, Ele delineia o princípio geral no versículo inicial: Não pratique atos piedosos para ser visto pelos outros. Os que assim procedem não receberão outra recompensa a não ser sua própria atitude egocêntrica. Depois, Ele passa a ilustrar essa lição principal a respeito da esmola (versos 2 a 4), da oração (versos 5 e 6) e do jejum (versos 16 a 18).
Todas as três ilustrações seguem o mesmo padrão. Primeiro, vem a descrição da falsa forma de piedade, que se concentra na exibição pública da “santid…

Alimentação: O que é preciso entender sobre a dieta de Adão e Eva?

“E disse Deus: Eis que vos tenho dado toda a erva que dê semente, que está sobre a face de toda a terra; e toda a árvore, em que há fruto que dê semente, ser-vos-á para mantimento”. Gênesis 1:29
Já no primeiro capítulo da Bíblia, existe uma orientação sobre qual deveria ser a alimentação do ser humano. Mas é importante compreender quais alimentos faziam parte desta alimentação original. Toda erva que dê semente é uma expressão que faz referência aos cereais (arroz, trigo, aveia, milho, centeio e cevada) e às leguminosas (feijões, grão de bico, lentilha, ervilha, soja, tremoço e amendoim).
E toda árvore, em que há fruto e que dê semente é uma referência agora são as frutas e também as sementes oleaginosas (castanhas em geral). Isso vos será para mantimento, ou seja, essa era a alimentação original de Adão e Eva. Devemos lembrar que Deus sempre tem lições para nos ensinar por meio da sua palavra. No contexto em que Adão e Eva vivam no Éden, onde não havia morte essa deveria se…

Crianças