26 de setembro de 2015

O chamado profético de Jeremias

VERSO PARA MEMORIZAR:

“Antes que Eu te formasse no ventre materno, Eu te conheci, e, antes que saísses da madre, te consagrei, e te constituí profeta às nações” (Jr 1:5).

 

Sabemos mais sobre a vida de Jeremias do que sobre a de qualquer outro profeta do Antigo Testamento. Os dados biográficos de seu livro nos ajudam a entender melhor sua obra profética. Jeremias causou tanto impacto na História que, até no tempo de Jesus, havia grupos de estudo literário e escolas para formação de discípulos com base no ministério profético dele.

Ao mesmo tempo, a obra do profeta, se julgada por padrões humanos, mostra pouco sucesso. Apesar de décadas de fervorosas advertências e apelos, a maioria das pessoas não deu ouvidos às mensagens que ele transmitiu da parte do Senhor.

Contudo, apesar da oposição, Jeremias não pôde ser comprado nem se vendeu; permaneceu como “uma cidade fortificada, uma coluna de ferro e um muro de bronze” (Jr 1:18, NVI), não em sua própria força, mas no poder do Senhor.

Em muitos aspectos, Jeremias não teve facilidades na vida. Seu chamado lhe trouxe sofrimento, infortúnio, rejeição e até prisão. O pior foi o fato de que muitos desses problemas foram causados por pessoas a quem ele estava tentando ajudar e orientar na direção certa. Assim, a seu próprio modo, Jeremias prefigurou o que Jesus enfrentaria centenas de anos mais tarde, naquele mesmo país.

Os profetas


Os profetas, em conformidade com seu chamado, eram resolutos protetores da lei de Deus. Defendiam a aliança e os dez mandamentos (Jr 11:2-6). O texto de Miqueias 3:8 resume a obra do profeta: ele devia “declarar a Jacó a sua transgressão e a Israel, o seu pecado”. Evidentemente, o conceito de pecado não tem sentido à parte da lei (Rm 7:7).

1. Qual era a mensagem dos profetas para o povo? Essa mensagem continua sendo a mesma para nós, hoje? Is 1:19; Jr 7:5-7; Ez 18:23; Mt 3:7-11

O juízo de Deus poderia ser evitado, mas, se o povo não deixasse seus maus caminhos, ele viria. Contudo, não é tão fácil mudar, especialmente quando as pessoas se habituam a fazer o mal que, no passado, as deixava horrorizadas. A mensagem dos profetas devia fazer com que o povo visse a gravidade de seus pecados, e quais seriam as consequências de não abandoná-los. Essa mensagem, naturalmente, não vinha dos profetas, mas de Deus.

Os profetas não mencionam como a Palavra de Deus lhes era revelada, nem como a ouviam. Às vezes, Deus falava com eles diretamente; outras vezes, o Espírito Santo Se comunicava com eles em visões e sonhos ou, talvez, por meio de “uma voz calma e suave” (1Rs 19:12, NTLH). Independentemente da maneira pela qual a mensagem chegasse a eles, a missão dos profetas era transmitir a vontade de Deus, não só às pessoas comuns, mas também, se necessário, aos reis, imperadores e generais.

Essa tarefa envolvia grande responsabilidade: se eles dissessem a verdade, as autoridades podiam matá-los; mas se não transmitissem a verdade, o juízo de Deus podia vir também sobre eles. O chamado para ser profeta é difícil e, pelo que a Bíblia mostra, os que receberam esse chamado o levaram a sério.

Podemos ficar felizes porque eles tiveram essa atitude, pois a mensagem que transmitiram chegou até nós por meio da Bíblia. Nesse sentido, eles ainda falam. A pergunta para nossos dias é a mesma do tempo de Jeremias: Daremos ouvidos às palavras deles?

Mesmo depois de todo esse tempo, o que os profetas ainda estão dizendo? Em essência, qual é a mensagem deles para o povo de Deus?

Você já leu sua Bíblia hoje? Fortaleça sua vida por meio do estudo da Palavra de Deus.

Os antecedentes familiares de Jeremias


2. Leia 1 Reis 1 e 1 Reis 2:26. Que acontecimentos causaram o exílio de Abiatar em sua cidade natal, Anatote?

Depois de se ter fortalecido no trono, Salomão, num conflito com Adonias referente à sucessão, removeu Abiatar do sacerdócio e o exilou em sua cidade natal, Anatote, que, segundo se crê, ficava cerca de 5 km a nordeste de Jerusalém. Hilquias, pai de Jeremias, era membro de uma família sacerdotal que morava em Anatote. Alguns têm especulado que a família de Jeremias talvez fosse descendente de Abiatar. Seja como for, sabemos que o jovem profeta vinha de uma linhagem importante (Jr 1:1). Podemos ver que, ao longo da História, o Senhor chamou para o ofício profético todos os tipos de pessoas: pastores, mestres, pescadores, sacerdotes e outros.

“Membro do sacerdócio levítico, Jeremias havia sido educado desde a infância para a santa função. Nesses felizes anos de preparação, pouco imaginara ele que havia sido consagrado desde o nascimento para ser ‘profeta às nações’; quando veio o divino chamado, ele se sentiu oprimido com o senso de sua indignidade. ‘Ah Senhor Deus!’, ele exclamou, ‘Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança’ (Jr 1:5, 6; Profetas e Reis, p. 407).

Os sacerdotes deviam ser os líderes morais e espirituais da nação; haviam recebido importantes funções que afetavam quase todas as áreas da vida espiritual do país. Alguns haviam sido fiéis à tarefa; outros a haviam desrespeitado e transgredido de maneiras que nem podemos imaginar. Como veremos no livro de Jeremias, o profeta tinha palavras muito fortes a dizer contra esses sacerdotes infiéis, que haviam se demonstrado indignos das responsabilidades e do chamado que lhes haviam sido confiados.

Quais são suas responsabilidades espirituais no lar, na igreja e em qualquer outra parte? Se um profeta falasse com você sobre essas responsabilidades, o que ele diria?


O chamado profético de Jeremias


3. Leia Jeremias 1:1-5. O que a passagem diz sobre o chamado de Jeremias?

Assim como outros profetas do Antigo Testamento (e como Paulo, no Novo; ver Gl 1:1; Rm 1:1), Jeremias foi claro a respeito de quem o havia chamado. Ele foi muito claro nesses versos e, na verdade, em todo o seu livro, quanto ao fato de que a mensagem transmitida era a “palavra do Senhor”, que ele havia recebido. Sem dúvida, foi essa ardente convicção que o capacitou a seguir em frente, apesar da intensa oposição, bem como do trabalho árduo, do sofrimento e das provações.

O chamado de Jeremias aconteceu no décimo terceiro ano do reinado de Josias, que é datado aproximadamente entre 627 e 626 a.C. Não sabemos o ano exato em que o profeta nasceu, nem sua idade exata ao iniciar seu ministério. Em sua mente, porém, como veremos, ele se julgava uma criança, alguém jovem demais para a tarefa que lhe fora dada.

4. Leia Jeremias 1:4, 5. Que certeza e conforto o profeta deve ter extraído dessas palavras?

O chamado profético de Jeremias aconteceu antes de seu nascimento. Deus o separou para ser profeta desde o momento de sua concepção. As palavras “te consagrei” (v. 5) são traduzidas de um verbo que significa, entre outras coisas, “ser santificado”, “ser santo” e “santificar”. Definitivamente, o termo tem uma conotação sagrada e religiosa, ligada também ao próprio serviço do santuário. Na verdade, a palavra para “santuário” vem da mesma raiz. A ideia contida nela é que algo ou alguém é “separado para um propósito santo”. Isso é o que Deus havia planejado para Jeremias, mesmo antes de seu nascimento. Esses textos não ensinam a 
preexistência humana nem a predestinação, mas a presciência divina.

Deus conhece o fim desde o princípio. Que conforto encontramos nessa verdade, em meio às provações que enfrentamos?

Profetas relutantes


Apesar da certeza dada pelo Senhor de que Jeremias havia sido divinamente escolhido para aquela tarefa, o jovem ficou assustado e não se considerou à altura dela. Talvez por conhecer a má condição espiritual da época, e por saber o que precisava ser feito, Jeremias não queria aquele trabalho.

5. Compare Jeremias 1:6 com Isaías 6:5 e Êxodo 4:10-15. Que pontos esses incidentes têm em comum?

Independentemente das razões que tinham, nenhum desses homens se sentiu à altura da tarefa. Talvez este fosse um pré-requisito essencial para a função de profeta: o senso da própria indignidade e incapacidade diante de uma tarefa tão crucial e importante. Um porta-voz do Criador? Não é de admirar que eles recuassem diante da tarefa, pelo menos no princípio.

Note, igualmente, a primeira resposta de Jeremias após ser chamado. Ele falou imediatamente sobre sua incapacidade de falar bem, como fez Moisés. Isaías também, em sua resposta, mencionou sua boca e seus lábios. Em todos os casos, eles sabiam que, ainda que seu chamado envolvesse outras coisas, envolveria também a fala e a comunicação. Eles receberiam mensagens de Deus e, portanto, teriam a responsabilidade de proclamá-las a outros. Diferentemente de hoje, quando poderiam fazer um site na internet ou enviar uma mensagem de texto, frequentemente a comunicação teria que ser face a face. Imagine ter que se colocar diante de líderes hostis ou de pessoas rebeldes e dizer-lhes palavras incisivas de repreensão e advertência! É compreensível a relutância desses homens que em breve se tornariam profetas.

6. Leia Jeremias 1:7-10. Qual foi a resposta de Deus a Jeremias? Por que essa resposta traz esperança e uma promessa com relação ao que cremos que Deus nos chamou para fazer?

A vara de amendoeira


O profeta é uma testemunha de Deus; sua tarefa é falar, não em seu próprio nome, mas unicamente como representante de Deus. Jeremias não foi chamado com a finalidade de encontrar soluções para os problemas da nação, nem para se tornar um grande personagem ou líder carismático a quem o povo seguisse. Jeremias teve a missão singular de transmitir as palavras de Deus ao povo e aos líderes. A ênfase não estava no ser humano nem em seu potencial, mas na soberania e no poder de Deus. O profeta devia levar as pessoas ao Senhor, em quem, unicamente, estava a solução de todos os seus problemas. E não é diferente para nós.

7. Qual foi o assunto das primeiras visões de Jeremias? Jr 1:11-19

As versões bíblicas, em sua maioria, traduzem a expressão hebraica no verso 11 como “vara de amendoeira”. Essa tradução, porém, deixa de refletir o jogo de palavras que há no hebraico. A palavra traduzida como “amendoeira” vem da mesma raiz do verbo “vigiar” ou “velar”, que aparece no verso 12, quando o Senhor diz que velará sobre Sua palavra para cumpri-la. Alguém poderia argumentar que a mensagem central de todo o livro de Jeremias se encontra nos versos 11 e 12. Deus é o Senhor da graça e do perdão. Se Seu povo abandonar o pecado, Ele é fiel para perdoá-lo e restaurá-lo; mas, se não abandonar o pecado, Ele é igualmente fiel para cumprir Suas palavras de juízo e punição.

Como podemos ver, as palavras de Deus não foram apenas para o povo.

O Senhor estava falando diretamente ao próprio Jeremias, admoestando-o a se preparar para a oposição que enfrentaria. Não importando o que acontecesse, Jeremias podia acreditar nestas palavras de Deus: “Eu Sou contigo” (Jr 1:8). Como veremos, ele precisaria dessa certeza.

Será que todos precisamos dela?

Leia Mateus 28:20. Que certeza podemos encontrar nessas palavras?


Estudo adicional


Martinho Lutero escreveu a respeito do profeta na introdução de seu comentário sobre o livro de Jeremias: “Jeremias foi um profeta triste, que viveu num período difícil e deplorável e, o que é pior, seu ofício profético foi extremamente difícil, pois ele estava trabalhando e lutando com um povo perverso e teimoso. Aparentemente, ele não alcançou muito sucesso, porque viu seus inimigos se tornarem cada vez mais ímpios. Eles tentaram matar o profeta várias vezes. Perseguiram-no severamente, açoitando-o diversas vezes. Contudo, ele viveu para ver pessoalmente seu país ser devastado e seu povo ser levado para o exílio.”

Ellen G. White escreveu: “Por quarenta anos, Jeremias devia estar diante da nação como testemunha da verdade e da justiça. Num tempo de apostasia sem paralelo, ele devia exemplificar na vida e no caráter a adoração ao verdadeiro Deus. Durante os terríveis cercos de Jerusalém, ele seria o porta-voz do Senhor. Prediria a queda da casa de Davi, e a destruição do belo templo construído por Salomão.
Quando aprisionado por causa de suas corajosas afirmações, devia ainda falar contra o pecado nos lugares altos. Desprezado, odiado, rejeitado pelos homens, ele haveria de testemunhar finalmente o cumprimento literal de suas profecias de iminente condenação e partilhar da tristeza e dor que se seguiriam à destruição da cidade condenada” (Profetas e Reis, p. 408).
Perguntas para reflexão

Como adventistas do sétimo dia, uma das coisas mais tristes, mas que deve nos fazer pensar, é o fato de Deus ter advertido Jeremias de que ele enfrentaria grande oposição por parte de seu próprio povo. Leia novamente Jeremias 1:17-19. Quais pessoas lutariam contra ele? Que terrível lição devemos aprender com isso? Isto é, qual é nossa atitude para com a palavra profética dirigida a nós, especialmente quando ouvimos coisas das quais não gostamos? Como a citação acima, de Ellen White, expressa a terrível verdade de que as próprias pessoas que deviam revelar o verdadeiro Deus ao mundo estavam lutando contra Ele, ao insultar e atacar Seu porta-voz? (Ver também Ec 1:9.)

Respostas sugestivas: 1. Se abandonasse seus maus caminhos, o povo viveria e seria abençoado; se não abandonasse o pecado, o juízo viria e traria destruição. 2. Abiatar apoiou Adonias em sua conspiração contra Salomão. 3. Veio a ele a palavra do Senhor. Foi o Senhor que o chamou; isso aconteceu no 13o ano do reinado de Josias. 4. A certeza e o conforto de saber que Deus o havia escolhido antes de seu nascimento, e o havia separado para essa santa tarefa. 5. As pessoas chamadas se sentiram incapazes e indignas diante do chamado profético. 6. Ele não devia dizer que era incapaz para a tarefa, mas que devia fazer tudo o que Deus lhe ordenasse. O Senhor estaria com ele para livrá-lo e colocaria Suas palavras na boca do profeta. Se isso foi verdade com relação a Jeremias, também é verdade em relação a nós, quando Deus nos chama a fazer algo para Ele. 7. A vara de amendoeira, simbolizando que Deus vigia sobre Sua palavra para a cumprir, e a panela ao fogo, com a boca voltada para o norte, simbolizando o juízo que viria, caso o povo não se arrependesse.


Nenhum comentário:

Postar um comentário