Quando as rodas da oração se movem

“Orar sempre e nunca esmorecer” (Lucas 18:1).
Jesus nos diz: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á” (Lc 11:9). Mas se Deus sabe tudo, por que devemos orar a Ele? Precisa o Senhor de um lembrete sobre aquilo de que já tem conhecimento?
O coração de cada pessoa deseja comunicar-se com o Divino. Desde os tibetanos, no alto do Himalaia, com as rodas da oração movendo-se constantemente, até os hindus que se banham no rio Ganges, à criança americana em seu quarto de dormir no segundo andar, as pessoas entendem a importância da comunicação com o Deus do Universo. Nossa força como cristãos não vem de algo sobre a terra, mas de Deus. A sabedoria humana é insuficiente, e por isso Jesus insta conosco para que peçamos, busquemos e batamos.
Assim como Jesus, o apóstolo Paulo nos faz lembrar de nossa necessidade de oração constante, persistente e vencedora: “Orando em todo tempo no Espírito… Vigiando com toda perseverança e súplica” (Ef 6:18). Reconhecendo nossas fragilidades naturais, ele nos admoesta a colocar toda a nossa energia na oração. Por que Jesus e Paulo enfatizam que a “perseverança” na oração é vital?
Primeiro, porque estamos combatendo contra os poderes do mal. “Porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne e sim… contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes” (Verso 12).
A segunda razão para uma oração constante, persistente e vencedora é que ela é o caminho apontado por Deus para obtermos conhecimento de Sua vontade perfeita para nós, e força para agir em harmonia com ela.
Terceiro, se nossos queridos espiritualmente mortos devem ressuscitar para uma nova vida, precisamos entrar em contato com Deus e receber Seu poder para testemunhar diante deles.
Quarto, os líderes da igreja primitiva consagraram-se “à oração e ao ministério da palavra” (Atos 6:4). Aqui encontramos o segredo do tremendo sucesso que a igreja primitiva teve ao levar o evangelho ao mundo conhecido daquela época.
Por último, devemos perseverar na oração porque Jesus a indicou como o meio de proteger-nos dos cuidados desta vida e preparar-nos para a Sua breve volta (Lc 21:34-36). Por toda a parte, ao redor do mundo, nossas famílias necessitam desesperadamente de ajuda. Então, por que não começar a falar com Deus de modo mais persistente, agora mesmo?

H.M.S. Richards Jr
Via: Amilton Menezes

Comentários