Dons Espirituais

As palavras que Jesus pronunciou antes de subir ao Céu, causaram profunda impressão no coração e mente dos discípulos. A ordem que Ele deixou foi: “Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda a criatura” (Marcos 16:15).
Esta seria uma tarefa impossível para um grupo tão pequeno de pessoas. Porém, Jesus prometeu que eles receberiam poder do Espírito Santo para levar avante essa bandeira.
Em seguida a ascensão de Cristo ao Céu, os discípulos gastaram a maior parte de seu tempo em oração. Harmonia e humildade ocuparam o lugar da discórdia e da inveja. Sua íntima comunhão com Cristo e a unidade resultante eram a preparação necessária para o recebimento do Espírito Santo.
Assim como Jesus recebera dotação especial do Espírito Santo para realizar Seu ministério, os discípulos receberam o batismo do Espírito Santo a fim de serem habilitados a testemunhar. E os resultados foram magníficos. O que parecia impossível se tornou realidade.
Da mesma maneira que os discípulos foram capacitados a realizar a tarefa que lhes foi designada, o mesmo Espírito Santo hoje distribui Seus dons à igreja com um objetivo específico, que no dizer do apóstolo Paulo, deve ser proveitoso.
Paulo ressaltou também a importância deste assunto, dizendo que acerca dos “dons espirituais não queria que os irmãos fossem ignorantes” (I Coríntios 12:1). Portanto, o que é necessário saber sobre esse tema tão importante para os cristãos?
A resposta a essa pergunta se encontra nas explicações de Paulo aos Coríntios que estão em sua primeira carta a essa igreja, no capítulo 12. Lemos no verso sete: “A manifestação do Espírito é concedida a cada um visando um fim específico.” Nenhum dom do Espírito é dado para benefício da pessoa que o recebe. Os dons são concedidos para alcançar um determinado objetivo. Em Efésios 4:12 encontramos alguma coisa mais que nos ajuda a compreender isso. Lemos: “com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do Seu serviço, para edificação do corpo de Cristo.”
Assim, a primeira razão pela qual são dados os dons espirituais é para edificação da igreja do Senhor. A utilização dos diversos dons na igreja e na pregação da mensagem de Deus ao mundo faz com que a obra possa ser levada avante.
Os versos 4 a 6 demonstram que embora haja dons diferentes, o Espírito é o mesmo. O Senhor é o mesmo e o mesmo Deus opera tudo em todos.
Isto nos faz pensar que não existe um dom que esteja acima ou que seja melhor do que o outro. Jamais devemos exaltar um dom em diminuição de outro. Todos eles são necessários e importantes para Deus e Sua igreja.
Na seqüência, o apóstolo enumera alguns dons e conclui essa parte dizendo o que encontramos no verso 11: “Mas um só e o mesmo Espírito realiza todas estas coisas, distribuindo-as como lhe apraz, a cada um, individualmente.”
Temos aqui mais um ponto interessante. O próprio Espírito Santo é que reparte os dons a cada um como lhe apraz. Isto significa que todos aqueles que estão em Jesus recebem do Espírito Santo algum dom para edificação da igreja. Durante Seu ministério, já quase no final de Sua jornada, Jesus contou uma parábola onde um homem ao se ausentar de seu país chamou alguns de seus empregados e lhes deu alguns bens. Isto está no evangelho de Mateus, 25:14 a 30. E a um deu cinco talentos e a outro dois, e a outro um, a cada um segundo a sua própria capacidade e então se ausentou. O relato diz que os dois empregados que receberam cinco e dois talentos saíram a negociar e ganharam outro tanto. Mas o que recebeu um só, foi e enterrou. Depois de muito tempo voltou aquele senhor e fez o acerto de contas. Os dois primeiros foram agradecidos com o reconhecimento do patrão. Mas aquele que enterrou o seu talento foi considerado inútil e banido da presença de seu senhor.
Esta parábola nos ensina algumas lições interessantes. O patrão que partiu para bem longe representa Cristo. Os três servos representam os muitos seguidores de Jesus. De igual modo, todos aqueles que aceitam a Jesus como seu Salvador são capacitados pelo Espírito Santo com algum dom, algum talento.
Por mais humilde e simples que seja uma pessoa, ela é muito preciosa à vista de Deus. Os homens podem desprezá-la mas o Senhor de todos nós a honra dando-lhe dons e talentos segundo Sua vontade.
Ninguém deve desprezar a si mesmo, pois fazendo assim está desonrando o Senhor Deus. Todos os filhos do Pai celestial são de imenso valor para Ele. Por isso é importante que utilizemos os dons que temos recebido de Deus para glória do Seu nome e edificação da Sua igreja. Assim fazendo, aquilo que recebemos se multiplicará. Ocorrerá um desenvolvimento, um crescimento na nossa vida.
Infelizmente ainda acontece hoje o caso daquele empregado que recebeu um só talento e o enterrou. Mas, amigo querido, não importa quanto nós recebemos e o quanto estamos fazendo. Mais importante que isto são os motivos com os quais realizamos as tarefas para Deus. Aqueles que tem recebido um só talento não devem sentar e chorar por isso. Pelo contrário, devem fazer sua parte da melhor forma possível, pois são úteis e preciosos para Deus como aqueles que receberam mais talentos.
Na segunda parte do capítulo 12, de I Coríntios, Paulo fala nesse assunto. Ele usa dos versos 12 ao 31 para mostrar que todos os filhos de Deus tem a mesma importância. Usando a comparação do corpo humano, que possui membros grandes e pequenos, com múltiplas funções ou uma só função, o apóstolo afirma serem eles todos necessários. O corpo é o mesmo. E se cada membro cumprir seu papel, o corpo será sadio.
Permita Deus que você, amigo, possa ser também útil para promover a vontade do Pai celeste, segundo a capacidade que recebeu. E, quando vier nosso Senhor possa ser achado fiel na utilização de seus dons e talentos.
Pr. Montano de Barros

Comentários