24 de outubro de 2015

Mais tristezas para o profeta ( Comentário)

Sikberto Marks
Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)
Este comentário é meramente complementar ao estudo da lição original
www.cristoembrevevira.com – marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868
Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

Verso para memorizar:Senhor, Tu me enganaste, e eu fui enganado; foste mais forte do que eu e prevaleceste. Sou ridicularizado o dia inteiro; todos zombam de mim” (Jer. 20:7, NVI).

Introdução de sábado à tarde
Hoje é dia de fazer algumas perguntas, a partir da experiência sofrida de Jeremias. Como ousaram culpar um único ser humano pelo descalabro da nação? Por que razão não testaram a autenticidade espiritual de Jeremias para ver se era profeta do Senhor ou se não era? Por que não investigaram melhor suas palavras e suas profecias? Pois vá que viessem de DEUS, como foi, nesse caso opondo-se a ele, se achariam labutando contra DEUS. Em nossos dias, por que o mundo vai culpar um grupo de crentes por causa das tragédias que destruirão a riqueza do planeta? Por que a minoria sempre foi acusada de culpada, sendo que é recorrente o erro estar com a maioria? Por que a classe que tem o poder, hoje os políticos e os líderes empresariais, geralmente se protegem mutuamente e procuram um bode para culpar, mesmo sendo inocente?
Nos dias de Jeremias havia um dilema, ou, uma contradição: por que razão um servo de DEUS tem que sofrer, sendo ele justo, e os ímpios progridem sem serem perturbados? É a condição desse mundo injusto. Um grande exemplo de injustiça foi o caso de Jó. Mas também temos os mártires. E sem dúvida, o maior de todos os casos de injustiça foi o que fizeram com JESUS. Esse mundo influenciado por satanás não é um lugar para pessoas corretas e inocentes. São essas que em grande parte sofrem por causa das maldades dos ímpios.
Da história de Jeremias, no momento, tiramos três lições. Uma é da humanidade de Jeremias. Veja a que conclusão ele chegou, descrita no verso para memorizar. Ele entendeu que foi enganado por DEUS, tamanha a angústia e sofrimento que chegou. Sabemos que DEUS não o enganou, apenas o chamou para uma incumbência sobremaneira difícil. Outro aprendizado é que vemos o final da história: Jeremias foi protegido por DEUS, mas aquele povo recebeu um castigo tão severo que dele só os mais sinceros retornaram, setenta anos depois, para restabelecer, em parte, a nação. Portanto, um dia DEUS faz justiça, sempre parecendo ser um tanto tarde. E a terceira lição é que daquela linhagem de reis, iniciada em Davi, nasceu JESUS CRISTO, o Rei definitivo, que também foi rejeitado, mas que venceu e está por voltar, cumprindo todas as Suas promessas.

  1. Primeiro dia: Sacerdotes e profetas ímpios
Coisa horrenda e espantosa faziam os profetas de Jerusalém. Os sacerdotes andavam de mãos dadas com eles, apoiando-os. Ambos assim se engrandeciam sobre a nação, dominando o povo por via corrompida e insana. Esses profetas e os sacerdotes daqueles dias faziam errar o povo. Eles até adulteravam com mulheres e também na adoração. DEUS comparou os profetas com Sodoma e os sacerdotes com Gomorra. Estavam no mais baixo nível da degeneração humana, embora fossem do povo de DEUS. Proclamavam mentiras no nome de DEUS (Jer. 23:25), a tal ponto que eles mesmos acreditavam nessas mentiras. Pregavam a sua própria palavra (Jer. 23:31), baseando-se em sonhos que nunca tiveram.
Leiamos alguns trechos sobre como agiam os profetas e sacerdotes daqueles tempos: “E ainda disse-me o SENHOR: Tudo isso que estes profetas andam divulgando em Meu nome é mentira! Eu não os enviei nem lhes dei ordem alguma para falar em Meu nome, sequer falei com eles. Eles vos profetizam falsas visões, adivinhações, doutrinas inúteis e o engano de suas próprias mentes e corações!” (Jer. 14:14).
“Um pecado ainda mais brutal e repugnante acontece nesta terra: Os profetas pregam mentiras, os sacerdotes governam de acordo com seus próprios critérios e vontades, e mais, o povo se agrada de tudo isto! No entanto, o que fareis quando toda essa situação chegar ao fim?” (Jer. 5:30 e 31).
“Os teus profetas te anunciaram visões inverídicas e insanas e não denunciaram o teu pecado para evitar a tua prisão e exílio; mas anunciaram profecias falsas, inúteis e palavras que te conduziram ao desterro” (Lam. 2:14).
“Suas visões são falsas, e seus prognósticos todos mentirosos. Com vossas bocas dizeis: ‘Palavra de Yahweh’, quando o SENHOR não vos revelou nada, tampouco vos enviou a parte alguma; e ainda assim tens a expectativa de que vossas previsões se cumpram” (Ezeq. 13:6).
“Vossos líderes ajuízam debaixo da influência de subornos, seus sacerdotes ministram visando lucro, e até vossos profetas fazem revelações em troca de prata. E pior, ainda ousam apoiar-se no SENHOR, alegando: “Eis que Yahweh está no meio de nós. Nenhuma desgraça virá sobre nossas cabeças!” (Miq. 3:11).
“Acautelai-vos quanto aos falsos profetas. Eles se aproximam de vós disfarçados de ovelhas, mas no seu íntimo são como lobos devoradores” (Mat. 7:15-17).
Essa, em algumas palavras, foi a oposição enfrentada por Jeremias: pessoas sedentas de poder, querendo dominar o povo do Senhor, que se acostumaram a mentir para manter seus privilégios de poderio e domínio. Esses falsos líderes interesseiros jamais admitiriam abrir mão do poder conquistado por meio de estratagemas corrompidos. Sentiam sede de poder, e estavam dispostos a enfrentar e eliminar qualquer iniciativa que ameaçasse seus privilégios. Mesmo se fosse o verdadeiro profeta do Senhor, eles o matariam. E até mesmo se viesse o próprio Senhor, O matariam também, como fizeram séculos mais tarde, com JESUS CRISTO.
Resumindo: afinal, que outras coisas os judeus faziam em Jerusalém? Eles se prostituíam em casas de prostitutas. Nessas casas eles também faziam prostituição cultual, um tipo de cerimonial religioso com sexo e adoração da fertilidade. Prostitutos e prostitutas eram vistos como santos, separados para tal tipo de orgia. Essas pessoas praticavam atos sexuais no templo do seu deus como parte do culto que prestavam ao deus pagão. Isso judeus, líderes do povo, defendiam e praticavam, e ai de quem ousasse opor-se a tais práticas.

  1. Segunda: Jeremias no tronco
Jeremias havia profetizado a advertência de que inimigos viriam destruir Judá se não se arrependessem. DEUS traria o mal sobre aquela cidade cada vez mais ímpia e rebelde. Pasur, Filho do sacerdote Imer, presidente da casa do Senhor, e que se dava o trabalho de mentir divulgando falsas profecias, contrariado ao extremo, resolveu por conta própria castigar Jeremias. Ele o feriu com açoites e, estando todo machucado, teve que ficar preso toda a noite, acorrentado a um tronco. No dia seguinte Pasur o libertou. Mas Jeremias profetizou, agora, contra esse Pasur: “Então, disse-lhe Jeremias: O Senhor não chama o teu nome Pasur, mas Magor-Missabibe. Porque assim diz o Senhor: Eis que farei de ti um terror para ti mesmo e para todos os teus amigos; eles cairão à espada de seus inimigos, e teus olhos o verão; todo o Judá entregarei na mão do rei de Babilônia; ele os levará presos a Babilônia e feri-los-á à espada. Também darei toda a fazenda desta cidade, e todo o seu trabalho, e todas as suas coisas preciosas; sim, todos os tesouros dos reis de Judá entregarei na mão de seus inimigos, os quais saqueá-los-ão, tomá-los-ão e levá-los-ão a Babilônia.  E tu, Pasur, e todos os moradores da tua casa ireis para o cativeiro; e irás a Babilônia, e ali morrerás, e ali serás sepultado, tu e todos os teus amigos, aos quais profetizaste falsamente” (Jer. 3-6).
Pasur, sua família e seus amigos mais achegados, quando veio Nabucodonosor, foram presos e levados em cativeiro. Exatamente o que Pasur pregava que não aconteceria, isso aconteceu com ele e com aqueles que creram em suas mentiras. E Jeremias, que eles queriam matar, DEUS poupou e deu proteção.

  1. Terça: Um fogo em seus ossos
Como estão sendo bons os estudos do livro de Jeremias! Pessoalmente tenho sofrido um pouco, bem pouco, se comparado ao que esse homem sofreu. Estamos presenciando o mundanismo invadindo a igreja. Vemos nossos líderes favorecendo essa invasão. Como foi nos tempos de Jeremias. Isso é triste demais. Tempos atrás um pastor de nossa igreja resolveu pregar fazendo uma orientação sobre esse assunto. Quase apanhou na saída, ao se despedir. Ellen G. White escreveu que por vezes aqueles que zelam pelos bons princípios na igreja se achariam praticamente sozinhos. E assim tem sido. “Aqueles que estão em harmonia com Deus, e que através da fé nEle recebem forças para resistir ao que é errado e permanecer em defesa do que é correto, sempre terão severos conflitos e muitas vezes terão de permanecer quase sozinhos” (Testemunhos Seletos vol. 2, p. 31).
Mas Jeremias sofreu muito mais. Ele chegou a ironizar, dizendo que DEUS o enganara. Pois, as duras mensagens realistas que deveria dar resultavam em nada quanto a mudanças, e resultavam em forte oposição, quanto ao comportamento. Ele colhia perseguições, desprezo e punições. Tudo porque estava ao lado de DEUS, obedecendo fielmente. Não é fácil ser servo fiel em tempos de degeneração. Sim, degeneração que a quase todos parece ser a melhor estratégia de evangelização. Eu mesmo assisti há poucos meses um pastor pregar que aconselhara determinado jovem que poderia vir de ‘regata’ na igreja, pois DEUS não iria querer a regata dele, mas sim, iria querer a ele. Se essa lógica for aplicada de modo generalizado…
Ironicamente estamos presenciando, hoje, ao mesmo tempo, o fortalecimento do poder do ESPÍRITO SANTO e o poder da ação de satanás, dentro da igreja. Não poderia ser diferente, pois estamos nos encaminhando para o desfecho de tudo.
“Os anjos de Deus estão em nosso mundo, e os agentes satânicos também aqui estão. É-me permitido ver a inclinação de certas pessoas no sentido de seguir aos seus fortes traços de caráter. Se recusarem levar o jugo com outros que tiveram longa experiência na obra serão cegados pela confiança própria, não fazendo distinção entre o falso e o verdadeiro. Não é seguro permanecerem tais pessoas na posição de líderes, para seguirem ao seu juízo e planos”. (Testemunhos para Ministros e Obreiros Evangélicos, 501)

“Agentes satânicos sob forma humana tomarão parte neste último grande conflito, para opor-se à edificação do reino de Deus. Anjos celestiais em aparência humana também estarão no campo de ação. Os dois partidos antagônicos prosseguirão existindo até o encerramento do último grande capítulo da história deste mundo”. (A Verdade Sobre os Anjos, 261)
Jeremias nos serve de paradigma para os dias de hoje. O que aconteceu com ele, que resultou em grande sofrimento, acontece e acontecerá conosco, quando já nos aproximamos da última batalha, do Armagedom. A estratégia de satanás é enfraquecer as forças de DEUS, por meio de costumes e práticas pagãs. Ele quer, na verdade, eliminar a Igreja Adventista. A mornidão é uma estratégia poderosa para ele, porém, quando a igreja for se levantando, ele atacará por meio de outra estratégia, o aumento da mundanização paralelamente à perseguição, que desembocará no decreto dominical. A igreja será fortemente sacudida, mas ao contrário do que aconteceu com os judeus, ela permanecerá e concluirá, em meio a sofrimentos, a sua obra.
“Muitos supõem que, para se aproximar das classes mais altas, é preciso adotar uma maneira de vida e um método de trabalho que se harmonizem com seus fastidiosos gostos. Uma aparência de riqueza, custosos edifícios, caros vestidos, equipamentos e ambiente, conformidade com os costumes do mundo, o artificial polimento da sociedade da moda, cultura clássica, as graças da oratória, são considerados essenciais.
“Isso é um erro. O caminho dos métodos do mundo não é o caminho de Deus para alcançar as classes mais elevadas. O que na verdade os tocará é uma apresentação do evangelho de Cristo feita de modo coerente e isento de egoísmo” (EGW, A Ciência do Bom Viver, 213 e 214).
“Nova ordem de coisas entrou no ministério. Há desejo de moldar-se segundo outras igrejas, e simplicidade e humildade são quase desconhecidas. Os ministros jovens procuram ser originais, e introduzir ideias e planos novos para o trabalho. Alguns iniciam reuniões de reavivamento, trazendo assim muitos conversos para a igreja. Passada, porém, a excitação, onde estão os convertidos? Não se veem arrependimento e confissões de pecados. O pecador é instado a crer em Cristo e aceitá-Lo, sem consideração quanto a sua vida passada de pecado e rebelião. O coração não é quebrantado. Não há contrição de alma. Os supostos conversos não caíram sobre a Rocha, Cristo Jesus”  (Mensagens Escolhidas v2 18.4).
Essa igreja, a sétima das igrejas do Apocalipse, não será sucedida por outra. “Embora existam males na igreja, e tenham de existir até o fim do mundo, a igreja destes últimos dias há de ser a luz do mundo poluído e desmoralizado pelo pecado. A igreja, e defeituosa, precisando ser repreendida, advertida e aconselhada, é o único objeto na Terra ao qual Cristo confere Sua suprema consideração” (Testemunhos Para Ministros, 49).

  1. Quarta: “Maldito o dia em que nasci!”
Conhecemos três casos de severo sofrimento na Bíblia. Jó, Jeremias e JESUS. Houve outros, mas talvez não tão extremos.
A reação de Jó e de Jeremias foi semelhante, quase igual; a de JESUS foi parecida. Jó e Jeremias amaldiçoaram o dia do nascimento, JESUS clamou por socorro, dizendo, “Meu Pai, Meu Pai, porque Me abandonaste?Desses três, pela ordem, quem mais sofreu foi JESUS, só Ele verteu sangue, tamanha a Sua angústia. Em segundo lugar, o maior sofrimento foi de Jó. Jeremias, também sofreu muito, mas certamente bem menos que Jó, e nada comparável ao sofrimento de JESUS.
Jeremias disse: “Maldito seja o dia em que eu nasci! Jamais seja abençoado o dia em que minha mãe me deu à luz! Maldito seja o homem que levou a notícia a meu pai, e o deixou muito alegre, quando disse: “Você é pai de um menino!” Seja aquele homem como as cidades que o Senhor destruiu sem piedade. Que ele ouça gritos de socorro pela manhã, e gritos de guerra ao meio-dia; mas Deus não me matou no ventre materno nem fez da minha mãe o meu túmulo, e tampouco a deixou permanentemente grávida. Por que saí do ventre materno? Só para ver dificuldades e tristezas, e terminar os meus dias na maior decepção?” (Jeremias 20:14-18).
Vejamos alguns trechos do lamento de Jó: “Pereça o dia do meu nascimento e a noite em que se disse: “Nasceu um menino!” Transforme-se aquele dia em trevas, e Deus, lá do alto, não se importe com ele; não resplandeça a luz sobre ele. Chamem-no de volta as trevas e a mais densa escuridão; coloque-se uma nuvem sobre ele, o negrume aterrorize a sua luz. Por que não morri ao nascer, e não pereci quando saí do ventre?” (Jó 3:3 a 5 e 10).
E atentemos à exclamação de JESUS: “Disse-lhes então: “A minha alma está profundamente triste, numa tristeza mortal. Fiquem aqui e vigiem comigo”. Indo um pouco mais adiante, prostrou-Se com o rosto em terra e orou: “Meu Pai, se for possível, afasta de Mim este cálice; contudo, não seja como Eu quero, mas sim como Tu queres”. “Por volta das três horas da tarde, Jesus bradou em alta voz: “Eloí, Eloí, lamá sabactâni?”, que significa “Meu Deus! Meu Deus! Por que Me abandonaste?” “Jesus bradou em alta voz: “Pai, nas Tuas mãos entrego o Meu espírito”. Tendo dito isso, expirou” (Mateus 26:39; 27:46 e Lucas 23:46, grifos acrescentados).
É possível ver alguma diferença entre essas três exclamações? Por certo! Os dois homens estavam desistindo, muito embora Jó teve depois bem mais que antes de seu sofrimento. Jeremias, por sua vez, foi amparado por providências do próprio Nabucodonosor. Ele não sabe, porém, podemos ter certeza que Jeremias influenciou positivamente a Nabucodonosor para que tivesse mais em conta a turma de Daniel, logo mais. JESUS sofreu e fez Suas exclamações, porém, Ele deixou bem claro que se fizesse a vontade do DEUS Pai. Ele iria em frente, viesse o que fosse. E por fim, em sólida confiança, Ele entregou Sua vida aos cuidados de Seu Pai.
Devemos compreender que Ele agora tem credibilidade, como vencedor, mantendo Sua postura e atitude de vitorioso em todos os momentos durante o sofrimento, sempre olhando para o alto, para o Pai, mesmo em angústia bem pior que a de Jó e de Jeremias, (curioso, os três nomes iniciam com “J”). Mentalmente agiu diferente, sempre focando em Sua missão. Assim sendo, Jó e Jeremias também venceram, mas o que nunca entrou em desânimo foi JESUS.

  1. Quinta: Planos contra o profeta
Aprendemos hoje que tanto as promessas de DEUS como Suas ameaças são condicionais. Se formos obedientes, Ele há de nos favorecer com Suas bênçãos, mas se formos rebeldes, Ele há de nos castigar. As bênçãos Ele enviará para que sejamos ainda mais obedientes, solidifiquemos a amizade com Ele. Os castigos enviará para que percebamos que estamos num caminho perigoso cujo final será a morte eterna, e DEUS quer evitar esse desfecho.
DEUS está no comando. Por exemplo, hoje, em nossos dias. Há profecias para esses dias. Aliás, há um grande número delas. Elas vêm se cumprindo fielmente. DEUS dirige para que elas se cumpram. DEUS não dirige os atos de satanás, mas em Sua onisciência, Ele já sabia o que o inimigo faria, e o revelou profeticamente. Isso é ter o controle dos fatos, Ele sabe tudo. E também DEUS definiu quando fará e que coisas fará. Portanto, DEUS não age em reação às ações de satanás. DEUS é independente de satanás, age conforme a Sua vontade, e nunca é surpreendido por alguma estratégia de ação do inimigo. Logo, DEUS está sempre no perfeito controle dos fatos, isto é, tem conhecimento de tudo o que se passa e o que ainda vai acontecer, e está no comando, isto é, age conforme a Sua vontade de infinita inteligência e sabedoria. A diretriz geral de Suas decisões é sempre o conjunto do amor com a justiça.
Por fim, hoje também estudamos o trecho de Jeremias 18:18 a 23, especialmente o verso 18. Os judeus chegaram ao ponto de tamanha confusão mental que armaram projetos contra Jeremias pensando que assim estavam defendendo a lei, o trabalho dos sacerdotes, os ensinamentos dos sábios e as mensagens dos profetas. Só que esses todos eram falsos, e apenas Jeremias era verdadeiro. Logo, estava tudo invertido. O povo atentava para o que era falso e enganoso. Eles, tão enganados que estavam, passaram a crer em seus enganos, em seus modos errados de pensamento. Assim, em vez de trabalharem com DEUS, trabalhavam contra DEUS.
A notícia ruim é que nos tempos finais algo parecido se repetirá. Muitos membros da igreja do povo de DEUS, abandonará a igreja e passará para as fileiras do inimigo, pensando que assim estão contribuindo para o bem do planeta. Essa gente se voltará contra os profetas do Senhor, pois nesse tempo, todos aqueles que permanecerem fiéis, serão profetas para terem poder do alto, o derramamento do ESPÍRITO SANTO, para a conclusão da obra de pregação do Senhor (ver Joel 2:28 – 29 e Atos 2: 17 – 18). Mais uma vez, os profetas, com a sã e sagrada palavra de DEUS, serão perseguidos por seus irmãos e pelos outros inimigos.

  1. Resumo e aplicação – Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:
  2. Síntese dos principais pontos da lição
  • Qual o foco principal?
“Convertei-vos” dizia DEUS, por meio de Jeremias. Destaquemos um ponto que muito me atrai: o poder de DEUS de conhecer o futuro. Ele conhece o que iremos fazer, que decisões iremos tomar, que coisas irão acontecer, que influências positivas e negativas surgirão, que grupos de pessoas agirão de alguma maneira, o que os inimigos planejam e fazem, o que as outras igrejas e principalmente Babilônia mística estão pensando fazer, e assim por diante. Há milhares de influências diferentes sobre a mente das pessoas e dos cristãos, muitas delas direcionadas especialmente sobre o povo santo. DEUS sabe tudo a respeito do futuro por antecipação, e por isso, Ele pode nos alertar, o que é muito bom. Por sua vez, nós, que não temos a visão sequer de nosso futuro pessoal, e em geral por não termos intensa comunhão com DEUS, tomamos as decisões mais erradas possíveis, por força das influências vindas do campo do inimigo. Assim pode acontecer conosco o que aconteceu com o povo de Judá. Se assim acontece, não será por falha de DEUS, nem por Sua presciência, mas por causa de nossa rebeldia. Isso, no entanto, pode ser evitado, se tão somente formos obedientes a nosso Salvador. Veja bem essa palavra, seu significado: Salvador!
  • Quais os tópicos relevantes?
O profeta Jeremias agia no tempo em que Judá estava indo para seu fim. DEUS queria evitar o colapso da nação. Para isso, valia-se do profeta. Porém, os líderes, especialmente eles, e o povo, que seguia os líderes humanos, não aceitavam as orientações e repreensões de DEUS por meio do profeta. Queriam matar o profeta. Assim, séculos mais tarde, fizeram o mesmo com o próprio Filho de DEUS, que veio com a mesma mensagem como a de Jeremias. Mataram a JESUS, mas por meio dessa morte, O transformaram em Salvador da humanidade. Mais uma vez aquelas perguntas: como se pode lutar contra DEUS sem fazer a Sua vontade? Sem que Ele nos vença? Outra pergunta significativa: quem pode ser inimigo a altura do poder de DEUS? Portanto, a estratégia por certo deve ser: viver em comunhão com DEUS é seguro e promissor. A vitória, com Ele, é certa.
  • Você descobriu outros pontos a acrescentar?
_________________________________________________________________________

  1. Que coisas importantes podemos aprender desse estudo?
De fato, DEUS está sempre nos chamando para que sejamos Seu povo. Ele enviou Seu Filho muito amado para nos salvar. Ele quer devolver-nos a vida eterna, perdida pelo primeiro casal, nossos pais. Mas nós talvez sejamos muito duros de coração para aceitar o que na verdade é um bom presente, gratuito e eterno.
  • Que aspectos posso acrescentar a partir do meu estudo?
_________________________________________________________________________

  1. Que providências devemos tomar a partir desse estudo?
Devemos fazer o contrário do que fizeram os líderes judaicos daqueles tempos de Jeremias. Devemos agir como fez Josias, o último rei de Judá que foi fiel a DEUS. Portanto, devemos expulsar de nós toda influência negativa do mundo, e atentar para o que a Bíblia ensina e o que diz nossa última profetiza.
  • O que me proponho a reforçar, se for bom, ou mudar se for mau, em minha vida?
_________________________________________________________________________

  1. Comentário de Ellen G. White
“Há um vigia que está ao lado de todos aqueles que ocupam posições de confiança, pronto a reprovar e convencer do erro, ou para atender as orações pedindo auxílio. Vigia para ver se os homens que têm o privilégio de levar responsabilidades olharão a Deus em busca de auxílio, e se prevalecerão de toda a oportunidade para aperfeiçoar o caráter segundo a semelhança divina. Se se desviam da devida retidão, Deus Se afasta deles; se não se esforçam fervorosamente para compreender a vontade de Deus com relação a eles mesmos, não os pode ele abençoar, fazer prosperar ou suster” (Testemunhos para Ministros e Obreiros Evangélicos, 279).

  1. Conclusão geral
“Nossos pastores e suas esposas devem ser um exemplo na simplicidade do vestir; devem trajar-se com elegância, confortavelmente, usando bom material, mas evitando tudo o que se assemelhe a extravagância e adornos, mesmo que não seja dispendioso; pois essas coisas testificam contra nós. Devemos educar os jovens na simplicidade do vestuário; simplicidade com elegância. Sejam os enfeites extras postos de lado, ainda que o custo seja uma ninharia” (Testemunhos Para Ministros, pág. 180).
  • Qual é o ponto mais relevante a que cheguei com este estudo?

Sikberto R. Marks

Nenhum comentário:

Postar um comentário