Milagre para um estrangeiro

A profecia que estudaremos hoje foi feita por Eliseu, aproximadamente no ano de 894 AC. Esta profecia era condicional; ou seja, para ter o seu cumprimento ela dependia de algumas condições. Diz o texto: “Eliseu mandou um mensageiro, dizendo: Vai, e lava-te sete vezes no Jordão e tua carne te será restaurada, e serás purificado” (II Reis 5:10).
Para quem foi feita essa profecia? A Bíblia responde: “Ora, Naamã, chefe do exército do rei da Síria, era um grande homem diante do seu senhor e de muito respeito, porque por ele o senhor dera livramento aos sírios. Este era um homem valente, porém leproso” (II Reis 5:1).
Naamã foi um homem muito respeitado e considerado pelo rei da Síria. Ele era o comandante do exército sírio em Damasco, quando Jorão era rei em Israel.
Naamã tinha fama, tinha prestígio, era rico, era conhecido e reconhecido como um homem corajoso e valente. Freqüentemente fazia investidas contra o território de Israel. Numa dessas ocasiões uma menina israelita foi capturada e levada para ser escrava na casa de Naamã (II Reis 5:2). A menina, cujo nome não é mencionado na Bíblia, ao chegar à casa de Naamã percebeu que este era leproso.
A lepra é mencionada várias vezes na Bíblia, tanto no Velho Testamento como no Novo Testamento. A manifestação da lepra começa com a descoloração da pele, aparecendo manchas branca ou rosa, na testa, nariz e boca. Essa área fica insensível ao tato e a dor. Este tipo de doença pode se espalhar rapidamente por todo o corpo. E aí vão surgindo inchaços e tumores esponjosos. A lepra afeta também os órgãos internos. Aparecem deformidades nas mãos e nos pés, quando os ossos começam a desaparecer.
O relato bíblico diz que a menina escrava sugeriu que o general fosse ao profeta Eliseu, em Israel, em busca da cura. Atente para esse detalhe. A menina cativa ajudou na cura de seu senhor. Ela poderia ter ficado em silêncio e deixá-lo com a doença ou simplesmente dizer: “Você destruiu a minha família, destruiu o meu povo, a minha cidade, azar seu, tomara que morra de lepra”. Ela não foi vingativa ou egoísta.
A menina estava em um lar pagão, mas não teve duvida em falar do Deus de seu povo. Na sua infância, com certeza, ela foi ensinada a ser uma adoradora de Jeová. Sabia que o poder do céu estava com o profeta Eliseu e cria que por este poder Naamã seria curado.
É dever dos pais oferecer educação religiosa aos filhos. Há pais que fazem isto de forma exemplar. Os filhos têm a própria Bíblia e são ensinados diariamente sobre as verdades do livro sagrado. Outros pais não estão preocupados com isto. Ao invés de uma Bíblia, dão de presente uma arma de brinquedo. Ao invés do culto familiar, os filhos são orientados pelas novelas da televisão.
Perceba que essa menina israelita foi fundamental na vida de Naamã. Ela fez a diferença. E nós, que somos pais, estamos preparando os nossos filhos para fazerem a diferença para melhor onde estiverem?
Quando se falou em uma possibilidade de cura, eu imagino que os olhos de Naamã tiveram um brilho especial. Havia esperança para um leproso. Os preparativos foram feitos, os documentos de apresentação elaborados e uma comitiva muito especial dirigiu-se para Samaria. II Reis 5:5 conta: “Naamã partiu, levando consigo dez talentos de prata, seis mil siclos de ouro e dez mudas de vestidos”. Traduzindo para as nossas medidas, Naamã levou aproximadamente 342 quilos de prata e quase 65 quilos de ouro.
Chegando a Israel, Naamã foi direto ao rei. Este, porém, ficou preocupado. Achou que era mais uma artimanha para um ataque aos israelitas. Eliseu soube do caso e pediu que o doente fosse até ele. A comitiva de Naamã chegou com toda a pompa de um general, mas diz a história bíblica que Eliseu nem foi recebê-lo. Apenas mandou a ordem por um mensageiro. “Vai, e lava-te sete vezes no Jordão…e serás purificado” (II Reis 5:10).
Ao dar essa ordem, o orgulho de Naamã foi ferido, e não agüentando a humilhação exclamou: “Não são  Abana e Farfar, rios de damasco, melhores do que todas as de Israel”? II Reis 5:12.  Em outras palavras: “Se era para vir e tomar banho no Jordão, eu podia mergulhar nos rios de Damasco.”
Naamã se recusava em obedecer, porém seus auxiliares o convenceram a fazer o que o profeta mandara, pois não tinha nada a perder. Finalmente Naamã foi até o rio Jordão e mergulhou as sete vezes e a profecia se cumpre. “Pelo que desceu, mergulhou no Jordão sete vezes, conforme a palavra do homem de Deus, e a sua carne foi restaurada, e se tornou como a carne de um menino” (II Reis 5:14).
Amigo ouvinte, se você deseja ser purificado, transformado, precisa descer até o Jordão. Isto significa humilhação. Enquanto não houver humildade no coração humano, é impossível ter a benção de Deus. Naamã não estava acostumado a se humilhar ou obedecer. Só os humildes conseguem obedecer. Somente a voluntária obediência traria os resultados desejados a Naamã e a nós também. Naamã só foi beneficiado quando cumpriu toda a ordem de Eliseu. Para Deus, amigo ouvinte, não existe obediência parcial. Ou obedece ou não obedece! Obedecer mais ou menos, nunca alcançará a cura da alma.
Hoje Deus quer purificar você das drogas, do vício, da prostituição, da mentira, do ódio mortal, do espírito de vingança, da pornografia, mas uma coisa é indispensável: obediência plena às orientações dEle. Você quer mudar? Comece ouvindo a voz dos profetas, estudando a Bíblia e você sentirá a verdadeira transformação que só Deus pode fazer.
Creia no Senhor e você estará seguro. Creia nos profetas dEle e você prosperará.

Amiltom Menezes

Comentários