2 de outubro de 2015

O lado escuro das bem-aventuranças

“Porque o juízo é sem misericórdia para com aquele que não usou de misericórdia. A misericórdia triunfa sobre o juízo” (Tiago 2:13).
Nem tudo é cor-de-rosa no tocante às bem-aventuranças. Elas têm um lado escuro, assim como o evangelho tem um lado escuro para aqueles que o rejeitam.
Deus pode apenas nos convidar à mesa do evangelho; Ele não pode nos forçar a participar. E embora Jesus convide cada pessoa para aceitar Sua salvação, Ele não compelirá ninguém a aceitá-la.
Semelhantemente, Jesus apresentou as maravilhosas promessas das bem-aventuranças, mas cabe a nós individualmente escolher aceitá-las ou rejeitá-las. Para aqueles que aceitam, as promessas são claramente definidas.
Para aqueles que recusam as boas novas e as bênçãos, o resultado será de igual modo certo. Por exemplo: Aqueles que se recusam a ser misericordiosos, frequentemente deixam de alcançar misericórdia neste mundo e certamente não a alcançarão no juízo final.
Esse último ponto não é simplesmente uma decisão arbitrária da parte de Deus. Ele quer que todos em Seu reino eterno sejam felizes, sintam-se bem ali. Mas se eu não assimilei as características de Deus, não me sentirei à vontade no Seu reino eterno.
Deixe-me ilustrar. Lembro-me da primeira vez que almocei com um pregador. O convite veio antecipadamente e eu me preocupei durante toda a semana. Eu estava morando num navio na Baía de São Francisco naquela época, e isso estava definitivamente em desarmonia com os princípios dele.
Depois que me converti, alguns anos mais tarde, cheguei à conclusão de que a pior coisa que poderia acontecer a uma pessoa não convertida seria ela ter de passar a eternidade na presença do Deus de amor, que conhece não só todos os nossos atos, mas até nossos pensamentos. Tal existência seria pior do que o inferno. Seria preferível não existir.
As bênçãos das bem-aventuranças são para aqueles que interiorizam as características estabelecidas. Todos os outros ficarão do lado de fora do reino.

George R. Knigth

Nenhum comentário:

Postar um comentário