12 de outubro de 2015

Pureza é importante


“Nela, nunca jamais penetrará coisa alguma contaminada, nem o que pratica abominação e mentira, mas somente os inscritos no livro da vida do Cordeiro” (Apocalipse 21:27).
O significado básico de puro é “sem impurezas, limpo, sem contaminação”. O termo grego é com frequência usado para referir-se a metais que foram refinados até que toda a impureza tenha sido removida, restando só o metal puro.
Assim, nesse sentido, pureza significa sem mistura, não adulterado, genuíno. Quando esse pensamento é aplicado ao coração, pensamos em motivos puros, ou, melhor ainda, em sinceridade, devoção individual, uma pessoa que é totalmente dedicada a Deus, de acordo com os Seus princípios.
O oposto de pureza no campo espiritual é ser inconstante. A pessoa inconstante procura seguir ao Senhor e ao mundo ao mesmo tempo. O coração impuro é um coração dividido. É um coração que busca alcançar dois alvos incompatíveis ao mesmo tempo.
Jesus disse que isso é impossível. “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro.” Mt 6:24. Tiago enfatiza a mesma coisa quando escreve que “ser amigo do mundo é ser inimigo de Deus. Quem quiser ser amigo do mundo se torna inimigo de Deus” (Tg 4:4, BLH).
Deus deseja que dominemos nossos atos. Quer que decidamos quem é na verdade o Deus de nossa vida – as coisas da Terra ou o Senhor Jesus. Essas duas áreas representam dois reinos estabelecidos sobre duas diferentes séries de princípios.
Quando Jesus nos diz que Seus seguidores devem ser puros de coração, Ele quer dizer mais do que meramente limpeza das coisas exteriores que contaminam nossa vida. Ele quer dizer também que precisamos compreender que vivemos em um campo de batalha espiritual, e que é necessário que escolhamos com cuidado a quem nos sujeitamos. Ser puro de coração é entregar totalmente nossa vida, mente e vontade a Deus e aos Seus princípios. Tais pessoas terão seus nomes escritos no livro da vida e verão a Deus.

George R. Knight

Nenhum comentário:

Postar um comentário