Aprendendo a Ser Feliz

Introdução
Nunca vivemos um momento tão difícil como humanidade, no contexto financeiro, familiar, social e espiritual, como hoje.

Certo estava o apóstolo Paulo quando escreveu para Timóteo: “Nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis”. (2Tm 3:1)

Diante de tudo que estamos presenciando ou experimentando, qual tem sido nossa reação e posicionamento como cristãos? Seriam iguais aos daqueles que não creem em Deus e vivem sem esperança?

Hoje, como nunca, devemos aprender a viver em meio às crises, situações difíceis e provações sem permitir que tais circunstâncias afetem nossa paz interior, alegria e confiança em Deus.

I – Alguém que soube viver feliz
O apóstolo Paulo é um exemplo para todos os cristãos de alguém que
aprendeu a ser feliz. “Alegrei-me, sobremaneira, no Senhor porque, agora, uma vez mais, renovastes a meu favor o vosso cuidado; o qual também já tínheis antes, mas vos faltava oportunidade.

Digo isto, não por causa da pobreza, porque aprendi a viver contente
em toda e qualquer situação” (Fp 4:10 e 11).

Ele estava querendo dizer aqui que aprendeu a não ser controlado pelas circunstâncias da vida: “Eu não dependo das circunstâncias ao meu redor para ser feliz.”

A nota dominante da epístola aos Filipenses é a alegria.

Paulo não estava escrevendo simplesmente como um apóstolo que tinha que dar uma mensagem a uma igreja que ele havia fundado. Ele escreveu o que sentia, como um amigo para amigos que amava.

Ele escreveu essa carta da prisão.

Por seu exemplo ele procurou mostrar que as circunstâncias que circundam a vida de um cristão não devem ser os fatores que determinam suas atitudes para com a vida.

Como Paulo alcançou essa condição?

Ele disse: “Eu aprendi.” Certamente, ele não gostava das dificuldades que estava experimentando. Não era um masoquista espiritual, nem alguém que gostasse de sofrer, mas aprendeu por experiência a estar contente em meio aos contratempos da vida.

Para piorar sua situação, ele tinha um espinho na carne que o fazia sofrer. Por três vezes ele orou a Deus para que o espinho fosse tirado.

Humanamente, esse espinho o angustiava e o impedia talvez de realizar um melhor trabalho para Deus.

A resposta de Deus foi: “A Minha graça te basta” (2Co 12:9).

II – Feliz em qualquer circunstância
Paulo aprendeu também a viver contente em toda situação porque colocou na mente certos conceitos básicos da vida cristã.

  1. a) Situações são temporárias – Sempre mudam ou passam e eu não posso depender delas.

  1. b) O que importa acima de tudo é minha relação de amizade com Deus e minha paz interior. Desse relacionamento depende minha segurança.

  1. c) Deus cuida de mim. Tudo está sob Seu controle e nada acontece comigo sem que Ele saiba ou permita. Isso me dá tranquilidade. Portanto, não permitirei que situações ruins roubem a minha paz e alegria.


III – Satisfação em Cristo
O princípio que emerge aqui é que Paulo tinha aprendido a encontrar
contentamento na sua satisfação em Cristo. Você e eu precisamos aprender esta mesma lição:

  1. a) Em tempos de paz – Normalmente só temos uma experiência teórica
com Deus.

  1. b) Em tempos de tribulações – Verdadeiramente aprendemos a confiar em Deus e a ter uma experiência real com Ele.

A amizade e confiança de Paulo em Deus eram tão grandes e reais que as demais coisas desta vida não interferiam negativamente em sua vida.

Conclusão
Finalmente, acredito que o maior auxílio para Paulo em seu aprendizado de como ser feliz em meio às dificuldades, foi o fato de ele olhar e seguir o grande e perfeito exemplo de Cristo. “Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que Lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus. Considerai, pois, atentamente, Aquele que suportou tamanha oposição dos pecadores contra Si mesmo, para que não vos fatigueis, desmaiando em vossas almas” (Hb 12:1-3).

Ele aplicou esse exemplo em sua vida pessoal. No tempo em que vivemos precisamos também, como nunca, fixar nossos olhos em Cristo.

Não sei quais são suas lutas, tribulações e enfermidades, mas de uma coisa eu sei: podemos confiar em Cristo, pois nEle encontramos o ânimo e a força de que necessitamos.

Não precisamos temer pois a promessa é: “Não estou só, porque o Pai está comigo” (Jo 16:32).


Pr. Jonas Arrais
                 Este sermão é um oferecimento do Departamento de
                 Comunicação da Associação Paulista Sudoeste

Comentários