O Sorriso de Deus - Meditação da Mulher

Clamei e Ele me Ouviu
Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta. Mateus 7:7
Alguma vez você já orou a Deus e a resposta veio imediatamente? É uma experiência extraordinária, não é mesmo? Uma combinação de lágrimas e riso se une com a sensação de ser muito importante para Alguém que Se preocupa com cada detalhe da sua vida. Imagino que você tenha sentido o mesmo que o servo de Abraão, após viajar várias semanas montado num camelo, com a obrigação de encontrar uma esposa para o filho do seu senhor. O servo de Abraão começou a orar tão logo chegou ao poço da cidade de Naor, e a resposta de Deus foi imediata. Tenho certeza de que o Senhor agiu no coração daquela moça porque o casamento era parte de Seu plano para a formação de uma grande nação, o povo de Israel.
Não faz muito tempo, fui a uma cidade para falar num programa do Ministério da Mulher. Mais de 1.200 mulheres estavam participando, e as expectativas eram elevadas. Recebi o tema e preparei as mensagens e os sermões, mas algo não parecia certo. Quando chegamos ao hotel, algumas horas antes do início do programa, perguntei à líder local como seria a abertura. Quando ela começou a explicar, congelei. O programa todo estava ligado ao tema sobre o qual eu devia falar, mas, para meu horror, não era o que eu tinha preparado. Eu não havia recebido a informação correta.
Naquele momento, comecei a orar a Deus e implorar sabedoria. Não havia tempo suficiente para fazer qualquer mudança. Eu teria que simplesmente confiar nas promessas do Senhor e fazer o meu melhor. Afinal, estava ali para fazer Sua obra, ser instrumento Seu. Assim, orei para que Ele me concedesse a clareza e a paz mental para ouvir Sua voz; que minhas palavras fossem as Suas palavras. Orei, também, para que pudesse suprir as necessidades daquelas mulheres e do programa que fora preparado para elas.
Ao sair da plataforma, eu me sentia como o servo de Abraão. Com lágrimas nos olhos, dei graças a Deus por ter colocado em minha boca a mensagem certa para aquela hora, alcançando verdadeiramente os corações. A resposta havia sido imediata. O auditório de preciosas mulheres fora alimentado pelo Senhor. A promessa de hoje havia se cumprido. "Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta será aberta" (Mateus 7:8).
Williane Steiner Marroni

Anjos e Balões
O anjo do Senhor é sentínela ao redor daqueles que O temem, e os livra. Salmo 34: 7
Em uma bela manhã ensolarada de dezembro, saí de casa com meus filhos para levar minha filha ao local em que ocorreria a reunião do Clube de Des­bravadores. Dali me dirigi para o lugar no qual trabalho, pois eu e minha colega iríamos fazer a decoração de Natal do escritório. Eu estava dirigindo devagar e conversando com meu filho quando vimos vários balões jogados na rua. Com certeza haviam sobrado de alguma festa de aniversário. Como não havia ninguém mais na rua, para brincar com meu filho, puxei o volante para a pista da direita para tentar estourar algum balão. Confesso que não tenho o costume de brincar dessa maneira, mas o fiz.
Logo à frente, havia um semáforo, que estava aberto para a nossa passagem. Continuei na mesma pista em que estava, pois ainda tentava estourar um balão, quando escutei de maneira forte os freios de um carro que cruzava a rua em que estávamos. Ele parou a menos de um metro da porta do meu carro. Naquele momento, meio sem saber o que tinha acontecido, agradeci a Deus pela proteção dispensada a mim e ao meu filho.
Depois, com calma, comecei a pensar em cada detalhe do acontecimento daquela manhã. Imaginei que se os balões não estivessem ali, com certeza eu estaria na pista da esquerda como de costume. E, estando mais à esquerda, o carro que cruzava a rua com o sinal fechado (para ele) teria acertado em cheio a porta do meu automóvel e, consequentemente, a mim também. Reconheci que aqueles balões, ou o vento que soprara para que eles estivessem exatamente ali, não tinham sido um acaso. Acredito que Deus envia Seus anjos para nos guardarem. Naquele dia, pude constatar isso em minha vida e entender melhor algumas declarações de Ellen White, como estas:
"Não sabemos que consequências terão um dia, uma hora ou um momento, e nunca devemos começar o dia sem encomendar nossos caminhos ao Pai celeste. Anjos Seus são comissionados para cuidar de nós, e se nos colocarmos sob sua proteção, no tempo de perigo estarão ao nosso lado" (A Verdade Sobre os Anjos, p. 14).
"Antes de sair de casa para o trabalho, toda a família deve ser reunida; e o pai, ou a mãe na ausência dele, deve rogar fervorosamente a Deus que os guarde durante o dia. [...] Anjos ministradores hão de guardar as crianças assim consagradas a Deus" (Orientação da Criança, p. 519).
Sábios conselhos! Que durante este dia você tenha a proteção dos anjos.
Luciana Ribeiro de Mattos

Entrega o Teu Caminho ao Senhor
Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nEle, e o mais Ele fará. Salmo 37:5, ARA
Em agosto de 2008, eu estava no trabalho e comecei a apalpar meu pescoço, pois senti algo diferente nele. Comentei depois com meu esposo, e ele con­cordou comigo.
Resolvi, então, procurar um médico especialista em cabeça e pescoço. Ele me pediu uma série de exames, afirmando que seria necessário fazer uma cirurgia para retirar o nódulo. Quando lhe perguntei sobre o que poderia ser, ele disse que exis­tiam várias hipóteses: câncer, pneumonia ou apenas um nódulo. Fiquei assustada.
Ao chegar ao trabalho no dia seguinte, comentei com uma amiga sobre a consulta. Ela ficou horrorizada e me indicou seu médico. Consegui uma consulta com ele. A primeira coisa que o médico fez foi pedir uma punção do nódulo.
Depois de uma semana, recebi o resultado, que dizia ser insuficiente para análise. Foi feita mais uma punção, mas sem resultado. Outro exame foi levado para análise em São Paulo. O processo todo acabou durando cerca de quatro meses. Então, no mês de dezembro, recebi a triste notícia de que estava com um câncer chamado Linfoma de Hodgkin.
Fiquei bastante abalada com a notícia. Quem não ficaria? No mesmo instante, o médico me encaminhou para o oncologista, que decidiu pela quimioterapia em vez de realizar a cirurgia para a retirada dos nódulos. A expectativa do médico era de 90% de chance de cura total. Então, começamos nossa luta contra o câncer.
Foram várias aplicações de quimioterapia. As reações sempre eram bastante incômodas, como cansaço físico, náuseas, dores de estômago, azia, diarréia, prisão de ventre, queda de cabelo, etc. Contudo, decidi que não me entregaria à doença; pelo contrário, decidi que me entregaria nas mãos de Deus para resolver o problema, e Ele decidiria o que quisesse fazer com a minha vida.
Meus colegas de trabalho achavam que eu deveria entrar de licença, mas preferi continuar trabalhando, pois isso ajudava a ocupar minha mente. Além do mais, enquanto servia a outras pessoas, eu mesma me sentia ajudada. Continuei também o curso na faculdade.
Quando fiz o exame PET-CT, que identifica se existe alguma célula cancerí­gena viva no organismo, soube, para honra e glória de Deus, que o resultado foi totalmente negativo. Deus cumpre Sua promessa. Ele nos diz: "Eu sou o Senhor que te sara" (Êxodo 15:26, ARA). Confiei nessa promessa e, graças à atuação de Deus em minha vida, hoje estou curada.
Cintya Figueirêdo Alves

O Que é Amor Incondicional?
Assim sabemos que amamos os filhos de Deus: amando a Deus e obedecendo aos Seus mandamentos. 1 João 5:2
Sentado à minha frente na sala da coordenadoria, estava um aluno do 2° ano do ensino médio que acabara de ser convidado a se retirar da aula de geografia. Não era a primeira vez que o desinteresse e o excesso de conversa o tinham conduzido até ali. Cabisbaixo, como que esperando uma sentença, deixei que ele ficasse sentado pensando, enquanto eu terminava um relatório no computador. O silêncio da espera foi interrompido com uma interessante pergunta:
- Pró [como chamam a professora na Bahia], o que é amor incondicional?
No mesmo instante, parei de digitar e, ainda com as mãos no teclado, virei o rosto para olhar na direção de onde viera a interrogação. Sem que eu tivesse percebido, o aluno pegou um livro que estava em cima de minha mesa, no qual vira no capítulo 3 o título: "Amor Incondicional."
Imediatamente, deixei o que estava fazendo e começamos a conversar. Em vez de responder, apenas disse:
- Por que você está me perguntando isso?
- É que eu estava olhando este livro e achei legal a capa. Então, comecei a ler algumas páginas e fiquei com dúvidas. Pensei que talvez minha mãe não me ame. Por isso perguntei.
O livro Como Realmente Amar seu Filho Adolescente, de Ross Campbell, naquela edição tinha uma capa interessante, e propositadamente ficava à vista em minha sala.
Tentei responder à pergunta com base no que o autor descrevia como amor incondicional.
A conversa ficou tão interessante que nem percebemos o tempo passar. Era hora de ir para casa. Então, fui surpreendida pela última pergunta daquela manhã:
- Pró, você emprestaria este livro para eu levar para minha mãe ler?
- Pode ser por uma semana? - foi minha resposta.
- Valeu, minha pró!
Valeu mesmo, pois, na semana seguinte, o livro estava sobre a minha mesa com um bilhetinho da mãe agradecendo pelo "empréstimo". O melhor desse episódio foi notar que aquele adolescente, no turbilhão efervescente de sua vida, mudou o relacionamento na escola, as coisas se encaixaram melhor, ele se tornou participativo nas atividades e foi aprovado para o 3° ano. No fim do ano, recebi dos pais um forte abraço. Creio que eles finalmente tinham entendido o que é amar incondicionalmente.
Minha oração tem sido que aprendamos com Deus a também amar incondicionalmente.
Kenia Amazonita Souza Ferreira

Borboletas
Venham a Mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e Eu lhes darei descanso. Mateus 11:28
Eu estava muito cansada, ou melhor, exausta. Havia trabalhado durante todo o dia e ainda assistido às aulas na Faculdade de Direito. Já era o meu segundo curso e, apesar de cansada, estava muito feliz em fazê-lo.
Nesse dia, quando estava saindo da faculdade, vi uma linda borboleta amarela voando ao meu redor como se estivesse me acompanhando. Naquele instante, me esqueci de todo o cansaço e fiquei observando-a. Uma sensação de paz e tranquilidade tomou conta da minha mente. Deus enviou aquela linda borboleta para desviar o meu pensamento do cansaço e voltá-lo para Sua criação.
Depois desse episódio, toda vez que vejo uma borboleta meu coração se alegra. Gosto de observá-las, pois são coloridas, bonitas, elegantes e sensíveis, e sempre estão rodeando as flores.
De onde vem toda a beleza da borboleta? Como nasce uma borboleta? Existe todo um processo de transformação - a metamorfose, que se divide em quatro fases: ovo, larva, crisálida e adulta.
Quando uma borboleta sai do ovo, ela vira uma larva - que chamamos de lagarta. Nesse período, as lagartas comem bastante vegetais até chegar o momento de hibernação, onde vai se iniciar uma nova fase em sua vida. Essa nova fase é chamada de crisálida, quando a lagarta se endurece toda formando uma capa. E, após alguns dias ou meses, surge a fase adulta, quando se transforma em uma linda borboleta e está livre para voar com suas asas coloridas, encantando a todos. Podemos ser borboletas nas mãos do nosso Deus. Ele pode nos transformar de uma simples larva em uma colorida borboleta. Porém, assim como a lagarta come vegetais todos os dias, nós precisamos do alimento que o nosso Deus nos deixou: Sua Palavra.
A Palavra de Deus nos orienta em todos os momentos de nossa vida. Há sempre um conselho maravilhoso para as situações mais estressantes e variadas possíveis. Lembre-se: sempre que estiver cansada e sobrecarregada, eleve seu pensamento a Deus e esteja atenta aos sinais que Ele enviará, pois várias são as formas que Ele nos fala, sobretudo por meio da natureza. Essas também são maneiras de vermos o sorriso de Deus para nós!
Cristiane Morais

Sacolas Evangelizadoras
Portanto Eu lhes digo: Não se preocupem com sua própria vida, quanto ao que comer ou beber; nem com seu próprio corpo, quanto ao que vestir. Mateus 6:25
Ansiedade, preocupação, medo, angústia, cuidado são características marcantes das mulheres. Lembro-me de que quando morávamos em Brasília, onde trabalhamos por dois anos, com nosso filho ainda pequeno, parei de trabalhar fora para assisti-lo.
Quando ele já estava em idade escolar do jardim da infância, voltei a tra­balhar como autônoma. No período em que ele estava na escola, eu saía para vender alguns produtos. Foi interessante, pois conheci várias pessoas e fiz uma clientela maravilhosa.
Durante minhas visitas, quando chegava às escolas, sempre me batia uma ansiedade, uma angústia, um medo que eu não entendia. Comecei então a conversar com Deus. Eu gostava muito do meu trabalho. Podia estar disponível quando meu filho precisava de mim, pois eu fazia o meu horário. Entretanto, parecia que faltava algo.
Foi então que iniciei a Jornada de Oração de 40 madrugadas com Deus. Nesses momentos, eu orava pedindo que Ele me ajudasse a não ter medo, a confiar que Ele estaria comigo, e que tudo daria certo. Eu não deveria me preocupar, nem ficar ansiosa, pois se Deus cuida das aves, cuidaria de mim também.
Imediatamente, Deus me deu uma ideia. Em cada venda que eu fazia, passei a colocar um folheto dentro da sacola. Interessante como as coisas mudaram. Enquanto eu vendia, silenciosamente evangelizava minhas clientes.
O prazer começou a tomar conta do meu ser. A ansiedade que eu sentia antes deu lugar à segurança; o medo, à coragem; a preocupação, à confiança; a angústia, à alegria. A lição mais importante que aprendi dessa situação foi a confiança que devemos ter em Deus.
Por meio da comunhão, aprendi a conhecer melhor a Deus. Desenvolvi uma amizade tão pessoal com Ele que literalmente sentia Sua companhia quando eu saía para trabalhar.
Existe algo em sua vida que a está deixando ansiosa, preocupada, temerosa ou angustiada? Acredite: Se Deus cuida das aves do céu e dos lírios do campo, quanto mais cuidará de você.
Valdira Vidal de Souza Soares

Estou Aqui!
Venham a Mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e Eu lhes darei descanso. Mateus 11:28
Era um domingo à tarde. Minha filha mais velha, de 5 anos, e eu estávamos com 39 °C de febre, e a bebê de um ano com 38. Meu esposo, de um lado para o outro na casa, tentava cuidar das três. Ele teve que cancelar os compromissos de visitas pastorais, mas não poderia cancelar uma cerimônia de casamento que tinha que realizar naquela noite. A preocupação conosco estava estampada no rosto dele, e assim oramos por uma solução imediata.
Os cuidados de Deus são visíveis e Seu amor é imenso. Seus olhos nos rodeiam a todo momento (Salmo 139:3). Ele prometeu estar sempre perto. Foi assim com os companheiros de Daniel na fornalha ardente (Daniel 3:25); quando abriu o mar para a passagem de milhares de pessoas perseguidas e sem saída (Êxodo 14:21); quando alimentou uma multidão com um lanche que, a princípio, cabia em um prato (Mateus 14:19, 20); quando abriu as portas da prisão, como fez para Paulo e Silas (Atos 16:25, 26), e muito mais. Todas essas iniciativas, vindas de Deus, são convites para que confiemos nEle em cada minuto, e em Suas mãos coloquemos todos os cuidados da nossa vida, não importa a natureza deles. Contudo, para alcançarmos paz e confiança em meio às crises desta vida, é preciso decidir conhecê-Lo mais e mais, procurá-Lo e amá-Lo mais ainda.
Descobrimos depois que minha filha mais velha estava com uma bactéria instalada nos pulmões, e que essa mesma bactéria se instalou também em nossos pontos fracos, causando-me otite, e na bebê, sinusite.
Tenho pensado em todas essas situações adversas e me vêm à mente as pa­lavras de Ellen G. White, ao descrever de forma bela e envolvente o cuidado de Deus, mesmo nos momentos mais difíceis: "Entregue a Ele todas as coisas que perturbam sua mente. Coisa alguma é grande demais para que Ele não possa suportar, pois é Ele quem mantém os mundos e governa o Universo. Nada daquilo que, de alguma forma, diz respeito à nossa paz é pequeno demais para que Ele não perceba. Não há um só capítulo da nossa existência que seja escuro demais para que Ele não possa ler, nem dificuldade alguma tão complicada que não possa resolver" (Caminho a Cristo, p. 100).
Se você ainda não foi a Jesus, saiba que Ele sempre estará pronto a aceitar qualquer pessoa que vá ter com Ele, não importa onde estamos, ou quem somos ou o que fizemos, Ele oferece Sua paz. Procure-O e Ele fará o restante.
A propósito, meu marido pôde cumprir seu compromisso e Deus cuidou de nós.
Nerysângela Tavares Silva Bezerra

Desejo de Ser Mãe
Assim Ana engravidou e, no devido tempo, deu à luz um filho. 1 Samuel 1:20
Depois de alguns anos de casamento, senti o desejo incontrolável de ser mãe. Dias antes de meu casamento, descobri que, por ter síndrome de ovário policístico, deveria passar por uma cirurgia. Fui submetida a ela e meu ovário esquerdo precisou ser retirado. Isso aconteceu após dois meses de casamento.
Depois de três anos, soube que, por ter essa síndrome, eu não ovulava, o que tornava a gravidez praticamente impossível. Ao consultar-me com alguns médicos, vi meu sonho de ser mãe ficar cada vez mais distante. Foram me­ses de sofrimento e angústia até conhecer a Dra. Raimunda, uma mulher de Deus. Ela sempre dizia para Deus que desejava ser mais uma boquinha para louvá-Lo. Essa mulher de oração me disse que confiasse. Voltei para casa com os olhos cheios de lágrimas, pois a sentença de não ter filhos ainda pesava em meu coração.
Sozinha em casa numa noite, orei ao Senhor. Acho que chamei, implorei e repetidas vezes mencionei a Deus o caso do rei Ezequias, que teve sua sentença de morte mudada. Pedi que Ele mudasse tudo aquilo. Transformasse meu choro em alegria, meu sofrimento em paz, minha angústia em certeza de que minha oração seria ouvida e atendida.
Mesmo quando Deus fica em silêncio, Sua resposta à nossa oração é sempre o melhor para nós. Tenho o hábito de ler a Bíblia sempre que termino uma oração. Creio que Deus fala comigo por meio de Sua palavra. Enxuguei as lágrimas e li Sofonias 3:15-20, que começa dizendo que "o Senhor anulou a sentença contra [mim]", e terminava dizendo que restauraria a minha "sorte diante dos meus próprios olhos"
Poucos meses depois, eu estava grávida. Foi um momento muito marcante quando recebi o resultado do exame e soube que teria a chance de ter um filho em meus braços.
Hoje, ao escrever estas palavras, tenho certeza de que Deus ouviu minha oração, respondeu-me por meio de Sua palavra e confirmou Sua promessa na vida de meu filhinho, Henrique.
Agradeço muito a Deus por me proporcionar o privilégio de ser mãe.
Elâne Elizabete Maria de Souza Gomes

O Melhor
Faça do Senhor a sua grande alegria e Ele dará a você os desejos do seu coração. Salmo 37:4, A Nova Bíblia Viva
Ao receber, ao mesmo tempo, duas propostas de trabalho para outros setores na empresa em que eu já trabalhava, fiquei sem saber qual delas escolher. Cada amigo me dava uma opinião diferente e meu coração dizia para escolher a primeira proposta porque eu já havia trabalhado naquele setor antes e sabia como as coisas funcionavam. Orei muito a respeito e pedi a orientação de Deus, mas Ele mantinha silêncio total.
Na entrevista para a segunda proposta, perguntei curiosa ao meu possível futuro chefe, a quem eu não conhecia bem, porque ele havia me convidado para trabalhar em algo que eu não tinha experiência ou conhecimento algum! Foi impossível não sentir vontade de rir com a curiosa resposta dele. Ele simples­mente disse: Porque tenho observado você e vi que você está sempre sorrindo.
Fui para casa pensando como é que uma pessoa avaliaria um candidato para uma vaga de emprego por seu sorriso. Isso me intrigou bastante. O que sorrir tem que ver com ser um bom profissional?
Acordei no dia em que deveria dar a resposta para o gerente de Recursos Humanos. Nada... Eu já havia perguntado tantas vezes para Deus qual dos dois trabalhos deveria escolher e Ele não me dizia nada... Como escolher entre duas coisas boas? Simplesmente fazer um sorteio, escolher qualquer uma ou o quê?
Sempre acreditei que Deus sabe o que é melhor para nós e que Ele quer nos dar não somente o que é bom, mas o que é o melhor.
Como eu saía para o trabalho muito cedo e na empresa já fazíamos um culto matinal, eu costumava fazer meu culto pessoal antes de dormir. Naquela manhã, porém, acordei mais cedo que de costume e resolvi ler a meditação antes de sair.
Ao abrir a Meditação da Mulher daquele dia, não pude crer no título que li em letras que pareciam saltar em negrito diante de mim: O Valor de um Sorriso.
Fechei o devocional e fui trabalhar segura do que deveria escolher. Muitas pessoas me criticaram, acharam que eu me arrependeria da escolha, que aquilo havia sido apenas coincidência; mas, como você já deve suspeitar, jamais me arrependi por ter escolhido a sugestão de Deus.
Seja lá o que você precisa escolher hoje, se um emprego, uma profissão ou um marido, atrevo-me a insistir que você não faça uma escolha baseada em seu coração. Deixe Deus escolher por você. Ele quer lhe dar muito mais que o bom. Ele quer lhe dar nada menos que o melhor!
Kênia Kopitar

A Caneta Especial
Muito bem, servo bom e fiel! Você foi fiel no pouco, eu o porei sobre o muito. Venha e partícipe da alegria do seu senhor! Mateus 25:21
Tenho o costume de separar para Deus tudo o que considero especial. Assim, se há algo de que gosto muito, separo para Ele. O perfume que uso no sábado, quando vou à igreja, por exemplo, é diferente do que uso durante a semana. Faço isso até com canetas!
Normalmente, gosto de escrever com caneta de ponta fina, pois acho que ela torna minha letra mais bonita. Certo dia, veio parar em minhas mãos uma caneta assim. Eu tinha realmente prazer em utilizá-la, daí resolvi separá-la para meu uso na igreja. Infelizmente, quando a tinta acabou, não tive outra escolha senão jogá-la fora. Afinal, que utilidade teria agora? Antes, porém, de descar­tá-la, me ajoelhei ao lado da lixeira e agradeci a Deus por tê-la me dado e por ter sido tão útil. Isso pode parecer um ato sem sentido, mas me senti bem em fazê-lo, pois sempre incluo Deus em tudo o que faço.
Dias depois, fui participar de um acampamento de Aventureiros. Chegando lá, que surpresa agradável: todos receberam um kit contendo uma pasta com várias coisas, inclusive uma caneta. E acredite! A caneta era exatamente igual àquela que eu acabara de descartar. Considerei o presente um carinho da parte de Deus. Como não poderia ser diferente, a separei novamente para ser usada apenas aos sábados.
Tenho experimentado em minha vida o amor e a bondade de Deus. Como um Pai carinhoso, Ele tem maneiras simples, mas muito especiais de nos agradar.
Meu convite é para que você se envolva, se entregue e confie em Deus em todas as circunstâncias e aspectos da sua vida. Se temos o hábito de envolvê-Lo nas coisas pequenas que nos dizem respeito, também o faremos quando sur­girem as grandes.
Jesus disse que aquele que é fiel nas pequenas coisas, será também nas grandes. E a fidelidade está diretamente relacionada à confiança. Se você tem dificuldade em confiar em Deus, comece com as coisas pequenas, mas faça isso de verdade. Você experimentará coisas incríveis!
Naquele encontro, não fui a única a receber a caneta. Ela foi um presente a todas as outras pessoas. Deus não faz o bem apenas para alguns. Não! Ele deseja participar da vida de todos os Seus filhos, pois todos Lhe são queridos.
Confie a Ele sua vida, sua família, seu dia a dia, seu trabalho, seu passeio, seu alimento, seu vestuário; enfim, tudo! Tudo o que diz respeito a você é importante para Ele. E aguarde as lindas e maravilhosas bênçãos que surgirão diante de você!
Iêda Maria Silva de Oliveira

Não Tão Longe, Senhor
Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nEle, e o mais Ele fará. Salmo 37:5, ARA
Após alguns anos de casada e morando havia nove anos numa cidade grande e perigosa, comecei a orar a Deus para que nos tirasse dali, mas que fosse feita a vontade dEle. Tínhamos nossos filhos ainda pequenos e sentia que não seria uma boa experiência para eles se desenvolverem num lugar como aquele.
Nessa época, eu trabalhava em casa dando aulas de piano e musicalização infantil. Morava perto da escola que meu filho mais velho frequentava. Procurava sempre estar próxima dos filhos para poder educá-los conforme os princípios, mas sentia que nem tudo estava bem.
Levei, então, minhas preocupações e angústias a Deus e procurei confiar em Sua bondade e direção.
Certo dia, meu esposo chegou em casa e me falou que havíamos recebido um chamado para trabalhar no Mato Grosso. Fiquei um pouco apreensiva, mas me lembrei de minhas orações quando pedi a Deus para nos tirar dali.
Conversei novamente com Ele e lhe falei: "Paizinho, sei que Lhe pedi para nos tirar daqui. Mas precisava ser tão longe?" Mesmo assim, confiei nas promessas de Deus e entreguei nosso caminho a Ele.
Lá fomos nós, distante de nossos familiares, amigos e num lugar novo, desconhecido, mas com muita disposição e alegria por saber que Deus estava conduzindo nossa vida.
Quando chegamos lá, tivemos oportunidade de viver experiências muito recompensadoras, que não teríamos em outro lugar.
Pude trabalhar com as mulheres de nossa igreja e aprender muito com elas. Via­java bastante conhecendo todo aquele estado ecológico, cheio de belezas naturais.
Um dia, quando viajávamos de carro, observei um tucano voando à nossa frente e mais adiante um tuiuiú. Que coisa linda! Só mesmo num lugar desses poderia ver pássaros raros e lindos como esses, com seu colorido vivo e encantador.
Ao conhecer o Pantanal Mato-grossense tive outro sentimento de alegria contemplando toda aquela natureza. Nunca havia visto tantos jacarés juntos...
Também gostávamos de ir com nossos filhos à universidade da cidade, onde havia uma árvore frondosa. Ao pôr do sol, as garças chegavam para dormir em seus galhos. Era um espetáculo inacreditável. O mesmo acontecia pela manhã quando elas voavam rumo ao seu destino. Isso acontecia todos os dias e ficou marcado em nossa memória.
Devemos confiar em Deus a agradecer-Lhe por cuidar de cada detalhe da nossa vida. Não sabemos o que está à nossa frente, mas Deus sabe de todas as coisas e quer o melhor para nós, proporcionando-nos mais do que pedimos e merecemos.
Rosecler Linhares de Queiroz

Sonhos... Lágrimas
O que é impossível para os homens é possível para Deus. Lucas 18:27
"Era uma vez..." e "foram felizes para sempre..." Célebres frases que começam e terminam as histórias, com as quais os olhinhos infantis brilham ao viver cada palavra narrada pelo historiador. Nem sempre, porém, as histórias são assim.
Por meio das asas da imaginação, podemos voar a lugares nunca vistos; lugares que só existem nos sonhos de alguém que ama, que sonha, que luta por um ideal.
Nessa viagem, podemos nos deparar com a realidade cruel que muitas vezes machuca e desmotiva.
Cada dia encontramos pessoas que passam sorridentes por nós, e nem perce­bemos que por trás de um lindo sorriso se esconde uma história de vida sofrida, uma história sem o tão sonhado "foram felizes para sempre".
As pessoas são diferentes e têm maneiras diversificadas de encarar os fatos da vida, de reagir aos obstáculos que estão à frente.
Cada um tem suas cargas emocionais, que são por vezes uma barreira para os sonhos, ou podem ser o trampolim para o sucesso na vida.
Pessoas vêm e vão. Cada uma tem sua história. Algumas vezes, elas são tristes. No entanto, é possível mudar o rumo de histórias tristes, desde que haja a motivação de um ideal eterno e a certeza de que, no fim, a recompensa virá e ainda teremos o "felizes para sempre" ao lado de Jesus.
Sempre é possível mudar a situação que nos entristece e preocupa, desde que confiemos numa força maior, em Alguém que nos ama e Se preocupa conosco, que conhece tudo sobre nós e sabe até quantos fios de cabelo temos.
É só segurar firme nas mãos de Jesus. Ele dará a força que você tanto precisa para continuar a caminhada rumo ao Céu. A única maneira de segurar a mão de Jesus é colocar suas mãos em posição de oração e, pela fé, contar tudo para Ele, pois a oração é a resposta para cada problema da vida.
Por meio da oração, você entra em sintonia com a sabedoria divina, que sabe como resolver tudo o que a preocupa, e ainda realizar seus sonhos.
Nada é tão complicado ou sem esperança que Deus não possa dar uma solução, desde que seja para a sua felicidade. Portanto, ore com fé.
Edit Fonseca

Em Tudo Dai Graças
Dêem graças em todas as circunstâncias, pois esta é a vontade de Deus para vocês em Cristo Jesus. 1 Tessalonicenses 5:28
No dia 28 de fevereiro de 1996, às cinco horas da manhã, o coração do meu filho Pedro Henrique parou de bater. Meu esposo me abraçou e disse: "Dê graças em todas as circunstâncias." É muito difícil ouvir esse verso quando seu filho está morto.
Em 15 de fevereiro de 1993, Pedro Henrique tinha começado a quarta série; e, em 31 de abril, foi para um aparelho de oxigênio, do qual só saiu quando fa­leceu. Apesar das várias hospitalizações por causa da insuficiência imunológica e respiratória, ele tinha conseguido terminar a quarta, quinta e sexta séries.
Graças ao apoio e ao carinho do Colégio Adventista, ele teve relativa qualidade de vida. Os médicos acreditam que isso foi fundamental para ajudar a prolongar a vida dele, pois Pedro Henrique adorava estar na escola com os colegas e professores.
Quando nosso filho faleceu, pedimos que o pastor Amauri fizesse a cerimônia de sepultamento. Durante os anos em que estudou no colégio, nosso filho tinha conhecido a verdade. Nós seguíamos outra religião, e Pedro Henrique questio­nava sobre o sábado e os hábitos alimentares. Não entendíamos, mas ficávamos emocionados com a preocupação dele em agradar a Deus e em fazer Sua vontade.
O pastor Amauri e a esposa mostravam na Bíblia as promessas de Deus, e me confortavam com muito amor e paciência. Eles nos presentearam com o livro O Grande Conflito, de Ellen White. Certa ocasião, ao abri-lo no capítulo que fala sobre onde estão os mortos e a esperança na volta de Jesus, fui pro­fundamente tocada. Li o livro de capa a capa e percebi que a Igreja Adventista do Sétimo dia era a igreja certa.
Nesse meio-tempo, nosso segundo filho, Luiz Felipe, tinha pedido estudo e queria ser batizado. Tinha apenas 10 anos. No dia do seu batismo, em setembro de 1996, ele entregou a rosa para nós dois, e meu esposo e eu também tomamos a decisão pelo batismo. Fomos batizados no dia 13 de dezembro de 1996, no culto de Ação de Graças do colégio.
Desde então, nossa vida tem sido de paz e felicidade por saber que, quando Cristo voltar, nosso filho ressuscitará e, graças à bendita esperança, poderemos reunir toda a família novamente.
Às vezes, ficamos meditando sobre o quanto Deus é bom, pois, entre lágrimas e sofrimento, uma família foi salva. No batismo da primavera de 2000, nosso filho mais novo, então com 11 anos, também desceu às águas.
Minha gratidão é tanta que sou professora no Colégio Adventista. Na igreja, tanto eu como meu marido, procuramos dar nossa contribuição, pois realmente Deus é maravilhoso. Aprendemos que em tudo devemos dar graças.
Olga Regina Eltz Fröhlich

Amor Incomparável
Vejam como é grande o amor que o Pai nos concedeu: sermos chamados filhos de Deus, o que de fato somos! 1 João 3:1
Outro dia, estava pensando no amor incomparável que Deus nos outorga sem merecermos. Mesmo que, muitas vezes, ouçamos sobre Seus atos de amor por outros, mas não demos a justa ou merecida atenção, ele está à nossa disposição.
Nossa dificuldade para aceitar e compreender talvez se dê porque essa palavra, "amor", esteja tão banalizada pela mídia, e até mesmo por alguns cristãos, ou porque seu verdadeiro significado seja grandioso demais para nós o mensurarmos. É como querer colocar o mar dentro de um copo. Contudo, isso não é o mais relevante. O que é realmente de suma importância é que Deus, em Seu imensurável amor e misericórdia, ama a cada um de Seus filhos como se fosse único no Universo.
Foi esse amor que O levou a permitir que Seu Filho viesse a este mundo nascer como uma criança, tão dependente de quem a gerou; fosse perseguido, rejeitado, humilhado, como o maior pária da sociedade, e morresse em um instrumento designado aos piores criminosos da época. Como entender esse amor?
Louvo a Deus porque, mesmo ciente de tudo o que Seu Filho passaria e sabendo que poucos O aceitariam, Eles levaram avante o plano da salvação. Como entender que o Criador, o dono do Universo, Se importe tanto com seres como nós, falhos pecadores? Por isso, esse amor é incompreensível para mim.
Sabemos que em Sua Palavra há grandes promessas. De todas, a que mais almejo ver concretizada se refere ao breve retorno de Cristo. Por nos amar tanto, Ele não apenas morreu por nós, mas voltou ao Céu para nos preparar um lugar. Ele prometeu voltar para nos buscar a fim de que estejamos onde Ele está. Quanto amor!
Todos que permitem que esse amor preencha o vazio que existe no coração - vazio que só pode ser preenchido pela eternidade -, que deixam que Cristo guie seus passos e transforme seu caráter, estarão nas mansões celestiais. Não há nem haverá mérito humano, mas muita gratidão por tão grande sacrifício, e o desejo de viver eternamente ao lado de quem amou e ama incondicionalmente. Jesus está às portas e quer recebê-lo por toda a eternidade.
A letra de uma canção diz: "Senhor, eu só quero estar onde estás e viver em Tua presença. Leva-me para este lugar, pois eu quero ali morar." Que essa seja nossa oração!
Maria de Lourdes Oliveira

Nicolas
Por isso não tema, pois estou com você; não tenha medo, pois sou o seu Deus. Eu o fortalecerei e o ajudarei; Eu o segurarei com a Minha mão direita vitoriosa. Isaías 41:10
E agora? Estávamos eu e meu marido no quarto da maternidade, quando o pediatra nos relatou que nosso filhinho havia nascido com suspeita de ser portador da síndrome de Down. Para confirmação, era necessário fazer um exame cujo nome é cariótipo. Muitas coisas passaram pela minha cabeça, muitos porquês. Por que eu?
Passados alguns dias, fizemos o exame. Após um período de agonizante espera, recebemos a confirmação, embora já tivéssemos certeza, pois suas caracterís­ticas demonstravam isso. Na época, meu marido lutava contra a aceitação da síndrome. E tudo isso me deixava preocupada, pois temia que ele não aceitasse nosso filho como ele era.
Como a maioria dos portadores da síndrome de Down, o Nicolas também nascera acometido de uma cardiopatia. Ele tinha uma CI (comunicação entre o ventrículo direito e o esquerdo), que popularmente chamamos de "furinho". Ficamos abalados com o diagnóstico, pois seu desenvolvimento estaria ainda mais prejudicado e, se a CI não fechasse, ele teria que ser operado.
Meu marido e eu oramos pedindo a Deus que não fosse necessária a cirurgia, mas Deus fez mais do que isso. Ele restaurou totalmente o coração do Nicolas. Hoje, Nicolas não precisa nem ao menos de acompanhamento cardiológico e está liberado para toda e qualquer atividade física.
Desde o primeiro mês de nascimento, levamos o Nicolas em fisioterapeutas, fonoaudiólogos e médicos, que o acompanham até hoje. Sabemos que a jornada é longa e difícil; porém, Deus nos fortalece e nos ajuda todos os dias.
Por meio de muitas orações e súplicas, Deus nos confortou e, hoje, sabemos o real motivo de termos recebido de Deus o Nicolas. Por intermédio dele, Deus nos resgatou e nos transformou. Temos a maravilhosa oportunidade de ver todos os dias os milagres de Deus na vida do nosso filho. Não conseguimos nos imaginar sem essa criança tão maravilhosa.
Tenho apenas a dizer: Obrigada, Senhor, por nos presenteares com um ser tão lindo, que nos faz ver todos os dias os Teus milagres.
Adriana Neves Barbosa

Olhando Para a Direção Certa
Os olhos do Senhor voltam-se para os justos e os Seus ouvidos estão atentos ao seu grito de socorro. Salmo 34:15
Em 2009, realizei uma viagem de férias diferente de todas as que já realizei em minha vida, pois estava sem a minha família (meu esposo e meus dois filhos). Esse seria meu primeiro desafio. O segundo era o de viajar para um país desconhecido para mim, a Inglaterra. Meu objetivo era visitar a Stanborough School, um internato adventista, e acompanhar o projeto de intercâmbio de alunos.
Quando lá cheguei, me deparei com um grupo de 20 alunos representantes de 10 países diferentes.
Nosso primeiro passeio foi ao centro de Londres, ao palácio de Buckingham. O jovem que liderava o grupo orientou que todos teriam 30 minutos para a visita e logo retornariam ao ponto de encontro combinado.
Retornei no tempo previsto e, para minha surpresa, não havia ninguém do grupo. Aguardei 10 minutos e ninguém apareceu. A primeira preocupação veio à minha mente, o ticket da passagem de retorno ao colégio estava com o líder do grupo.
Após duas horas de espera, ergui meus olhos e deparei-me com o líder do grupo acompanhado dos alunos.
Agora me sentia segura e pronta para seguir o programa de visitas que ainda restava realizar. A etapa seguinte seria um passeio de barco no rio Tâmisa. Dirigi-mo-nos ao local de embarque e, quando estávamos na entrada, o líder me avisou assustado que havia se esquecido de comprar minha passagem. Recomendou que eu retornasse ao guichê, mas o tempo não permitiu que isso acontecesse. Apenas assisti de longe a saída da embarcação. Mais uma vez sozinha, em uma terra desconhecida, e sem o ticket de retorno para o colégio.
Sentei em um local próximo do ponto de retorno das embarcações. Olhei para minha direita e avistei o grande relógio do Big Ben, que marcava 14h30. A cada embarcação que chegava, eu me posicionava na esperança de reencontrar o grupo. As horas, porém, foram passando e a esperança diminuindo. O relógio marcava 18 horas, quando concluí que o grupo havia desembarcado em outro local. Decidi: vou comprar outro ticket de retorno ao colégio. A noite havia chegado e meu desafio era o de retornar sozinha.
Tudo acabou dando certo, mas essa experiência me fez refletir sobre as vezes em que ficamos acomodadas, achando que estamos seguras. A falsa segurança pode nos fazer perder o foco das coisas celestiais. Gastamos tempo demais com expectativas, ou quem sabe à espera de algo que nunca acontecerá.
Meu conselho é: Ouça mais a voz de Deus e confie. Não desvie o foco daquilo que fará de você uma mulher vitoriosa aos olhos de Deus.
Ana Angélica Pereira Fernandes


Meditação da Mulher - Dezembro de 2015


O Sorriso de Deus  
 

Comentários