11 de dezembro de 2015

Um sinal visível do amor de Deus - Arco­íris

  
A aliança de Deus com toda a humanidade
Inegavelmente, o mundo vai muito mal. Não podemos ignorar toda a maldade que nele; mas Deus ainda está nos tolerando. Assim, podemos imaginar como o mundo antediluviano estava ruim para que o Senhor o destruísse com um dilúvio. "Deus deu ao homem Seus mandamentos, como regra da vida; mas Sua lei era transgredida, e todos os pecados imagináveis foram o resultado. A impiedade do homem era franca e ousada, a justiça pisada no pó, e os clamores dos oprimidos chegava até o Céu" (Patriarcas e Profetas, p. 91).


1.   Leia Gênesis 9:1­7. Que aliança foi feita entre Deus e os seres humanos, e como essa aliança reflete Sua graça em relação à criação? 

R. A promessa de que nunca mais os seres vivos seriam destruídos por um dilúvio.




A aliança que Deus apresentou a Noé foi a mais universal dentre as alianças bíblicas; foi feita com toda a humanidade, e incluiu também os animais e a natureza (Gn 9:12). Além disso, esse foi um acordo unilateral: o Senhor não impôs exigências nem requerimentos àqueles com quem estava estabelecendo a aliança. Ele simplesmente não voltaria a destruir a Terra com água, e ponto final. Diferentemente das outras alianças, nessa nada era condicional.



Deus, então, selou Sua aliança com um sinal visível, de um arco­íris, que simboliza a promessa de que a Terra nunca mais seria destruída por um dilúvio. Portanto, toda vez que vemos um arco­íris, o simples fato de que estamos aqui para vê­lo é, de forma específica, uma vindicação dessa antiga promessa inerente à aliança. Em meio ao constante pecado e à maldade que existem na Terra, às vezes somos privilegiados com a beleza de um arco­íris, sinal da graça de Deus para com o mundo. Podemos olhar para ele e extrair esperança, não somente por causa de sua grande beleza, mas também porque sabemos que ele é uma mensagem de Deus, de Seu amor para com este planeta miserável.



Pense na grandeza e beleza do arco­íris. À luz do que a Bíblia diz sobre esse fenômeno, de que forma ele nos atrai para Deus, para a transcendência, para algo maior do que as coisas pobres deste mundo?
Sabemos que um arco­íris ocorre quando a luz do sol é refratada e refletida em gotas de água, dispersando a luz em vários ângulos. A luz entra na gota de chuva em um ponto, é refletida por trás dessa gota em outro, e sai por outro, criando as cores que vemos.



O poeta John Keats temia que a ciência fosse "desfazer o arco­íris", mas mesmo que pudéssemos analisar, medir, predizer e quantificar tudo a respeito do arco­íris, até chegar ao interior de cada fóton e ao fundo de cada quark, o que isso provaria, exceto que compreendemos melhor as leis naturais que Deus usou para criar os sinais dessa promessa da aliança?. Talvez a ciência um dia seja capaz de explicar tudo sobre a composição do arco­íris, com detalhes de até 25 dígitos à direita da vírgula, mas nunca poderá explicar por que ele se forma.


Nós, porém, sabemos por quê. Deus criou o mundo de tal forma que, quando a luz do sol e a névoa úmida estão na relação correta uma para com a outra, a névoa fragmenta a luz, refratando­a e refletindo­a em diferentes ângulos que criam faixas de ondas eletromagnéticas. Essas faixas de ondas, ao atingirem nossos olhos, formam em nossa mente a imagem de um arco­íris. Ele fez isso (a razão que a ciência nunca poderá explicar) para nos lembrar da promessa de Sua aliança, de que nunca mais destruiria a Terra com água.

Perguntas para reflexão


1.   Que verdades bíblicas cruciais a ciência nunca poderá nos ensinar? Poderíamos dizer que as coisas mais importantes nunca poderiam ser reveladas pela ciência?


2.    Qual é o papel da fé e qual é o papel das obras, e de que forma elas se relacionam com a experiência cristã?

( Leia a postagem completa aqui.) 
Imre Tokics

Nenhum comentário:

Postar um comentário