3 de janeiro de 2016

Pra você meditar: A pressa destrói

“Antes, seu prazer está na lei do Senhor, e na Sua lei medita de dia e de noite” (Salmo 1:2).
A vida moderna, cada vez mais agitada, está banindo de nosso meio um dos recursos mais importantes para o desenvolvimento de nosso equilíbrio espiritual e emocional: a meditação.
O corre-corre atrás do “pão de cada dia”; a preocupação com o amanhã; uma recheada agenda de compromissos sociais; a busca de status material e social – tais coisas são inimigas da meditação que recria e enriquece o espírito.
O que o orvalho é para a flor, assim é a meditação para a vida espiritual. Mas o cristão moderno está murchando. Mesmo assim, diz: “Estou rico e abastado, e não preciso de coisa alguma” (Ap 3:17). Quem alimenta esse tipo de atitude, não sabe o que é meditação, na prática. Jesus, a Testemunha Fiel, descreve tal pessoa assim: “Nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu”. Esses adjetivos não são nada agradáveis.
– Vamos fazer o culto, João – diz a esposa.
– Não há tempo. Não posso chegar atrasado ao emprego.
– Pelo menos o verso áureo – ela insiste.
– Então, vamos, mas bem depressa! – ele sugere.
A oração que se segue – fria, apressada, rotineira e oca – não traduz o clamor da alma, ansiosa pelo oxigênio espiritual.
João, o laodiceano, corre para o emprego. Luta, sua a camisa, e depois vem almoçar.
– Tudo bem, João? – pergunta a esposa, cansada das tarefas domésticas.
– Mais ou menos – ele responde.
João come depressa, enquanto os pensamentos se enroscam nos problemas do trabalho.
– Tchau, mulher; tchau, crianças…
O trabalho o absorve. E, quando chega a noite, João se preocupa com televisão, entretenimento, bate-papo com amigos, até que o sono o domina completamente. Antes de se jogar na cama, profere aquela oração rotineira e insípida. Dorme com a alma mais seca do que os montes de Gilboa.
Amigo ouvinte, esse não é o quadro de sua vida, por acaso? Não é hora de começar ou recomeçar um encontro diário, contínuo, constante com Deus?

RL
Amilton Menezes

Nenhum comentário:

Postar um comentário