18 de fevereiro de 2016

SE... & Verdadeiros amigos

Eu o sustentaria com o trigo mais fino e o saciaria com o mel que escorre da rocha.
 Sal. 81:16

O verso de hoje apresenta dois verbos no modo condicional “sustentaria” e “saciaria”. Estas são promessas que expressam segurança e plenitude, mas requerem uma condição. A condição é: “Ouve, meu povo, quero exortar-te. Ó Israel, se me escutasses! Verso 8. As exortações divinas não têm como propósito fazer da vida um fardo, o objetivo é: “sustentá-lo e saciá-lo.”
Quem é louco para não seguir o caminho que  lhe fará bem? E no entanto olhe a queixa divina. “.. o meu povo não me quis escutar a voz, e Israel não me atendeu.” Ver.11
Todos os dias precisamos decidir, se ouviremos a voz de Deus ou seguiremos os próprios instintos. O Senhor aconselha seguir o caminho que levará a segurança e a plenitude, mas não  obrigar. Deixa a liberdade de escolha como ser humano.
A tragédia de Israel, era que não dava importância aos conselhos divinos. Sofria constantemente por seguir os seus próprios caminhos, Insistia em andar segundo sua  maneira de ver as coisas. Vez após vez Deus o chamou para os seus caminhos e finalmente Deus disse: “Assim, deixei-o andar na teimosia de seu coração.”
A teimosia é um denominador comum na vida de toda pessoa fracassada. O dicionário  define a teimosia como a insistência em fazer algo que não dá certo.
Hoje, preciso analisar as minhas próprias atitudes. Até que ponto continuo repetindo atos que só trazem dor a minha vida ou a vida das pessoas que amo?
“Eu o sustentaria”. “Eu o saciaria”. Promessas maravilhosas que podem se tornar realidade na experiência do ser humano que, deixando de lado suas próprias opiniões abre os ouvidos para os conselhos divinos.
Faça deste dia um dia de decisões sábias. Acredite nas maravilhas que Deus é capaz de fazer em você e por você. Por que continuar experimentando o vazio do coração se Ele promete saciá-lo? Por que ter medo do futuro se Jesus promete sustentá-lo? Saia para os desafios da vida, lembrando-se da promessa de Deus para você: “Eu o sustentaria com o trigo mais fino e o saciaria com o mel que escorre da rocha.” 

Alejandro Bullón



“Em todo o tempo ama o amigo, e na angústia se faz o irmão” (Provérbios 17:17).
Ter amigos é um presente muito grande. Às vezes há situações em que temos que nos despedir de amigos íntimos, seja por mudanças de escola, trabalho, cidade, etc. Quando temos que nos mudar para outras cidades, isso implica em mudança de igreja e de amizades. Deixar essas pessoas tão queridas nos causa muita dor. Sua perda deixa um vazio que nunca mais se fecha por completo.
Dizemos: “Vamos manter contato!” Na verdade, é muito fácil esquecer. Não se pode substituir um amigo como uma peça descartável! Manter amizades toma grande parte do nosso tempo e energia; os verdadeiros amigos são difíceis de encontrar.
É importante cuidar dessas relações. Precisamos da compreensão e da diversão que podemos encontrar nessas amizades. Necessitamos de relacionamentos que não apenas demandem de nós, mas que também se interessem por nós, amigos com os quais sejamos autênticos e nos deixem felizes.
Sobretudo, precisamos de amigos espirituais com os quais possamos orar, expressar inquietudes, pensamentos, etc. Os bons amigos nos aceitam tal como somos, e nos dizem quando erramos. Ter amizades não é um luxo, é uma necessidade para nosso bem estar espiritual e em geral.
Que lindo quando pensamos em nossos amigos e podemos nos expressar como Paulo: “Dou graças a meu Deus por tudo que recordo de vós” (Fl 1:3).

GP
Via: Amilton Menezes 



Nenhum comentário:

Postar um comentário