As três leis da oração


Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta. Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta será aberta. Mateus 7:7, 8

O uso que Cristo fez das três breves palavras que introduzem cada lei da oração – pedir, buscar, bater – não significa repetição ou redundância. Elas poderiam significar a mesma coisa em alguns idiomas, porém não é esse o caso no contexto do estimulante comentário de Cristo sobre nossa vida de oração.

Essas ordens denotam um movimento progressivo rumo a um alvo específico. Assemelham-se a caminhar através dos átrios do templo, no santuário que Deus instruiu Moisés e o povo de Israel a construir (Êx 25:8). “Pedir” representa o pátio exterior. “Buscar” é mais do que pedir, pois leva ao lugar santo. “Bater” fica além dos dois, pois é um convite a adentrar o lugar santíssimo, ao qual podemos comparecer audaciosamente diante do trono da graça, na presença de Deus.

Lei nº 1: Peçam, e lhes será dado. Se alguém quiser testar a validade da oração, deve começar pedindo. Isso, porém, não significa que alguém receberá qualquer coisa ou tudo o que pediu. Jesus não prometeu ou colocou os divinos tesouros e poderes sob as ordens de imaturos e irresponsáveis, nem daqueles que se recusam a aceitar Seu chamado para se unir à Sua família e ser fiéis a Seu Pai.

Isso me faz lembrar de uma história acerca do médico que viu uma mulher orando ao lado da cama de sua amiga, que estava muito doente. Um tanto desdenhosamente, ele perguntou se ela achava mesmo que havia algum mérito na oração. Quando ela respondeu de modo afirmativo, ele disse: – Se eu pedir a Deus 100 dólares, acha que conseguirei?

Para sua surpresa, ela disse: – Não! – E então explicou: – O senhor conhece o presidente dos Estados Unidos?

– Não – respondeu ele.

– O senhor lhe pediria 100 dólares na primeira vez que falasse com ele?

– Claro que não – disse o médico.

– Então por que esperaria que meu Senhor lhe desse 100 dólares, quando mal O conhece?

Podemos nos aproximar de Cristo e pedir, porque nós O conhecemos e Ele nos conhece.

*

Busquem, e encontrarão. Mateus 7:7

Ao discutir as três leis da oração, com base em Mateus 7:7, 8, estabelecemos que a primeira lei é pedir.

Mesmo assim, existe mais confusão entre as pessoas em geral acerca de orações não atendidas do que sobre qualquer outra coisa no cristianismo.

Alguns reclamam, dizendo: “Jesus aconselhou: ‘Peçam, e receberão’. Eu tenho orado e não recebo. Portanto, a oração não funciona.”

Vamos, então, considerar algumas das razões para a falta de respostas.

Talvez nossas expectativas humanas sejam significativamente diferentes da resposta divina.

Talvez, como disse Tiago: “Quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em seus prazeres” (Tiago 4:3). Quantas vezes já pedimos a Deus coisas que, posteriormente, reconheceríamos não serem apropriadas para nós?

O que Jesus deseja que entendamos e aprendamos com essa primeira lei é a certeza de que, quando “pedimos”, independentemente do resultado, haverá uma resposta (ver Is 65:24).

Lei nº 2. Busquem, e encontrarão. Buscar envolve persistência, e a perseverança promete progresso.

Aquele que pede e para, quando não há uma resposta imediata, é como alguns seguidores que se contentavam em apenas tocar a orla do manto de Jesus, sem nunca perseguir Sua bênção espiritual, como fez a mulher com hemorragia. Contudo, ao envolvê-la em um diálogo sobre sua necessidade, Cristo a atraiu para um relacionamento íntimo com Ele e então lhe abriu o entendimento espiritual. Como seguidores ocasionais, muitos hoje se satisfazem com apenas tocar as franjas do mundo espiritual, de vez em quando.

No entanto, o buscador persistente, que se dispõe a afastar os aparentes obstáculos e chegar à porta da esperança com grande expectativa, obterá entrada – se não por sua fidelidade, pelo sacrifício de Jesus.

Aquele que simplesmente pede descobre que existe algo ali. Aquele que busca, porém, encontra o tesouro.

*

Batam, e a porta lhes será aberta. Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta será aberta. Mateus 7:7, 8

Estamos considerando as três leis da oração. As duas primeiras foram pedir e buscar.

Lei nº 3: Batam, e a porta lhes será aberta. A batida é o momento da certeza. A pessoa tem que ter certeza de que deseja o que está pedindo. Deve ser específica acerca daquilo que busca, especialmente quando sua mão se ergue no ar e está para tocar a porta que se abre diante do trono da graça. Essa certeza pessoal é mais forte do que qualquer coisa que imaginemos. Tiago, novamente, fala a esse respeito: “Elias era humano como nós. Ele orou fervorosamente para que não chovesse, e não choveu sobre a terra durante três anos e meio. Orou outra vez, e os céus enviaram chuva, e a terra produziu os seus frutos” (Tg 5:17, 18).

Bata, e você verá que a porta se abre amplamente na Terra, para que você entre nos lugares celestiais pela fé. Para alguns de nós, a porta não se abrirá muito deste lado, porque carecemos de sabedoria.

Ouçamos Tiago, mais uma vez: “Se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá livremente, de boa vontade; e lhe será concedida. Peça-a, porém, com fé, sem duvidar, pois aquele que duvida é semelhante à onda do mar, levada e agitada pelo vento. Não pense tal pessoa que receberá coisa alguma do Senhor, pois tem mente dividida e é instável em tudo o que faz” (Tg 1:5-8; itálico acrescentado).

Quando pedimos, recebemos. Quando damos alguns passos além e buscamos, descobrimos para nossa felicidade que também encontramos o que estamos procurando e, algumas vezes, muito mais. Caso persistamos, sem desistir, prosseguindo intencionalmente para bater, Deus estará sempre ansioso para abrir as portas da oportunidade e da graça perante nós.

Se, por alguma razão, você se sente incapaz de aplicar qualquer uma dessas leis à sua vida e experiência, anime-se. A graça de Deus é tão magnânima, que Ele tomou providências para que, quando outras pessoas fiéis abrirem a porta por meio da oração, a glória resplandeça sobre a vida daqueles que nem sequer pediram.

Lembre-se: a porta está amplamente aberta para todos. É só entrar, assentar-se com intrepidez bem diante do trono da graça e dizer: “Querido Pai!”



Hyveth Williams
http://mais.cpb.com.br/meditacao/as-tres-leis-da-oracao

Comentários