A pedagogia das provas


Abraão, o pai de vocês, ficou alegre ao ver o tempo da minha vinda. Ele viu esse tempo e ficou feliz. João 8:56
Dificilmente, um professor encontrará seus alunos tão concentrados, quietos e reflexivos quanto no momento da avaliação. Por isso, longe de ser um instrumento de punição, a prova é uma grande oportunidade para um professor ensinar a seus alunos lições que eles não aprenderiam de outra forma.
Foi no momento mais difícil da vida de Abraão e Isaque que eles protagonizaram e entenderam a maior revelação do evangelho antes da cruz de Cristo. Deus havia pedido que o patriarca oferecesse em holocausto o próprio filho.
Mesmo sem entender, Abraão resolveu obedecer e, já na caminhada de três dias até o monte onde ocorreria o sacrifício, pai e filho, sem saber, representavam o Pai e o Filho do Céu. Diz o texto bíblico: “Tomou Abraão a lenha do holocausto e a colocou sobre Isaque, seu filho; ele, porém, levava nas mãos o fogo e o cutelo. Assim, caminhavam ambos juntos” (Gênesis 22:6, ARA). Carregando a madeira, Isaque simbolizava Jesus, que levou o madeiro até o Calvário. O fogo e a faca nas mãos de Abraão indicavam sua responsabilidade de tirar a vida do filho. Da mesma forma, Deus ofereceu a vida de seu filho na cruz em nosso favor. Pai e filho juntos, no monte Moriá, representavam silenciosamente Pai e Filho no Calvário.
O evangelho jamais poderia ser pregado por um ser humano de maneira mais clara do que na prova de fé experimentada por Abraão e Isaque. Após Abraão evidenciar sua fidelidade para todo o universo ao estender a mão para tirar a vida de seu único filho, o Anjo do Senhor bradou ao patriarca para que não prosseguisse com o sacrifício. Abraão, então, “viu atrás de si um carneiro preso pelos chifres entre os arbustos; tomou […] o carneiro e o ofereceu em holocausto, em lugar de seu filho” (Gênesis 22:13, ARA). Aqui está o evangelho sintetizado: um substituto provido para morrer em lugar do ser humano condenado. Naquele dia, Abraão “ficou alegre ao ver o tempo da […] vinda [de Jesus]. Ele viu esse tempo e ficou feliz” (João 8:56).
Ao passarmos pela provação, tenhamos a certeza de que ela é uma importante ferramenta didática do Grande Professor, Deus, por meio da qual temos a oportunidade de demonstrar amor genuíno ao Senhor, confiar nele e representar seu caráter em nossa vida.

Fonte: http://mais.cpb.com.br/meditacao/a-pedagogia-das-provas/

Comentários